terça-feira, 20 de junho de 2017

A NOIVA DE CRISTO



Texto Básico: Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o seu esposo. Então, ouvi grande voz vinda do trono, dizendo: Eis o tabernáculo de Deus com os homens. Deus habitará com eles. Eles serão povos de Deus, e Deus mesmo estará com eles. Ap 21:2-3

Introdução: será muito fácil encontrarmos na Bíblia uma figura que a primeira vista pode nos parecer meio fora de relação significativa para com aquilo que ela representa. Porém, se observarmos com um pouco mais atenção, vamos descobrir que a figura tem um encaixe perfeito naquilo em que em ela é usada como representação. Estamos falando da figura da “noiva” que de forma magnifica fala da união estabelecida entre Deus e o seu povo. A figura da noiva e do noivo é usada com frequência em textos bíblicos, e culmina sempre com o estabelecimento do casamento entre ambos e vão representar a relação final de união existente entre Deus e seu povo.

I. A REPRESENTAÇÃO DA FIGURA EM AMBOS OS TESTAMENTOS. 
Levanta os teus olhos ao redor, e olha; todos estes que se ajuntam vêm a ti; vivo eu, diz o Senhor, que de todos estes te vestirás, como de um ornamento, e te cingirás deles como noiva. Is 49:18.
Precisamos observar com certo cuidado, que a figura "noivo e noiva", na maneira como é apresentada em ambos os testamentos, pode conter uma pequena diferença básica no seu significado, ou melhor, nas pessoas de seu significado.

Olhando para o No Velho Testamento, encontraremos a Pessoa de Deus sendo representado como o noivo para o povo de Israel. Assim, nesta mesma representação, Israel passa a representar a noiva. Nesta figura o casamento entre o noivo, Deus e a noiva Israel, vai sempre indicar a união do povo com o Senhor Deus e culmina com a sua Libertação do Egito. Regozijar-me-ei muito no Senhor, a minha alma se alegrará no meu Deus; porque me vestiu de roupas de salvação, cobriu-me com o manto de justiça, como um noivo se adorna com turbante sacerdotal, e como a noiva que se enfeita com as suas jóias. Is 61:10.

Já no Novo Testamento, o noivo é uma representação da Pessoa do Senhor Jesus Cristo, enquanto que a igreja, é representada pela figura da noiva. O casamento entre ambos acontece no ato da vinda do Senhor Jesus no Arrebatamento da igreja quando a igreja será levada para estar para sempre com o Senhor. ITs 4,16-17 Quando for dado o sinal, à voz do arcanjo e ao som da trombeta de Deus, o mesmo Senhor descerá do céu e os que morreram em Cristo ressurgirão primeiro. Depois nós, os vivos, os que estamos ainda na terra, seremos arrebatados juntamente com eles sobre nuvens ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor.

Se conseguirmos entender a riqueza desse processo simbólico, em ambas as representações, possivelmente iremos melhorar em muito nossa relação espiritual com a Pessoa do Senhor Jesus, e daremos mais importância à uma vida de obediência a Ele em nosso dia-a-dia.

II. OS NOIVOS E O PROCESSO QUE ENVOLVEM O CASAMENTO. 
Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela, para que a santificasse, tendo-a purificado por meio da lavagem de água pela palavra, para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito....Grande é este mistério, mas eu me refiro a Cristo e à igreja. Ef 5:25-27,32.
O simbolismo da figura da igreja como noiva de Cristo se encontra em várias passagens no Novo Testamento, e é o assunto central do nosso estudo no momento. Algumas passagens, inclusive a a carta de Paulo aos efésios nos conduz ao entendimento destas figuras representativas entre a Igreja e a Pessoa do Senhor Jesus. Vale a pena fazermos uma rápida análise de algumas informações históricas sobre como era o preparo para o casamento nos tempos bíblicos, e depois observarmos como estas coisas podem ser vistas no casamento entre Cristo e a Igreja. O que temos para observar é a maneira como alguns dos estudiosos da Bíblia descrevem o desenvolvimento do processo do casamento e quais as etapas o validam.

1. O DESPOSÓRIO. 
A primeira coisa que devemos observar, é descrito pelos estudiosos como “Desposório”. Para nós, este não é um termo usado com frequência e alguns de nós, talvez nem o tenhamos ouvido. Segundo o Dicionário Online de Português, Desposório é um substantivo masculino que indica a Promessa de casamento como união legalmente sancionada. O termo indica a União que se efetiva de maneira íntima, profunda, e muito estreita, e é derivado por duas palavras que vão indicar o termo “desposar”. despos + ório. Este processo era um passo oficial e fundamental ao casamento, pois nele se evidenciava o compromisso assumido pelo casal (muitas vezes arranjado pelos pais) em que se prometeram um ao outro. Temos um exemplo disto em um trecho do livro "Dom Quixote" Cap. XXVII, Pág. 155, de Miguel de Cervantes. "... Sabei, senhor, que ele me pediu por esposa para si; e meu pai, seduzido da vantagem que em seu entender vos leva Dom Fernando, tão deveras lhe conveio na rogativa, que em dois dias se há de celebrar o desposório tão secretamente e a sós, que as únicas testemunhas serão o céu e algumas pessoas da casa."

Na Bíblia encontraremos muitos textos que indicam que vão indicar a promessa assumida entre noivo e noiva. Como exemplo, podemos citar o caso de Maria sendo desposada com José. Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Mt 1:18. Devemos observar que o texto nos informa que Maria e José, mesmo compromissados, ainda não viviam o relacionamento de marido e mulher.

2. OS PRESENTES. 
Quando falamos de “presentes” somos levados a pensar na festa de casamento tal como conhecemos hoje. Geralmente estas festas em nossos dias, são realizadas em salões ou ambientes previamente escolhidos pelos noivos, e é normal que os nubentes, recebam de seus convidados muitos presentes. Porém aqui, o termo vai seguir para um outro tipo de interpretação ou desenvolvimento. No caso dos casamentos em tempos bíblicos, os presentes apontavam para o que hoje conhecemos como “dotes” que era uma certa quantia em dinheiro ou joias pagos à noiva e à sua família como garantia do casamento pelo noivo e sua família. E aconteceu que, o servo de Abraão, ouvindo as suas palavras, inclinou-se à terra diante do Senhor. E tirou o servo jóias de prata e jóias de ouro, e vestidos, e deu-os a Rebeca; também deu coisas preciosas a seu irmão e à sua mãe. Gn 24:52,53.

Esta prática de pagamento chamada denominada dote ainda é utilizado em alguns países, até os dias de hoje. Graças a Deus, não aqui no Brasil! Jacó, fez um pagamento de forma bem diferenciada. Ele serviu o seu sogro durante sete anos para receber Raquel como esposa. Foi enganado e teve que servir por mais um tempo para finalmente casar-se com Raquel. Assim serviu Jacó sete anos por Raquel; e estes lhe pareceram como poucos dias, pelo muito que a amava. Gn 29:20.

3. O INTERVALO DE ESPERA. 
O casamento uma vez prometido pelo desposório e pelo pagamento de dotes, agora deveria obedecer um tempo de espera que o antecedia até sua consumação. Durante este tempo, era vedado tanto ao noivo quanto a noiva, qualquer tipo de relacionamento que pudesse manchar o compromisso. Era importantíssimo que ambos, noivo e noiva mantivessem a pureza até que a noiva estivesse devidamente preparada para o casamento. Caso contrário, ambos poderiam romper o relacionamento sem que o processo se consumisse. Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Que estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo. Mt 1:18.

4. AS BODAS OU BANQUETE NUPCIAL. 
Esta era a festa de casamento propriamente dita. Aqui começava a celebração na espera da chegada do noivo à casa da noiva, para a conduzir para sua casa. A noiva enquanto aguardava a chegada do noivo, vestia-se de roupas e joias especiais e apropriadas ao evento, e tinham sempre como acompanhamento as donzelas e outros convidados. Mas à meia-noite ouviu-se um clamor: Aí vem o esposo, saí-lhe ao encontro.Então todas aquelas virgens se levantaram, e prepararam as suas lâmpadas. Mt 25:6,7A festa das bodas tipicamente durava cerca de uma semana. E chorou diante dele os sete dias em que celebravam as bodas; sucedeu, pois, que ao sétimo dia lho declarou, porquanto o importunava; então ela declarou o enigma aos filhos do seu povo. Jz 14:17Somente a partir da realização das bodas, os noivos passavam a serem vistos como uma só carne, pois passam a morar juntos e usufruírem as bênçãos da vida conjugal.

III. O CASAMENTO DE CRISTO O NOIVO, COM A IGREJA, A NOIVA. 
Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou. Ap 19:7
Pois bem, o que vimos até aqui foram as considerações das etapas em relação ao casamento dos povos bíblicos. Vamos observar agora todo este conceito figurativo do termo, relacionado a Pessoa do Senhor Jesus Cristo e da Sua Igreja.

1. O COMPROMISSO
Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela”  Ef 5:25
O que temos de inicio é a abordagem da linguagem bíblica para com as fases do casamento entre Cristo e a Igreja. Aqui, fica expresso o relacionamento de amor para com o povo chamado “Igreja”. O qual é como um noivo que sai do seu tálamo, e se alegra como um herói, a correr o seu caminho. Sl 19:5.O Senhor Jesus veio ao mundo, assumiu uma forma humana e entregou a Sua vida por nós pecadores para nos dar uma condição de salvos por Seu sangue. Uma vez salvos na Pessoa do Senhor Jesus Cristo, nossa identidade assume a condição não mais de nacionalidade mundana, mas somos vistos por Deus como “Igreja”. Como Igreja passamos a ter direitos e promessas advindas da nossa condição de fidelidade a Deus. A voz de gozo, e a voz de alegria, a voz do esposo e a voz da esposa, e a voz dos que dizem: Louvai ao Senhor dos Exércitos, porque bom é o Senhor, porque a sua benignidade dura para sempre; dos que trazem ofertas de ação de graças à casa do Senhor; pois farei voltar os cativos da terra como ao princípio, diz o Senhor. Jr 33:11Dessa forma, tanto Cristo como nós o seu povo, assumimos o compromisso do Desposório.

2. O PRESENTE. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória. Ef 1:14
Da mesma maneira como o noivo, nos tempos bíblicos, davam presentes valiosos à noiva, o Senhor Jesus não fez diferente. Ele deu para a Igreja, o bem mais precioso e valoroso para que se possa imaginar. Jesus entregou a Sua própria vida como pagamento do resgate da a igreja. Isto Ele fez derramando o seu próprio sangue. Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue. At 20:28.

Podemos então afirmar que o presente, ou o “dote”, se assim quisermos interpretar, foi pago de forma evidenciada pelo ato de Cristo fazer por nós a Redenção. O termo “redenção” indica liberdade da força que nos retiam como prisioneiros mesmo que para isso não tivessem pagos nenhum preço por nós. Na verdade o que nos fez prisioneiros foi a nossa condição de pecadores, mas Cristo pagou por nós a nossa libertação do poder do pecado. Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados; Cl 1:14.

3. A ESPERA. Congregai o povo, santificai a congregação, ajuntai os anciãos, congregai as crianças, e os que mamam; saia o noivo da sua recâmara, e a noiva do seu aposento. Jl 2:16
A nossa condição atual descreve muito bem o intervalo de espera. Mesmo sendo recebidos a comunhão com o Senhor Jesus, pelo ato da redenção dos nosso pecados, ainda não fomos levados à habitação eterna na presença Dele. Por esse motivo, diversos trechos no Novo Testamento enfatizam para nós, a necessidade de estarmos preparados para nosso encontro com o Noivo. Jesus voltará nos levará conduzirá para ficarmos para sempre ao lado Dele. Ef 5.27 gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito. 

O Senhor Jesus entregou-se a si mesmo para nos santificar e purificar como Igreja Gloriosa, nos dando condições de, como seus discípulos, sermos achados fiéis, e assim sermos conduzidos às bodas, e ao lar eterno com ele. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. 1Ts 4:17A festa nupcial está preparada. Mas ainda temos que esperar a chegada do noivo para nos levar ao banquete nupcial. Alegremo-nos, exultemos e demos-lhe a glória, porque são chegadas as bodas do Cordeiro, cuja esposa a si mesma já se ataviou, pois lhe foi dado vestir-se de linho finíssimo, resplandecente e puro. Porque o linho finíssimo são os atos de justiça dos santos. Então, me falou o anjo: Escreve: Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro. Ap 19:7-9.

4. A NOIVA ADORNADA PARA O NOIVO. 
Vem comigo do Líbano, ó minha esposa, vem comigo do Líbano; olha desde o cume de Amana, desde o cume de Senir e de Hermom, desde os covis dos leões, desde os montes dos leopardos. Ct 4:8
Todo o simbolismo do casamento do Cordeiro com a igreja pode até ser apresenta como um belo conto romântico, principalmente como apresentado por Cantares de Salomão. Mas a verdade é que existe muito mais coisas envolvidas nesta história do que podemos imaginar.

As Escrituras é o caminho procedente ao preparo do adorno para a festa nupcial. Já entrei no meu jardim, minha irmã, minha esposa; colhi a minha mirra com a minha especiaria, comi o meu favo com o meu mel, bebi o meu vinho com o meu leite; comei, amigos, bebei abundantemente, ó amados. Ct 5:1. As fontes de vida para nós, a Igreja do Senhor Jesus, ´são as Escrituras. A medida que nos aproximamos dela, mais recebemos condições de preparo para o nosso encontro. As Escrituras, são como o adorno para condizentes a festa nupcial, nos dando diretrizes e mostrando para nós as necessidades inerentes ao preparo.Toda a Escritura é inspirada por Deus, e útil para ensinar, para repreender, para corrigir e para formar na justiça. Por ela, o homem de Deus se torna perfeito, capacitado para toda boa obra.

Ezequiel conta a história de uma noiva na espera da chegada do noivo, porém é o noivo quem prepara para a noiva todo o adorno, a deixando em condições de participar da festa. Ez 16,10-14 Eu te vesti de tecidos bordados, calcei-te com sapatos de pele de golfinho, cingi-te com um cinto de fino linho e um véu de seda. Ornei-te de adornos: braceletes nos teus pulsos, colares em teu pescoço, um anel para o teu nariz, brincos para tuas orelhas, uma coroa magnífica para tua cabeça. Teus ornatos eram de ouro, prata, com vestimentas de linho fino, de seda e panos bordados; teu alimento era trigo, mel e óleo. Cada vez mais bela, chegaste à dignidade real. A reputação da tua beleza correu entre as nações, pois essa beleza era perfeita, graças ao esplendor que te havia eu preparado - oráculo do Senhor Javé. O noivo no conto de Ezequiel é uma figura de Cristo que nos dá condições de nos prepararmos para o nosso encontro com Ele. Fato que não conseguiríamos se Ele não interviesse em nosso favor.

EPILOGO. A BELEZA DA NOIVA. 
Porventura esquece-se a virgem dos seus enfeites, ou a noiva dos seus adornos? Todavia o meu povo se esqueceu de mim por inumeráveis dias. Jr 2:32
Como são os preparativos para o adorno do casamento que nós conhecemos hoje? É mais ou menos assim: A noiva escolhe o vestido, cuida de toda sua estética arrumando os cabelos e fazendo tudo para chegar à cerimônia adornada. A diferença é que no casamento de hoje, é o noivo quem espera a noiva na igreja para o ato da cerimônia do casamento. Nos tempos bíblicos, funcionava de forma diferente, como já vimos. Deus cuidou deste particular ao encontrar Israel como uma menina recém-nascida que foi abandonada pelos próprios pais. Ele cuidou desse povo durante anos e, quando estavam prontos, consumou a simbologia como se o vestisse com as melhores roupas. Colocou enfeites e jóias finas. Deu-lhe os melhores alimentos, e este povo se tornou absolutamente pronto para ser recebido por Deus.Porque, como o jovem se casa com a virgem, assim teus filhos se casarão contigo; e como o noivo se alegra da noiva, assim se alegrará de ti o teu Deus. Is 62:5. 

“...pois era perfeita, por causa da minha glória que eu pusera em ti” Ez 16:14. Esta narração embora possa parecer meio que equivocada, ela descreve fato aspectos fundamentais na doutrina bíblica da salvação pela graça. A beleza da noiva depende exclusivamente e prioritariamente pelo noivo. Assim como a beleza da igreja vem de Cristo pois foi Ele quem se entregou para santificá-la. “para a apresentar a si mesmo igreja gloriosa, sem mácula, nem ruga, nem coisa semelhante, porém santa e sem defeito” Ef5:27.

JESUS QUER UMA IGREJA COMPOSTA DE PESSOAS SANTAS. 
Bem-aventurados aqueles que são chamados à ceia das bodas do Cordeiro....São estas as verdadeiras palavras de Deus. Ap 19:9
Na cerimônia de casamento, o momento especial é o da entrada da noiva. O noivo ansioso aguarda próximo ao altar, sua noiva que resplandecente entrará para fazer o pacto solene com ele. Toda a cena de desenrola com a noiva entrando usando seu vestido devidamente adornado e sua aparência, apesar de cansada pelo dia cheio de afazeres, profundamente feliz. Assim será o momento final quando todo o processo simbólico do Noivo Jesus e a Noiva Igreja chagará a seu ponto mais culminante. O ponto será o encontro de Cristo com a Igreja. Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro.Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor. Portanto, consolai-vos uns aos outros com estas palavras
1Ts 4:16-18.

domingo, 18 de junho de 2017

Satanás, um anjo do mau e seu poder limitado.



Em que noutro tempo andastes segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos da desobediência; Ef 2:2

Introdução: Tivemos a oportunidade de ver até aqui que Satanás e seus demônios não foram criados por Deus, eles na verdade foram criados anjos, mas perderam suas condições por pecarem nas regiões celeste sendo por isso expulsos do céu. A partir daí estes anjos foram denominados de "anjos caídos" ou demônios. E houve batalha no céu; Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão, e batalhavam o dragão e os seus anjos; Mas não prevaleceram, nem mais o seu lugar se achou nos céus. E foi precipitado o grande dragão, a antiga serpente, chamada o Diabo, e Satanás, que engana todo o mundo; ele foi precipitado na terra, e os seus anjos foram lançados com ele. Ap 12:7-9.

Mesmo perdendo as suas condições de anjos de Deus, Satanás e seus demônios por serem seres espirituais, continuam exercendo poder extremamente superior ao poder humano. No entanto, mesmo possuidores deste poder, sejam os anjos ou demônios somente agem por determinação de um ser superior a eles. No caso dos anjos, são submissos a Deus e somente agem sob determinação divina. Já os demônios, são submissos a Satanás a quem seguiram em sua rebelião e com quem foram sentenciados a queda lhes tornando submissos.
Estando sob o domínio de Satanás, os demônios agem de acordo com a determinação dele, tendo por isso um poder ainda mais limitado. Contudo não devemos negligenciar suas ações, pois apesar de limitados, são extremamente superior a nós. Podemos dar alguns exemplos bíblicos do poder exercido pelos anjos:

Em demonstração do seu poder, encontramos na Bíblia anjos atingindo alguns homens de cegueira. Aqueles homens (anjos) porém estenderam as suas mãos e fizeram entrar a Ló consigo na casa, e fecharam a porta; E feriram de cegueira os homens que estavam à porta da casa, desde o menor até ao maior, de maneira que se cansaram para achar a porta. Gn 19:10,11

Anjos impediram que leões famintos atacassem e devorassem o profeta Daniel que a Eles fora lançado. O meu Deus enviou o seu anjo, e fechou a boca dos leões, para que não me fizessem dano, porque foi achada em mim inocência diante dele; e também contra ti, ó rei, não tenho cometido delito algum. Dn 6:22

Anjos podem voar com muita velocidade. Estando eu, digo, ainda falando na oração, o homem Gabriel, que eu tinha visto na minha visão ao princípio, veio, voando rapidamente, e tocou-me, à hora do sacrifício da tarde. Dn 9:21

Fica muito evidente, pelos textos lidos, que os anjos são possuidores de grande poder, mas são poderes limitados por Deus. Isto quer dizer que eles não fazem nada que o Senhor Deus não os tenha enviado.

Em relação a capacidade de Satanás e seus demônios, uma coisa devemos observar. Satanás e seus demônios nunca foram "deuses" e nunca chegarão a ser. Eles não passam de seres criados que pecaram e foram destituídos da presença Divina eternamente. Como nos ensina a Teologia, Deus possui atributos que pertencem exclusivamente a Ele. Entre os atributos não comunicáveis de Deus vamos citar três que dizem respeito ao assunto que estamos analisando. São eles: Onisciência, Onipresença, Onipotência. Primeiro precisamos definir cada um deles.

Onisciência. É a capacidade de sabe todas as coisas de forma ilimitada dominando qualquer ciência imaginável ou possível. A  palavra "onipresente" é formada por dois prefixos de origem latina "oni" que significa "todo", e "ciente" (sciente), aquele que tem ciência, que tem conhecimento que sabe tudo. Na Bíblia Sagrada somente a Pessoa de Deus é vista como portador deste atributo chamado onisciência, Por ser Ele, o único que possui plena e perfeita sabedoria e está ciente de tudo o que ocorre, e que é a própria fonte de todo o conhecimento.

Onipresença. Capacidade de estar em todos os lugares ao mesmo tempo. A palavra "onipresente" é formada também por dois prefixos "omni" (que significa tudo ou todo) e "presentia" que significa presença. Existem algumas dúvidas em relação à grafia desta palavra, mais concretamente entre onipresente e unipresente. A forma correta de escrever esta palavra é onipresente. Apesar do termo não aparecer na Bíblia, é possível perceber sem medo de errar, que  que Deus está em todos o lugares. Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também. Sl 139:7,8. Esconder-se-ia alguém em esconderijos, de modo que eu não o veja? diz o Senhor. Porventura não encho eu os céus e a terra? diz o Senhor. Jr 23:24

Onipotência. Capacidade de fazer todas as coisas, sem nenhum tipo de dificuldade. Deus por ser o único possuidor deste atributo é chamado na Bíblia de "Todo-poderoso", palavra que o qualifica em várias religiões, como o Cristianismo, Judaísmo, Islamismo, etc. A crença é que Deus é um ser onipotente, superior, supremo, com poderes incomparáveis em relação ao poder humano ou angelical. O termo surgiu na Grécia Antiga, onde conceitos como onipotente, onisciente e onipresente eram muitos presentes. Assim podemos dizer que Onipotente somente Deus, aquele ser que tem todo o poder, de forma ilimitada. Onisciente somente Deus que possui todo conhecimento do mundo, em todas as áreas, e Onipresente somente Deus que está presente em toda parte, em todos os lugares. Características como essas só poderiam pertencer a Ele.

Visto estas definições, podemos dizer que não encontraremos ao longo das Escrituras, nenhum anjo ou demônio com poder de ler ou de conhecer a nossa mente. At 5:3 "Então disse Pedro: Por que encheu Satanás o seu coração para que mentisses ao Espírito Santo?..." Existem enumeras passagens bíblicas indicando que Deus nos conhece intimamente, conhecer todos os nossos pensamentos, mas, não existe na bíblia nenhuma passagem afirmando que satanás conhece os nossos pensamentos , nem anjo algum. “O SENHOR conhece os pensamentos do homem..." Sl 94:11.

Mt 6:6 Mas tu quando orares, entra no teu quarto fecha a tua porta e ora a teu Pai que está em segredo, e o teu Pai que vê secretamente te recompensará. O que precisamos entender neste ponto, é que Satanás não poder ler as nossas mentes, mas tem condições de, por observação da nossa natureza humana, decifrar o nosso pensamento. Isto porque deixamos muitas pistas em relação ao que pensamos, e ele se tornou especialista em observar nosso comportamento. Satanás tem condições de saber como vamos reagir à tentação, afinal, ele foi o tentador desde o Jardim do Éden. Através da observação incessante e longa experiência, Satanás e seus demônios, com um alto grau de precisão, podem saber exatamente o que estamos pensando, através de nosso comportamento e reação as circunstâncias. O inimigo também poder saber o que está em nossos pensamentos através de nossas palavras e ações. 
Não é por acaso que a Bíblia nos alerta a conhecer o nosso inimigo e tornar-se sábio para os esquemas de Satanás “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar” 1Pe 5:8.

Satanás, segundo a Bíblia afirma, foi homicida desde o princípio, sua missão é sempre o de "matar" e não pensemos que um dia ele pode mudar, pois não vai, afinal ele nunca se firmou na verdade , porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do seu próprio caráter, pois como escreveu João, ele é um mentiroso e pai da mentira. ...Ele foi homicida desde o princípio, e não se firmou na verdade, porque não há verdade nele. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso, e pai da mentira. Jo 8:44

Somente Deus tem poder para nos guardar das artimanhas de Satanás, mas nós precisamos nos cuidar no sentido de não permitir que ele consiga nos enganar com suas mentiras e colocar mensagens falsas em nossa cabeça.  “Sujeitai-vos , portanto, a Deus. Resisti ao diabo, e ele fugirá de vós.” (Tg 4:7).
É no nosso cérebro que concentramos as informações que recebemos durante o dia. Com estas informações recebidas, costumamos comandar as ações do nosso corpo. Aí encontra-se o perigo. Satanás sabendo disso, ele procura colocar pensamentos impuros na nossa mente, e se permitirmos que as mensagens de Satanás fique na nossa mente, corremos o risco de sermos enganados e termos nossas ações controladas por ele. O pecado acontece sempre por uma ação maligna e com objetivo de nos fazer cair da presença de Deus. Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, Hb 12:1


sábado, 17 de junho de 2017

COMER OU BEBER INDIGNAMENTE

Lc 22. 19-20 E, tomando um pão, tendo dado graças, o partiu e lhes deu, dizendo: Isto é o meu corpo oferecido por vós; fazei isto em memória de mim. Semelhantemente, depois de cear, tomou o cálice, dizendo: Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós.

Introdução: Corpus Christi ou Corpo de Cristo, é uma festa religiosa Católica, instituída pelo Papa Urbano IV no dia 8 de Setembro de 1264. O objetivo fundamental desta festa é o de celebrar o que eles chamam eucaristia, ou seja, o reconhecimento e celebração da Igreja Católica, para lembrar da morte e ressurreição de Jesus Cristo, que também chamada de comunhão.

O significado da eucaristia é receber a hóstia como o corpo que Cristo ofereceu na cruz, e o vinho é seu sangue derramado para remissão da humanidade. No catolicismo, falam ainda da transubstanciação que segundo eles, ocorre durante a eucaristia, ou seja, segundo creem, na eucaristia existe uma mudança de substância, onde o pão se transforma no corpo de Cristo e o vinho no sangue de Cristo.

A festa acontece sempre 60 dias após o Domingo de Páscoa ou na quinta-feira seguinte ao domingo da Santíssima Trindade, em alusão à quinta-feira santa quando, segundo dizem, Jesus teria instituído o sacramento da eucaristia.

Para nós, o Corpus Christi é uma festa que não tem sentido algum, primeiro porque não pactuamos com o ensino da eucaristia. Para nós, não acontece transubstanciação nos elementos servidos na Ceia, realizada pelo menos uma vez no mês. Os elementos são pão e vinho mesmo, e estes elementos  não se transformam em "corpo ou sangue" de Cristo, como ensina o catolicismo com a eucaristia. Para nós, estes elementos são apenas uma representação ou simbolismo do corpo e do sangue do Senhor Jesus, nada mais que isto.

Dito isto, quero me deter, nesta reunião de hoje, que chamam de quinta-feira santa, sobre a nossa crença em relação a reunião que chamamos de "Ceia do Senhor"!

I. BREVE DEFINIÇÃO.
"Fazei isto em memória de mim" (Lc 22:19). 
A ceia, que cremos e praticamos, como já dito, tem elementos fundamentais que são o pão e o vinho. É uma reunião simples, mas considerada de extrema importância uma vez que a realizarmos em família. Não existe nenhuma ordenação difícil que nos impeça de sermos participantes deste ato, apenas se pede é que os participantes sejam batizados em água, conforme a ordenança bíblica. "No primeiro dia da semana, estando nós reunidos com o fim de partir o pão. . ." (At 20:7).

A ceia, apesar de sua simplicidade deve ser considerada importante para a nossa comunhão, pois segundo escreveu o Apóstolo Paulo, nesta reunião de celebração, é inegável o privilégio de adorarmos a Pessoa de Deus em momentos extremamente felizes, ao mesmo tempo em que também participamos de momentos de profunda gratidão e seriedade. Portanto, meus irmãos, quando vocês se reunirem para a Ceia do Senhor, esperem uns pelos outros. 1Co 11:33 NTLH

Mais do que isto, o Apóstolo Paulo nos deixou informações importantes que são no mínimo capazes de nos fazer pensar sobre a grandeza e seriedade deste evento que chamamos de “Ceia do Senhor”. É será este o caminho que  tomaremos a partir de agora, Por isso aquele que comer do pão do Senhor ou beber do seu cálice de modo que ofenda a honra do Senhor estará pecando contra o corpo ? sangue do Senhor. 1Co 11:27 NTLH

II. PAULO CONFRONTOU UMA DECISÃO DE ENTREGA EM UMA REUNIÃO DE COMUNHÃO. ...Porque o Senhor Jesus, na noite em que foi traído, tomou o pão, e havendo dado graças o partiu... 

Quando falamos em confronto, na verdade o queremos dizer é que aquele momento apesar de ser um momento de extrema comunhão onde o Senhor Jesus, mais uma vez, reuniu os seus discípulos para assentarem com Ele a mesa, era um momento de profunda proximidade entre eles, afinal, o próprio Mestre fazia questão de os servirem.

Paulo procura nos mostrar, que era que embora aquele tempo fosse eternizado como um momento daquela extrema comunhão, ao mesmo tempo o Senhor Jesus desenvolvia nos discípulos um entendimento de tudo o que humanamente o nosso Mestre estava para enfrentar.

Era um confronto que ao mesmo tempo em que se confraternizavam, eles recebiam informações que acenavam para momentos difíceis que se mostravam bem próximos de acontecer, e que se mostravam extremamente difíceis aos discípulos e principalmente para o próprio Senhor Jesus. ...Depois partiu o pão e disse: “Isto é o meu corpo, que é entregue em favor de vocês. Façam isto em memória de mim.” 1Co 11:24 .

A ceia estava a mesa, e agora era servida pelo Mestre... Os participantes estavam extremamente felizes em estarem ali naquele momento! Mas o que era o “corpo”? O que era o “sangue”? que coisas eram estas que o Mestre estava dizendo e que no momento eles tinham dificuldades de entender?

III. PAULO CONFRONTOU O DOADOR DA VIDA FALANDO DE SUA PRÓPRIA MORTE.
E eu, quando for levantado da terra, todos atrairei a mim.Jo 12:32

A morte é um assunto que a grande maioria das pessoas não gostam de ocupar seu tempo falando sobre ela. Embora para nós os crentes as promessas são grandiosas, mesmo assim fugimos constantemente deste assunto. Mas, naquela reunião, a morte se tornou um assunto extremamente importante. O Senhor Jesus no ato da ceia utiliza uma expressão que no mínimo deve ter causado alguma estranheza nos discípulos ali presentes. Isto é o meu corpo, que é entregue em favor de vocêsO quer dizer isto? Alguém deve ter perguntado! O que ele quer dizer com isso?, deve ter perguntado ainda outro! Eles estavam ali e neste momento estavam sendo confrontados com a missão que o Senhor Jesus viera realizar, mas que eles mesmos não estavam prontos para ela. O Senhor Jesus sabia de tudo o que lhe estava reservado, por isso no Getsêmani chegou a fazer a seguinte oração: Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua. Lc 22:42

Jesus todo o tempo que tinha e esteve com os discípulos para falar da vida. João testemunhou isto ao iniciar o seu livro com a seguinte descrição: Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. (Jo 1:4). E não era para admirar as palavras de João afinal Jesus mesmo havia dito a eles: Eu sou o pão da vida. (Jo 6:48) e a seus ouvintes nunca faltou a promessa: E não quereis vir a mim para terdes vida. (Jo 5:40). E não falava somente desta vida pequenina  reservada para nós aqui, Ele fez questão de enfatizar algo ainda mais precioso. E esta é a promessa que ele nos fez: a vida eterna. (1Jo 2:25).

Pois há de ser entregue aos gentios, e escarnecido, injuriado e cuspido; 
Lc 18:32 Mesmo em momentos que se aproximavam daquele tempo previsto pelo Mestre, o momento em que seria preso, crucificado e morto, seus discípulos ainda não sabiam ao certo o que o Mestre os havia ensinado. Lc 22.45 ...veio para os seus discípulos, e achou-os dormindo...

Precisou de algum tempo para que os discípulos entendessem o que o mestre lhes estava ensinando. Por isso, encontramos mais tarde o apóstolo Paulo descrevendo com grandeza de detalhas a ministração daquela que deveria ser a reunião mais esperada da igreja, mas que esta mesma Igreja estava tratando com tanto menosprezo. De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor. (1Co 11:20).

IV. PAULO CONFRONTOU O QUE JESUS ENSINOU A IGREJA E O QUE A IGREJA ESTAVA PRATICANDO.
Jo 11.17 Nisto, porém, que vou dizer-vos não vos louvo; porquanto vos ajuntais, não para melhor, senão para pior.

Aquele momento de comunhão não foi apenas mais uma reunião. Aquela foi talvez a reunião mais importante que os discípulos haviam participado. Foi naquela reunião que eles ouviram ensinamentos que deveriam ser passadas aos fiéis quando a Igreja finalmente fosse estabelecida. Aquela reunião foi uma preparação para que os discípulos não fossem surpreendidos diante das coisas que em breve se cumpririam....

O tempo passou... E tudo aconteceu exatamente como o Mestre havia descrito aos discípulos. Jesus foi preso, foi crucificado, foi morto ao terceiro dia Ele ressuscitou e foi assunto ao céu... Finalmente, algum tempo depois foi estabelecida a Igreja que cumpriu exatamente o que foi ensinado a ela.
E, perseverando unânimes todos os dias no templo, e partindo o pão em casa, comiam juntos com alegria e singeleza de coração, (At 2:46).

Eles sabiam agora com uma exatidão extraordinária todo o mistério que fora revelado a eles pelo Senhor Jesus. Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vocês crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo. At 2:36

E a Igreja foi crescendo, crescendo, e crescendo... De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, At 2:41

E o tempo continuou passando... E agora encontramos ninguém menor que o apóstolo Paulo. Ele que outrora havia perseguido esta mesma Igreja, mas tendo um encontro pessoa com o Senhor Jesus, não resistiu e se tornou membro desta instituição criada por Deus. E disse-lhe o Senhor: Levanta-te, e vai à rua chamada Direita, e pergunta em casa de Judas por um homem de Tarso chamado Saulo; pois eis que ele está orando; At 9:11

Agora, Apóstolo da parte de Deus, Ele escreve a Igrejas... Paulo (chamado apóstolo de Jesus Cristo, pela vontade de Deus), e o irmão Sóstenes, À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso: 1Co 1:1,2

E o que aconteceu com a reunião da Ceia? Porque deixamos de falar dela por algum tempo? Porque o tempo foi passando... E com o passar do tempo, alguns permitiram passar também aquilo que fez da Igreja um lugar tão especial. Um lugar onde não havia diferenças, todos eram exatamente iguais. Não havia ricos ou pobres se assentando separadamente. Todos estavam lado a lado. Comiam juntos, oravam junto e juntos prestavam a Deus o melhor de suas adorações. Assim deveria continuar sendo aquela reunião...

Mas vejamos o que Paulo diz: Rogo-vos, porém, irmãos, pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que digais todos uma mesma coisa, e que não haja entre vós dissensões; antes sejais unidos em um mesmo pensamento e em um mesmo parecer. 1Co 1:10

EPÍLOGO.
Porque antes de tudo ouço que, quando vos ajuntais na igreja, há entre vós dissensões; e em parte o creio. 1Co 11:18
A ceia já não era mais aquela reunião onde havia comunhão entre os seus participantes. Já não eram “irmãos” os que se reuniam ali. Segundo o dito do apóstolo,cada um só pensava em si mesmo. De sorte que, quando vos ajuntais num lugar, não é para comer a ceia do Senhor. Porque, comendo, cada um toma antecipadamente a sua própria ceia; e assim um tem fome e outro embriaga-se. 1Co 11:20,21

O que Paulo está dizendo é que a Ceia não era um lugar de exclusividades. Não era lugar de melhores ou piores, não era lugar de separar ricos dos pobres. Aliás, a ceia deveria ser um retrato da Igreja. Um lugar de encontro com o Senhor Jesus, um Lugar de comunhão e de adoração, assim deve ser a Igreja, assim deve ser a Ceia do Senhor.

O que é a Ceia senão o anuncio de que o Senhor Jesus, aquele que entregou a sua vida por nós... Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a pela fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mimGl 2:20. Simplesmente nos pede para vivermos a comunhão e o amor que faz de nós um povo único, sem rixas, sem contendas, sem brigas. Mas um povo que saiba viver em comunhão, não apenas na hora da Ceia, mas que faça da comunhão uma projeto de vida até a vida eterna!. Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longaminidade; Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. Cl 3:12-14

O que é a Ceia afinal? Talvez alguém possa está perguntando! O que posso dizer? O que posso fazer é ficar com as palavras do Apóstolo Paulo: Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice anunciais a morte do Senhor, até que venha. 1Co 11:26. E dizer:

A CEIA DO SENHOR É UM MOMENTO PARA EXPRESSARMOS A NOSSA FÉ, A UNIÃO E A NOSSA ESPERANÇA DE QUE EM MUITO BREVE O SENHOR JESUS ESTARÁ VOLTANDO PARA NOS LEVAR COM ELE E  ASSIM VIVERMOS ETERNAMENTE JUNTOS, UNIDOS E PARA SEMPRE COM O NOSSO SENHOR...



Mensagem pregada no dia 15/06/2017 na Igreja Batista Nacional Vale das Bençãos, Vale das Mangueiras, Belford-Roxo.



PREPARANDO-SE PARA O SERMÃO

SALA DE ESTUDO Antes de começarmos a desvendar todos os mistérios concernente o preparo do sermão propriamente dito, será de ...