quarta-feira, 29 de junho de 2016

ENTENDENDO A SOTERIOGIA.

Escola Bíblica Dominical Vale das Bênçãos.
Bacaxá / Saquarema.
Aula: 03/07/2016. 17h00min

Texto Básico: Lc 19:1-10 Tendo Jesus entrado em Jericó, ia atravessando a cidade. Havia ali um homem chamado Zaqueu, o qual era chefe de publicanos e era rico. Este procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, porque era de pequena estatura. E correndo adiante, subiu a um sicômoro a fim de vê-lo, porque havia de passar por ali. Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa; porque importa que eu fique hoje em tua casa. Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria. Ao verem isso, todos murmuravam, dizendo: Entrou para ser hóspede de um homem pecador. Zaqueu, porém, levantando-se, disse ao Senhor: Eis aqui, Senhor, dou aos pobres metade dos meus bens; e se em alguma coisa tenho defraudado alguém, eu lho restituo quadruplicado. Disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, porquanto também este é filho de Abraão. Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.

Texto Devocional: At 4:12 E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos.

Introdução. A salvação em Cristo Jesus, é uma das doutrinas bíblicas das mais fáceis em sua compreensão. É bem natural que seja assim visto Deus, em Sua infinita misericórdia desejar alcançar toda humanidade. O problema é que temos o defeito de complicar até mesmo as coisas menos complicadas. Paulo sabia disso, por isso chegou expressar um sentimento de medo desta fuga do simples, e do resultado que isto poderia causar. 2Co 11:3 Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos e se apartem da simplicidade e da pureza que há em Cristo.

Deus fez questão de que em Sua Palavra, a salvação fosse um caminho de fácil acesso. Mas nós defizemos a questão e enchemos de perguntas e indagações que na maioria das vezes são perguntas que em seu mérito em nada exerce influência sobre o Plano inicial de Deus. O resultado disto, são as discussões intermináveis que se prolongam por décadas e décadas e acabam não chegando a lugar nenhum. E o pior, tais discussões, tendem mais a afastar o pecador com suas dúvidas do que inflamar seus corações por um desejo do encontro pessoal com o Salvador Jesus Cristo.

I. DUAS VISÕES DE UMA MESMA DOUTRINA. 
Jo 3.16 "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna." (Jo 3.16).
O verdadeiro caminho é Jesus, a Bíblia não deixa nenhuma outra possibilidade de se chegar a Deus que não seja pelo sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário.
"...Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim." (Jo 14.6).
Quando, no entanto, resolvemos estudar o tema "salvação"  é muito normal encontrarmos dificuldades de escapar, até porque carecemos de entendimento, de dois termos para os quais os estudiosos costumam direcionar o estudo em foco.
➡ ARMINIANISMO.
➡ CALVINISMO.
Se queremos estudar o tema, talvez valha a pena nos debruçar os um pouco sobre esta que pode ser uma acalorada discussão.

II. ARMINIANISMO. 
O ARMINIANISMO e uma escola de pensamento soterilogico baseado nas idéias do holandês Jacobus Arminius.
➡ Jacó (português Brasil) ou Jacob (português Europa)
➡ Armínio (latim: Jacobus Arminius, nome latinizado de Jakob Hermanszoon;
➡10/10/1560 - 19/10/1609

Armínio foi um Teólogo neerlandês da época da reforma protestante. Trabalhou em 1603 como professor de teologia na Universidade de Leiden, e escreveu muitos livros e tratados sobre teologia; sua visão tornou-se a base do arminianismo e do movimento neerlandês Remonstrante. Armínio influenciado por teólogos como Johann Kolmann que acreditava que o calvinismo tornava Deus um tirano, aplicou-se com dedicação ao estudo soterilogico que culminou em desenvolver uma teologia que posteriormente  competiria com a dominante  teologia reformada de João Calvino.

Armínio foi ordenado pastor em Amsterdã em 1588 e nessa condição, ganhou reputação  como um bom pregador fiél. Em 1590, casou-se com Lisbet Real. Após a sua morte, a sua objeção ao padrão reformado, a Confissão de Fé Belga, provocou uma ampla discussão no Sínodo de Dort, resultando nos cinco pontos do calvinismo na refutação aos ensinamentos de ARMÍNIO que eram também baseados em cinco pontos, a saber:

(a) VONTADE LIVRE. A queda do homem  não foi total. Restou-lhe bem suficiente capaz de habilitá-lo a querer receber Cristo como Salvador.

(b) ELEIÇÃO CONDICIONAL. A eleição se baseia no pré-conhecimento de Deus em relação àquele que deve crer.

(c) EXPIAÇÃO UNIVERSAL. A morte de Cristo oferece a Deus base para salvar a todos os homens. Contudo, cada homem deve exercer sua livre vontade para aceitar a Cristo.

(d) A GRAÇA PODE SER IMPEDIDA. Deus envia Seu Espírito para atrair todos a Cristo, contudo, desde que o homem goza de vontade livre e absoluta, ele pode resistir a vontade de Deus em relação a sua própria vida.

(e) O HOMEM PODE CAIR DA GRAÇA. O quinto ponto do armenianismo, é a consequência lógica das precedentes posições de seu sistema. O homem não pode continuar na salvação, a menos que continue a querer ser salvo.

1.VISÃO ARMINIANA.
Para os Arminianos, Deus, em seu infinito amor e misericórdia, pré destinou todos os homens que crerem em Cristo Jesus à salvação. Ao homem, cabe apenas aceitar mediante a fé o ato de sacrifício de Jesus na Cruz. Segundo esta visão, o homem tem participação direta na salvação através da sua escolha, podendo também da mesma forma escolher, mediante seus atos, decair da fé, e assim perder a salvação.

Segundo o Arminianismo, todas as pessoas foram escolhidas para serem salvas, mas somente os que aceitam o chamado e perseveram até o final serão de fato salvos. Jacó Armínio enquadra-se como mentor do sinergismo Arminiano, significando que, por sua doutrina, o homem não é capaz de escolher aceitar o sacrifício de Jesus sem a intervenção Divina, intervenção essa que gera no homem a capacidade de escolha (livre arbítrio).

II. CALVINISMO.
O calvinismo (também chamado de Tradição Reformada, Fé Reformada ou Teologia Reformada) é tanto um movimento religioso protestante quanto um sistema Teológico bíblico com raízes na Reforma iniciada por João Calvino em Genebra no século XVI.

João Calvino (Noyon, 10/07/1509, Genebra, 27/05/1564) foi um teólogo cristão francês, e teve uma influência muito grande durante a Reforma Protestante, uma influência que continua até hoje. Portanto, a forma de Protestantismo que ele ensinou e viveu é conhecida por alguns pelo nome Calvinismo, embora o próprio Calvino tivesse repudiado contundentemente este apelido. Esta variante do Protestantismo viria a ser bem sucedida em países como a Suíça (país de origem), Países Baixos, África do Sul (entre os africânderes), Inglaterra, Escócia e Estados Unidos. Nascido na Picardia, ao norte da França, foi batizado com o nome de Jean Cauvin. A tradução do apelido de família "Cauvin" para o latim Calvinus deu a origem ao nome "Calvin", pelo qual se tornou conhecido

1. VISÃO CALVINISTA.
Para os Calvinistas, Deus não destinou todos os homens à salvação, visto que é fato que nem todos se salvam. Neste caso, segundo ensinam, Cristo teria morrido apenas pelos seus eleitos. Estes por sua vez, ouvem o chamado irresistível do Espírito Santo e se rendem a Cristo, sendo então justificados pela graça de Deus.

Os Calvinistas Ensinam também que em virtude do pecado de Adão a condição de pecador se estendeu a toda raça humana (depravação total). Portanto, o Homem peca porque é pecador, isto é, tem a natureza do pecado, e não é pecador porque peca (ato do pecado). Sendo assim, o homem necessitava de um plano de salvação para que pudesse ser restaurado à imagem e semelhança de Deus, então, segundo a doutrina da predestinação, Deus escolheu "alguns" dos seres humanos caídos para salvar do pecado, restaurando para comunhão com Ele.
⏩Ef 2:8,9 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.

a) OS CINCO PONTOS CALVINISTAS.
Os cinco pontos Calvinistas, conhecidos pelo acróstico TULIP, referente às iniciais dos pontos em inglês, são doutrinas básicas sobre a salvação, definidas pelo Sinódono de Dort. São eles.
1. Depravação Total. (Total Depravity)
2. Eleição Incondicional (Unconditional Election) 3. Expiação Ilimitada. (Limites Atonement)
4. Graça Irresistível. (Irresistible Grace)
5. Perseverança dos Santos (Perseverance of Saints)

b) O PLANO DE SALVAÇÃO.
O Plano da Salvação, segundo a visão Calvinistas, consistiu em Cristo morrer pelos eleitos, para que por sua graça, houvesse remissão dos pecados. Neste caso, não cabe ao Homem qualquer participação no plano de salvação, toda a iniciativa e realização vem unicamente da Pessoa de Deus. É Ele quem muda a disposição de um coração morto e obstinado pelo pecado, e transforma-o em um coração sensível à Sua voz. Nesta condição o Homem só pode dizer "sim" a chamada à salvação.

c) A SEGURANÇA DA SALVAÇÃO.
Segundo ainda esta visão, o homem uma vez "verdadeiramente salvo" não perde essa condição visto ser o próprio Deus o sustentador do pecador regenerado. O Calvinismo, contudo não "afrouxa" a necessidade de uma vida santificada, um salvo deve viver como tal. Princípio que enfatiza apenas o aspecto último da salvação, o momento final da vida de um homem, pois não são obras da vida do homem que salvam o homem, mas o perdão de Deus. Uma pessoa que Deus perdoou têm uma vida digna de piedade aos olhos de Deus, não cabendo aos homens julgarem quem é salvo ou não, mas antes realizarem a vontade de Deus, que é viver de maneira misericordiosa, ou seja Deus encarnou na pessoa de Jesus para salvar os pecadores não os pecados.

d) PARA QUEM DEUS CONCEDEU A SALVAÇÃO.
João Calvino pregava que Deus salva aqueles que elegeu desde antes da fundação do mundo, concedendo-lhes irresistivelmente a fé em Cristo e em sua obra redentora, o que não exclui nem mesmo fariseus, hipócritas, prostitutas, pobres, ladrões, efeminados, assassinos, vaidosos, segundo o conselho da Sua própria vontade santa e soberana. Ao conceder, pela Sua graça, a fé salvadora, Deus livra os seus eleitos da hipocrisia, da prostituição, da luxuria, do assassínio, e da miséria de espírito, por vezes disciplinando-os como filhos amados que são, através de tribulações e sofrimentos, que são permitidos por Deus na exata medida em que gerem crescimento e maturidade espiritual.
⏩At 14.22: "Confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus.".
Todavia, o maior ou menor grau de sofrimento dos homens não decorrem do maior ou menor mérito destes, pois os justos aos olhos de Deus também passam por adversidades e angústias, assim como os ímpios. Corrobora este Entendimento.
⏩Sl 34.19: "Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR o livra de todas."

CONCLUSÃO. Não é difícil perceber que ambos, tanto Armínio quanto Calvino, depois de todos os esforços no estudo doutrinário soterilogico, chegaram a um entendimento: A Salvação está na Pessoa do Senhor Jesus Cristo. Fora de Jesus não há salvação. Aí não importa muito se s visão é esta ou aquela. Ambas as visões tem seus méritos, e por isso, podem muito bem serem admitidas e unidas a um entendimento mais apurado.

terça-feira, 28 de junho de 2016

ABENÇOADOS EM CRISTO COM TODA SORTE DE BÊNÇÃOS ESPIRITUAIS

CULTO DE ESTUDO DA PALAVRA. 28/06/2016
Igreja Batista Nacional em Bacaxá/ Saquarema

Ef 1.5-13 Deus já havia resolvido que nos tornaria seus filhos, por meio de Jesus Cristo, pois este era o seu prazer e a sua vontade. Portanto, louvemos a Deus pela sua gloriosa graça, que ele nos deu gratuitamente por meio do seu querido Filho. Pois, pela morte de Cristo na cruz, nós somos libertados, isto é, os nossos pecados são perdoados. Como é maravilhosa a graça de Deus, que ele nos deu com tanta fartura! Deus, em toda a sua sabedoria e entendimento, fez o que havia resolvido e nos revelou o plano secreto que tinha decidido realizar por meio de Cristo. Esse plano é unir, no tempo certo, debaixo da autoridade de Cristo, tudo o que existe no céu e na terra.  Todas as coisas são feitas de acordo com o plano e com a decisão de Deus. De acordo com a sua vontade e com aquilo que ele havia resolvido desde o princípio, Deus nos escolheu para sermos o seu povo, por meio da nossa união com Cristo. Portanto, digo que nós, que fomos os primeiros a pôr a nossa esperança em Cristo, louvemos a glória de Deus.  A mesma coisa aconteceu também com vocês. Quando ouviram a verdadeira mensagem, a boa notícia que trouxe para vocês a salvação, vocês creram em Cristo. E Deus pôs em vocês a sua marca de proprietário quando lhes deu o Espírito Santo, que ele havia prometido.

Introdução. O que faz desta carta interessante e até diferente das demais epístolas escrita por Paulo, é  a forma especial que o apóstolo utiliza na sua saudação inicial.  Paulo inicia desta vez, não apenas com uma saudação pessoal como sempre fazia em suas escritas. Desta vez, o apóstolo saúda a seu remetente, no caso a Igreja em Éfeso, mas agradecendo a Deus, e não por bençãos físicas como estamos acostumados a ver ou fazer. Paulo inicia com palavras de gratidão a Deus pelas bençãos espirituais. ⏩ Ef 1:3 Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nas regiões celestes em Cristo; 

Paulo sabia como ninguém o valor inestimável do sacrifício realizado por Cristo na cruz do Calvário, e conhecia também,  como ninguém, o alcance incalculável de tal atitude de amor demonstrado pela humanidade inteira. Cristo entregou-se a si mesmo por razões que humanamente nunca conseguiriamos entender. Suas razões para esta entrega são superiores ao alcance da nossa mente finita. Foi uma entrega em um ato de amor divino, grande demais para absorvemos com nosso entendimento humano.  Ele entregou-se, e uma vez tendo recebido os benefícios de Seu sacrifício, nos tornamos ricos, mas não de riqueza física, ricos de todas as bençãos espirituais.
1Pe 1:4 para uma herança incorruptível, incontaminável e imarcescível, reservada nos céus para vós, 

O que a Carta aos Efésios nos ensina é  que se conseguirmos, pelo menos, mensurar a grandeza deste entendimento, as bençãos reservadas para nós no céu deixarão de ser dúvidas para se tornarem plena e absoluta certeza. Se focarmos o céu, é certo que também facilmente compreenderemos as coisas que nos foram reservada como herança, aqui na terra.
Portanto, é Cristo quem consegue fazer uma nova aliança, para que os que foram chamados por Deus possam receber as bênçãos eternas que o próprio Deus prometeu. Isso pode ser feito porque houve uma morte que livrou as pessoas dos pecados que praticaram enquanto a primeira aliança estava em vigor. Hb 9:15 

Se existe qualquer difereça Básica entre terreno e celestial, podemos dizer que as bençãos celestiais serão sempre eternas em Cristo Jesus,enquanto as bençãos terrenas poderão ser temporais e passageiras. Peço que Deus abra a mente de vocês para que vejam a luz dele e conheçam a esperança para a qual ele os chamou. E também para que saibam como são maravilhosas as bênçãos que ele prometeu ao seu povo Ef 1:18 I.

AS BÊNÇÃOS ESPIRITUAIS. 
Ef 1:4-6 como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; e nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para o louvor da glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado... 
Paulo dá início a epístola aos Efésios adiantando-se em listar algumas das muitas bençãos advindas do maravilhoso encontro entre o pecador e o Salvador Jesus Cristo. Paulo conhecia muito bem a cidade de Éfeso é sabia das dificuldades que os crentes daquela igreja tinham que enfrentar dia após dia.

1. A ESCOLHA. "nos escolheu Nele..."
O termo "escolha", aponta para outro termo em si relacionado, "eleição“. Eleição é o ato insondável de Deus, pelo qual, em Sua soberana vontade, Ele nos escolheu... O texto de Paulo nos convida a entender isto como um relacionamento familiar  cujo vínculo se estabelece numa união entre Pai e filhos. Tudo isto graças a um ato divino de amor. Deus estabelece para nós uma condição, Ele nos escolhe, e nós atendemos a sua decisão em nós escolher. Isto, para ser entendido melhor se observarmos na Bíblia, alguns momentos em que Deus faz escolhas num relacionamento de amizade e amor.

Uma família. Ne 9.7 Tu és o Senhor, o Deus que elegeste a Abrão, e o tiraste de Ur dos caldeus, e lhe puseste por nome Abraão. 

 ➡ Uma nação. Dt 4.37 E, porquanto amou a teus pais, não somente escolheu a sua descendência depois deles, mas também te tirou do Egito com a sua presença e com a sua grande força.

Um indivíduo. 1Ts 1.4 1 conhecendo, irmãos, amados de Deus, a vossa eleição; 

Percebam que Deus, escolheu sem que houvesse nenhum merecimento ou participação por parte daqueles que foram escolhidos. Rm 9.11,12 Mas, para que a escolha de um deles fosse completamente de acordo com o plano de Deus, o próprio Deus disse a Rebeca: “O mais velho será dominado pelo mais moço.” Disse isso antes de eles nascerem e antes de fazerem qualquer coisa, boa ou má. Assim ficou confirmado que é de acordo com o seu plano que Deus escolhe aqueles que ele quer chamar, sem levar em conta o que eles tenham feito.

Todo ato tem seu mérito por meio do Senhor Jesus Cristo. É  Ele que, oferecendo a graça da salvação, concede a humanidade a condição de se tornarem um com o Senhor. Cl 3.12 Vocês são o povo de Deus. Ele os amou e os escolheu para serem dele. Portanto, vistam-se de misericórdia, de bondade, de humildade, de delicadeza e de paciência. Em Sua sabedoria, Deus planejou a salvação para o homem, em Cristo, "antes da fundação do mundo". Antes mesmo que tivéssemos cometido qualquer pecado, Deus nos escolheu "em Cristo" com um objetivo comum: "para sermos Santos e irrepreensíveis...". Aqueles que recebem Cristo, recebem o perdão dos seus pecados e passam a viver de tal modo que, daí para frente... Não vivem mais na prática do pecado. 1Jo 3.9 Quem é filho de Deus não continua pecando, porque a vida que Deus dá permanece nessa pessoa. E ela não pode continuar pecando, porque Deus é o seu Pai. 

2. A BASE DA ESCOLHA.
"Deus já havia resolvido que nos tornaria seus filhos, por meio de Jesus Cristo, pois este era o Seu prazer e a Sua vontade " Ef 1.4 Somos filhos de Deus por adoção. Isto indica uma escolha pessoal que acontece no momento em que recebemos o Senhor Jesus como nosso Salvador Pessoal.  Pontos importantes nesta escolha foram listados por Pedro na sua primeira epístola.
⏩ 1Pe 1.2 Vocês foram escolhidos de acordo com o propósito de Deus, o Pai. E pelo Espírito de Deus vocês foram feitos um povo dedicado a ele a fim de obedecerem a Jesus Cristo e ficarem purificados pelo seu sangue. Que vocês tenham, mais e mais, a graça e a paz de Deus! 

O Filho "natural",  não passa necessariamente por nenhum processo de eleição. Ele é filho e esta é condição suficiente para que ele tenha garantido por lei, todos os direitos de família. Já o "adotado" sua situação é um pouco diferente. Ele precisa passar por um processo difícil e as vezes chega a ser bastante complicado. Ele precisa ser escolhido, muitas vezes em meio a muitos outros. Uma vez escolhido ele vai passar por todo um processo legal que pode ser longo e demorado. Feito tudo, ele agora é recebido, como o Filho natural, e isto assegurado por leis que regem o país, passando a ter os mesmos direitos de família. Com Deus o processo é um pouco diferente. Não há  burocracias  pois todos os custos do processo já foram pagos. Deus nos predestinou para a salvação, e isto não se trata de uma escolha casual. É uma escolha baseada no sacrifício de Cristo Jesus. A nós cabe respondemos positivamente a esta escolha, em obediência ao Senhor Jesus, para termos, de forma imediata o perdão dos nossos pecados, sermos salvos e finalmente, recebermos a adoção Divina. Passamos a ser vistos, a partir daí, como filhos amados. Ef 1.4 Antes da criação do mundo, Deus já nos havia escolhido para sermos dele por meio da nossa união com Cristo, a fim de pertencermos somente a Deus e nos apresentarmos diante dele sem culpa. 

A predestinação fala basicamente da escolha de um povo. Quando adotados por Deus passamos a fazer parte do seu povo escolhido. Passamos a pertencer ao povo bíblicamente identificado como Igreja, sendo, por isso mesmo, como igreja, predestinados ao céu. Todo o processo funciona, como descrito pelo apóstolo.
⏩Rm 8.17 Nós somos seus filhos, e por isso receberemos as bênçãos que ele guarda para o seu povo, e também receberemos com Cristo aquilo que Deus tem guardado para ele. Porque, se tomamos parte nos sofrimentos de Cristo, também tomaremos parte na sua glória.

a) A REDENÇÃO. 
Ef 1.4 3 Pois, pela morte de Cristo na cruz, nós somos libertados, isto é, os nossos pecados são perdoados. Como é maravilhosa a graça de Deus,
Redenção é o mesmo que libertação. O sentido bíblico da Palavra tem a ver com o ato de Deus em devolver ao verdadeiro proprietário algo ou alguma coisa que ele perdeu, ou de alguma forma lhe foi tirado ou roubado. No AT Deus é o Redentor que libertou Seu povo do cativeiro. Sl 111.9 Deus pôs o seu povo em liberdade e fez com ele uma aliança eterna. Ele é santo e poderoso. No NT a redenção acontece por pagamento de um preço que o pecador de forma alguma teria condições de pagar.
⏩Sl 49:7, 8 Nenhum deles de modo algum pode remir a seu irmão, nem por ele dar um resgate a Deus, pois a redenção da sua vida é caríssima, de sorte que os seus recursos não dariam.
O preço pago foi a morte de Cristo na Cruz do Calvário onde Ele, com seu sangue, nos "comprou" para uma vida de liberdade. Cristo nos libertou de nosso estado que era de escravidão e pecado.
⏩1Pe 1.18 Pois vocês sabem o preço que foi pago para livrá-los da vida inútil que herdaram dos seus antepassados. Esse preço não foi uma coisa que perde o seu valor como o ouro ou a prata. Vocês foram libertados pelo precioso sangue de Cristo, que era como um cordeiro sem defeito nem mancha.
A Redenção na sua forma completa somente acontecerá somente no final dos tempos. Rm 8.21 Um dia o próprio Universo ficará livre do poder destruidor que o mantém escravo e tomará parte na gloriosa liberdade dos filhos de Deus. 

b) A VONTADE DE DEUS. 
Ef 1.9 fez o que havia resolvido e nos revelou o plano secreto que tinha decidido realizar por meio de Cristo.
Ninguém é capaz de conhecer a mente de Deus a menos que Deus resolva revelar seus pensamentos.
⏩1Co 9.10 Mas foi a nós que Deus, por meio do Espírito, revelou o seu segredo. O Espírito Santo examina tudo, até mesmo os planos mais profundos e escondidos de Deus. 
Em Cristo, a vontade de Deus é revelada a nós os seus filhos. Conhecendo a vontade de Deus, e sendo conhecidos Dele, temos condições de praticarmos Sua vontade pelo conhecimento da Sua Palavra. Decidimos obedecer a Cristo e fazer a Sua vontade, ou abrimos mão da salvação perdendo o direito de sermos abençoados pela adoção de filhos de Deus.
⏩Ef 2.2 Naquele tempo vocês seguiam o mau caminho deste mundo e faziam a vontade daquele que governa os poderes espirituais do espaço, o espírito que agora controla os que desobedecem a Deus.

c) A HERANÇA.
Ef 1.11,12 Todas as coisas são feitas de acordo com o plano e com a decisão de Deus. De acordo com a sua vontade e com aquilo que ele havia resolvido desde o princípio, Deus nos escolheu para sermos o seu povo, por meio da nossa união com Cristo. Portanto, digo que nós, que fomos os primeiros a pôr a nossa esperança em Cristo, louvemos a glória de Deus.
Agora, Como filhos adotados, passamos a ter direitos na herança de Deus em Cristo Jesus. Como vimos, a adoção tem a ver com a atribuição a um filho de outrem os direitos reservados e o tratamento afetivo de filho próprio. Como filhos de Deus, temos, em Cristo Jesus, direito a herança que nos foi reservada no céu. Herança fala dos bens ou propriedades que passaram a poder daqueles que por direito fazem parte do testamento. Assim, para um melhor entendimento podemos ver, mesmo que de forma figurada na Bíblia, como isto acontece no relacionamento Pai e filho.

A terra de Canaã, dada a Israel. 
1Rs 8.36 escuta-os do céu. Perdoa os pecados do rei e do povo de Israel e ensina-os a fazer o que é direito. Então, ó Deus, faze cair chuva sobre esta tua terra que deste ao teu povo para ser deles para sempre. 

O próprio Javé (Deus). 
Sl 16.5 Tu, ó Senhor Deus, és tudo o que tenho. O meu futuro está nas tuas mãos; tu diriges a minha vida. 

O Reino de Deus com todas as bençãos terrenas e espirituais. Hb 9.15 Portanto, é Cristo quem consegue fazer uma nova aliança, para que os que foram chamados por Deus possam receber as bênçãos eternas que o próprio Deus prometeu. Isso pode ser feito porque houve uma morte que livrou as pessoas dos pecados que praticaram enquanto a primeira aliança estava em vigor.

⏩1Pe 1.4 Assim esperamos possuir as ricas bênçãos que Deus guarda para o seu povo. Ele as guarda no céu, onde elas não perdem o valor e não podem se estragar, nem ser destruídas. 

d) O SELO DE PROPRIEDADE.
Ef 1.13 A mesma coisa aconteceu também com vocês. Quando ouviram a verdadeira mensagem, a boa notícia que trouxe d) para vocês a salvação, vocês creram em Cristo. E Deus pôs em vocês a sua marca de proprietário quando lhes deu o Espírito Santo, que ele havia prometido. 
Temos visto até aqui que todos aqueles que ouvem e respondem com fé a "palavra da verdade", recebem a adoção de filhos. Este processo realizado por Deus na Pessoa do Senhor Jesus Cristo tem como garantia um selo de propriedade, que é o Espírito Santo. Isto nos identifica como filhos de Deus, salvos em Jesus Cristo e marcados pelo Espírito Santo 
⏩2Tm 2:19 Todavia o firme fundamento de Deus permanece, tendo este selo: O Senhor conhece os seus, e: Aparte-se da injustiça todo aquele que profere o nome do Senhor.

Na história, desde sua primeira criação como amuletos, os selos serviam como proteção. Um selo não violado provava que o conteúdo não tinha sido mexido, tanto num documento, quanto numa porta de celeiro ou até mesmo em uma taça de vinho. O uso simbólico de um selo é achado tanto em uma literatura secular e pagã, quanto na literatura bíblica.

Uma oração babilônica: "Que meus pecados sejam rasgados como um selo..." 

Um texto bíblico: Is 8:16 Ata o testemunho, sela a lei entre os meus discípulos.

No NT, a palavra "selo", é usada para designar um termo de propriedade pessoal de Deus. Por exemplo: A Bíblia diz que o selo de Deus está em Jesus, Seu Filho. Jo 6:27 Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; pois neste, Deus, o Pai, imprimiu o seu selo.
O Senhor Jesus carrega em si, o nome Pessoal de Deus, sendo Ele mesmo a expressão Pessoal do próprio Deus.

As Escrituras também dizem que o Espírito Santo é a marca de posse de Deus nos que crêem. v13 no qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa, 

III. CRISTO, A PLENITUDE DE TODAS AS COISAS. 
Ef 1:21-23 muito acima de todo principado, e autoridade, e poder, e domínio, e de todo nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; e sujeitou todas as coisas debaixo dos seus pés, e para ser cabeça sobre todas as coisas o deu à igreja, que é o seu corpo, o complemento daquele que cumpre tudo em todas as coisas.
Neste ponto Paulo descreve com todas as letras a Pessoa do Senhor Jesus falando da posição elevada em que Ele se encontra. Antes desta descrição há um pedido todo especial na oração de Paulo. Paulo pede a Deus que Ele capacite os crentes para que eles creçam no que ele chama de "Pleno conhecimento de Cristo" vv17-18 para que o Deus de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai da glória, vos dê o espírito de sabedoria e de revelação no pleno conhecimento dele; sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos, 
O que Paulo está pedindo em sua oração é que os crentes conheçam pessoalmente o Senhor Jesus e busquem ter um relacionamento de intimidade com Ele. Somente conhecendo o Senhor Jesus bem de pertinho aprendamos a confiar Nele. Paulo está falando em conhecer Deus e este é o segredo. Somente conhecendo a Cristo, conhecemos nosso direito em receber as bençãos que Ele nos oferece, afinal, sem o conhecimento corremos o perigo de nem mesmo saber que exista Bênçãos. Nem saberemos que Ele conquistou para nós a vitória na cruz do Calvário.

A igreja em Éfeso estava estabelecida em uma cidade que, por suas muitas riquezas, tinha muito a lhes oferecer. Porém a vontade de Deus ela se revela para aqueles que abrem suas mentes para Ele é para Sua Palavra. v 18 sendo iluminados os olhos do vosso coração, para que saibais qual seja a esperança da sua vocação, e quais as riquezas da glória da sua herança nos santos, 

O pleno conhecimento de Cristo era tudo o que os Efésios precisavam para vencerem os poderes espirituais e idólatras que agiam naquela cidade. Com toda certeza havia uma luta espiritual muito grande e somente com o conhecimento do poder de Deus os crentes encontravam forças para vencer estas investidas. v.19 e qual a suprema grandeza do seu poder para conosco, os que cremos, segundo a operação da força do seu poder,



segunda-feira, 27 de junho de 2016

AUTORIDADE CRISTÃ

NOSSA CREDENDA E NOSSA AGENDA. 
➡Credenda. Conceitos fundamentais de nossa Expressão de fé.  ➡Agenda. Pratica ou uso dos conceitos.
A "credenda" pode ser vista como teoria enquanto que a "agenda" a prática. Numa linguagem bem popular a "credenda" pode ser entendida como: "coisas para serem acreditadas,  enquanto que "agenda", coisas para serem feitas.
Na "credenda" definimos a doutrina, na "agenda" definimos a maneira ou a pratica na manifestação destas doutrinas. Como igreja evangélica somos Batistas Nacionais e temos a Bíblia Sagrada como nossa única regra de fé e prática, portanto, é de se esperar que tanto nossa credenda quanto nossa agenda esteja baseada pura e unicamente nos conceitos bíblicos.

I. AUTORIDADE NA IGREJA. 
Quando falamos em autoridade cristã na Igreja, por questão de estudo, podemos dividir o assunto em pelo menos  três aspectos fundamentais:
➡ Autoridade Suprema. A Pessoa do Senhor Jesus.
➡ Autoridade Escrita. A Bíblia Sagrada.
➡ A Voz da Autoridade . A Pessoa do Espírito Santo.
Devemos contudo levar em conta as unidades, a estabilidade e o desenvolvimento harmônicos das demais igrejas evangélicas no Brasil, que assim como nós, tem a Bíblia Sagrada, a Palavra de Deus como sua regra e expressão de fé e prática, cuja consciência e responsabilidade já há muitos justificam a oficialização e divulgação de seus fundamentos.

Texto Básico: Rm 13:1-2 Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. 

I. CRISTO A FONTE SUPREMA DA AUTORIDADE CRISTÃ. 
A Igreja tem sobre si uma fonte suprema de autoridade cristã que não pode ser definida ou enquadrada a nenhum aspecto humano de liderança terrena. Não se trata de uma autoridade temporal ou passageira, mas no seu aspecto fundamental, a autoridade cristã sobre a Igreja é exercida pela Pessoa do Senhor Jesus Cristo,  e por esta razão seu caráter eterno e supremo. Eterno e supremo porque emana daquele que tem em si divindade e soberania.
⏩Cl 2.9 “porque nele habita corporalmente toda a plenitude da divindade” Ninguém pode ou deve ser visto, na Casa de Deus como autoridade em condições igual ou superior a Cristo. Somos completamente dependentes Dele,  e tudo o que diz respeito a vida e a fé emanam unicamente daquele que é Rei e Senhor sobre nós

⏩Cl 2:6, 7 Portanto, assim como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim também nele andai, arraigados e edificados nele, e confirmados na fé, assim como fostes ensinados, abundando em ação de graças. A soberania do Senhor Jesus sobre a Igreja origina-se por sua condição divina e pelo seu caráter ou seus atributos incomunicáveis. 

⏩Rm 1.20 Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis 

1. ETERNIDADE E PODER. 
 Sl 90:2 Antes de formares os montes e de começares a criar a terra e o Universo, tu és Deus eternamente, no passado, no presente e no futuro.
Eternidade quando se refere a Pessoa de Deus indica tempo sem começo e nem fim. Somente Deus por sua condição exerce tal atributo. Ninguém é eterno no mesmo sentido, nossa "eternidade" só pode ser vista no aspecto de que a morte não tem mais poder sobre nós (salvos em Jesus Cristo).

Quanto ao poder, o próprio Senhor Jesus declara sua condição ao dizer: Ap 1:8 Eu sou o Alfa e o Ômega, diz o Senhor Deus, aquele que é, e que era, e que há de vir, o Todo-Poderoso. 

2. UNIGÊNITO FILHO DE DEUS. 
1Jo 4.9 Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos. 
O termo "unigênito" indica a condição de filho único de Deus. O Senhor Jesus, como Filho Unigênito de Deus possui condição divina, assim como o Pai e, sendo Ele Deus no sentido expresso da palavra e é capaz de exercer autoridade Suprema com condições somente atribuída a Pessoa de Deus.
⏩Jo 1:14 E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, cheio de graça e de verdade; e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai
Como Filho unigênito e doador da sua própria vida, o Senhor Jesus se apresenta em condições plenas de exercer autoridade suprema sobre a Igreja, tendo em vista que a vida da Igreja emana unicamente Dele.
⏩1Jo 4:9 Nisto se manifestou o amor de Deus para conosco: em que Deus enviou seu Filho unigênito ao mundo, para que por meio dele vivamos. 

3° REDENTOR VICÁRIO. 
Hb 9.12 e não pelo sangue de bodes e novilhos, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez por todas no santo lugar, havendo obtido uma eterna redenção. 
Aqui temos duas palavras que devem ser entendidas a luz da revelação bíblica "Redenção" e "Vicária".

1. Redenção é o ato de remir ou redimir, e tem o sentido de "resgatar". Na Biblia este termo vai apontar para o ato de "Devolver ao verdadeiro proprietário algo que ele perdeu ou que, de alguma firma lhe foi tirado".Por causa do pecado a raça humana perdeu o direito a sua alma. No processo da Redenção, o Senhor Jesus, por Sua morte na cruz, traz "remissão" sobre os nossos pecados. Neste ato de "Redenção" tudo o que perdemos devido a culpa do pecado, nos é devolvido imediatamente,  fazendo de nós pessoas em condições de morar no céu.

2. Vicário. O termo vicário vai nos falar da culpa do pecado. O termo aponta para "alguem tomando o lugar ou a vez de outro, e refere-se ao fato de que Cristo se entregou na Cruz, morrendo em nosso lugar.
⏩ Rm 3.24 sendo justificados gratuitamente pela sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus. 

4. RESSURRETO E VITORIOSO.
Rm 1.4 e que com poder foi declarado Filho de Deus segundo o espírito de santidade, pela ressurreição dentre os mortos, Jesus Cristo nosso Senhor. 
A autoridade do Senhor Jesus sobre a Igreja se expressa em amor, sabedoria e santidade divina. É um exercício benéfico, saudável e livre de condições de autoritarismo. Sua autoridade apesar de suprema evidencia-se na totalidade da vida naqueles que receberam os benefícios da sua morte e ressurreição.  A vida cristã exige sim obediência aos mandamentos de Cristo, exige dedicação a seu serviço, fidelidade ao seu reino e máxima devoção a Sua Pessoa, como Senhor. No entanto nenhuma dessas "condições" são autoritárias ou desumanas.

II. A BÍBLIA, AUTORIDADE DA PALAVRA DE DEUS COMO REGRA DE FÉ PARA A IGREJA.
Hb 4.12 Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração.
A Bíblia, é a Palavra de Deus. Tudo o que Deus quiz revelar ao homem em relação a si mesmo ao mundo e ao Seu plano divino, Ele revelou nas páginas das Escrituras Sagradas. A Bibia fala com autoridade divina porque é o próprio Deus falando. seja por Ele mesmo ou através de seus escritores ou profetas. Na Biblia Deus fala com o homem, Deus fala como o homem, Deus fala através do homem, mas em todas as maneiras, a Bíblia é sempre Deus falando (Pr Antonio Gilberto).

A Bíblia é a suprema regra de fé e prática porque é testemunha fidedigna e inspirada dos atos maravilhosos de Deus que através da revelação, fala Dele e apresenta o Senhor Jesus, o Filho Unigênito, como redentor da humanidade. As Escrituras revelam a mente do Senhor Jesus e ensina o significado de Seu domínio. Na sua singular e una revelação da vontade divina para a humanidade, a Bíblia é a autoridade final que atrai as pessoas a Cristo e as guia em todas as questões de fé cristã e dever moral. O indivíduo precisa aceitar a responsabilidade de estudar a Bíblia, com mente aberta e com atitude reverente, procurando o significado de sua mensagem através de pesquisa e oração, orientando a vida debaixo de sua disciplina e instrução

III.  O ESPÍRITO SANTO,  A VOZ DA AUTORIDADE DIVINA. 
1Jo 4.2 Nisto conheceis o Espírito de Deus: todo espírito que confessa que Jesus Cristo veio em carne é de Deus. 
O Espírito Santo é o próprio Deus no mundo e, particularmente, na experiência humana. Ele é Deus e revela a Pessoa do Deus Pai e do Deus Filho bem como Sua vontade em relação ao homem.
⏩Jo 16:13 Quando vier, porém, aquele, o Espírito da verdade, ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras. 
O Espírito Santo, portanto, é a voz da autoridade divina para a Igreja. Ele exerce autoridade e Sua autoridade expressa a vontade de Cristo. 

1.AÇÕES DO ESPIRITO SANTO. 
A REVELAÇÃO. As Escrituras são produtos de homens que, inspirados pelo Espírito Santo, falaram por Deus, a verdade da Bíblia expressando a vontade do Espírito Santo, compreendida pela iluminação do Mesmo.

CONVENCIMENTO. É o Espírito Santo que convence os homens do pecado, da justiça e do juízo, tornando, assim, efetiva a salvação individual, através da obra salvadora de Cristo.
⏩Jo 16:8 E quando ele vier, convencerá o mundo do pecado, da justiça e do juízo:

HABITAÇÃO. Ele habita no coração do crente, como advogado perante Deus e intérprete para o homem.
⏩Rm 8:26 Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.

ATRAÇÃO. Ele atrai o fiel para a fé e a obediência e, assim, produz na sua vida os frutos da santidade e do amor.
⏩Gl 5:22-23 Mas o fruto do Espírito é: o amor, o gozo, a paz, a longanimidade, a benignidade, a bondade, a fidelidade. a mansidão, o domínio próprio; contra estas coisas não há lei. 

O Espírito Santo procura alcançar a vontade e propósitos divinos entre os homens. Ele dá aos cristãos poder e autoridade para o trabalho do reino e santifica e preserva os redimidos, para o louvor de Cristo; exige submissão livre e dinâmica à autoridade de Cristo, e uma obediência criativa e fiel a Palavra de Deus.

sábado, 25 de junho de 2016

SOTERIOGIA, A DOUTRINA DA SALVAÇÃO

Lição I
SOTERIOGIA, DEFINIÇÕES E ASPECTOS ESSÊNCIAIS. 
Texto Bíblico. Tt 2:11-15 Porque a graça de Deus se manifestou, trazendo salvação a todos os homens, ensinando-nos, para que, renunciando à impiedade e às paixões mundanas, vivamos no presente mundo sóbria, e justa, e piamente, aguardando a bem-aventurada esperança e o aparecimento da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniqüidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras. Fala estas coisas, exorta e repreende com toda autoridade. Ninguém te despreze.

Texto Devocional. At 4:12 E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos.

Introdução: A salvação, em uma definição bem simples e rápida, é o ato do homem libertar-se do poder e dos efeitos do pecado. O vocábulo no entanto se visto por seus termos originais, pode parecer um pouco mais complicado.
➡ Do português o termo "salvação deriva do latim "salvare" (salvar) e de "salus" (saúde, ajuda).
➡ O vocábulo é tradução do termo hebraico "yeshu'a" (largura, facilidade, segurança)
➡ No grego temos o vocábulo "sõteria" (cura, recuperação, redenção, remédio, salvação, bem estar).
Podemos dizer que "salvação" indica a ação ou o resultado de livramento ou preservação de algum perigo ou enfermidade, subentendendo segurança, saúde e prosperidade.

I. A SALVAÇÃO NA BÍBLIA E OS SEUS TERMOS NA LINGUAGEM ORIGINAL.
Nas Escrituras o termo salvação parte de seus aspectos mais físicos para uma designação de seu aspecto moral e espiritual de livramento. As porções mais antigas do AT dão ênfase a salvação como os meios em que Deus de forma individual concede a Seu povo o escape das mãos de seus inimigos, emancipado-os da escravidão e os estabelecendo numa terra de abundância. (O povo de Israel) Já nas porções posteriores, os textos vão recair numa ênfase das condições e qualidades morais e religiosas de bem-aventurança, e estendem suas amenidades além das fronteiras nacionais
(O Novo Dicionário da Bíblia, Vol-II, p,1464-5).

Em primeira instância, na linguagem original temos dois termos que foram traduzidos para o português como salvação.
➡ "sõzõ" (verbo). salvar
➡"sõtêria", (substantivo). salvação.
Ambos apontam o "salvamento" e a "libertação" no sentido de evitar algum perigo que ameaçe a vida. Podendo ocorrer na guerra ou em alto mar. Entretanto aquilo de que se recebe o livramento pode ser uma doença, e neste caso não se menciona qualquer perigo imediato mas pode significar "conservar" ou "preservar". O verbo e o substantivo podem até significar "voltar com segurança" para casa.

Na LXX (Septuaginta, ou Tradução dos Setenta), "sõzõ" traduz nada menos do que 15 verbos hebraicos diferentes. Dentre eles, os mais importantes são:
➡"yãsa", libertar/salvar, e
➡"mãlat", escapulir/escapar/salvar". 

E embora "Iahweh" empregue agentes humanos, o israelita piedoso tinha consciência do fato do livramento vir do próprio Iahweh  Sl 12:1,2 Salva-nos, Senhor, pois não existe mais o piedoso; os fiéis  desapareceram dentre os filhos dos homens Cada um fala com falsidade ao seu próximo; falam com lábios lisonjeiros e coração dobre.
Mas o conteúdo exato dessa libertação ou salvação varia de acordo com o contexto e as circunstâncias.

Sl116:12, 13 Que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito? Tomarei o cálice da salvação, e invocarei o nome do Senhor.
Temos na expressão "o cálice da salvação" encontrada neste texto de Salmos, quatro interpretações sugeridas por Anderson:

a) Uma libação de vinho que fazia parte da oferta de ações de graças. Nm 28.7 A oferta de libação do mesmo será a quarta parte de um him para um cordeiro; no lugar santo oferecerás a libação de bebida forte ao Senhor.
(LIBAÇÃO: Ato que consiste na aspersão  de um líquido em intenção de uma divindade)

b) Uma metáfora da libertação, e o antônimo da taça da ira de Iahweh. Is 51.17 Desperta, desperta, levanta-te, ó Jerusalém, que bebeste da mão do Senhor o cálice do seu furor; que bebeste da taça do atordoamento, e a esgotaste. 

Jr 25.15 Pois assim me disse o Senhor, o Deus de Israel: Toma da minha mão este cálice do vinho de furor, e faze que dele bebam todas as nações, às quais eu te enviar.

c) Um cálice em conexão com alguma ordem específica 
Nm 5.16-28

d) Um cálice de vinho tomado na refeição de ações de graças. Sl 23.5 Preparas uma mesa perante mim na presença dos meus inimigos; unges com óleo a minha cabeça, o meu cálice transborda.

Anderson prefere a primeira dessas alternativas tendo em vista a sua associação com alguma coisa dada a Iahweh. É atraente, no entanto, a sugestão de que semelhante cálice, necessariamente, fica em contraste com o cálice da ira de Deus, e, portanto, esta ideia também pode ser presente.

No NT, o verbo "sõzõ" ocorre 106 vezes, e o substantivo "sõtêria", 45 vezes. Ambos apontam para a mesma direção:
A graça de Deus, que é a grande fonte de salvação. Ef 2:8,9 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.
O Filho de Deus, o Salvador do Mundo. Lc 2:11 É que vos nasceu hoje, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo, o Senhor.

II. ASPECTOS ESSÊNCIAIS A SALVAÇÃO.
Todos nós, invariavelmente, somos carentes de salvação, e é vontade de Deus é que cada um de nós sejamos salvos. Para consecução deste plano, Deus cuidou da parte mais difícil que foi a de enviar o seu próprio Filho, o FilhoUnigênito e Amado, o Senhor Jesus Cristo. "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna." (Jo 3.16). O único e verdadeiro caminho para a vida eterna é o Senhor Jesus, que disse: "...Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim." (Jo 14.6). É Ele próprio que convida o pecador para receber a salvação: "Escutem! Eu estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, eu entrarei na sua casa, e nós jantaremos juntos." (Ap 3.20).
No entanto, a salvação também exige alguns passos importantes de nossa parte, a saber:

RECONHECIMENTO DE NOSSO ESTADO. Precisamos reconhecer nosso estado como pecadores, entendendo que por esta razão, estamos afastado de Deus numa situação inevitavelmente miserável. "Todos pecaram e estão afastados da presença gloriosa de Deus." (Rm 3:23).

ARREPENDIMENTO DE NOSSA CONDUTA. 
Ao reconhecermos nosso estado pecador, devemos tomar a decisão de dar meia volta e seguirmos um caminho em direção oposta ou diferente da que estávamos seguindo. "...Arrependam-se dos seus pecados porque o Reino do Céu está perto!" (Mt 3.2).

RECEBIMENTO DA SALVAÇÃO.
Receber Jesus como Senhor e Salvador, é o principal passo em direção a salvação. O texto bíblico é  muito claro no que se refere a esta condição. Jesus é Senhor e se no nosso coração crermos que Deus ressuscitou Jesus, seremos salvo. Porque nós cremos com o coração e somos aceitos por Deus; falamos com a boca e assim somos salvos. Rm 10.9,10.



quarta-feira, 22 de junho de 2016

OS EFEITOS DA CONVERSÃO

LC 19.1,2 Tendo Jesus entrado em Jericó ia atravessando a cidade. Havia ali um homem chamado Zaqueu, o qual era chefe de publicanos e era rico.

Ef 4. 22 A despojar-vos, quanto ao procedimento anterior, do velho homem, que se corrompe pelas concupiscências do engano; 

Introdução: Zaqueu. Hb: puro, justo. Era o responsável pela coleta de impostos na cidade de Jericó. Algo como um “fiscal alfandegário”, ou coisa parecida. Conhecidos também como "publicanos".

Estes cobradores eram pessoas odiadas por grande maioria dos seus compatriotas judeus, que os viam como traidores, por trabalharem para o Império Romano. No entanto, o termo publicanos dado aos “coletores de impostos”, era um termo aplicado a qualquer funcionário público.

Além da ocupação e do nome de Zaqueu, pouca ou quase nenhuma informação temos da vida deste homem. O que temos é o que nos é apresentado no capitulo 19 de Lucas. Porém, é certo que existem algumas informações bastante relevantes neste texto, porquanto basta um olhar um pouco mais cuidadoso para o texto, e ele nos faz parar imediatamente com as nossas atividades mais comuns, para nos levar a ocuparmos com mais atenção nas explicações e aplicações que este texto pode nos trazer.

Então, vejamos...

I.O QUE LUCAS NOS FAZ SABER A RESPEITO DESTE HOMEM? 
Lc 19.1 Tendo Jesus entrado em Jericó ia atravessando a cidade. Havia ali um homem... 

A cidade de Jericó aqui mencionada no texto, do tempo de Cristo, era a segunda cidade da Judéia. Ali Jesus curou o cego Bartimeu, e ali residia Zaqueu que recebeu Jesus em sua casa. (Mt 20.29; Mc 10.46-52; Lc 18.35). Em certo tempo, Jericó chegou a fazer parte das propriedades da princesa Cleópatra, pois foi dada a ela pelo Imperador Antônio como presente. Mais tarde foi arrendada a Herodes, o Grande, que ali construiu muitos palácios e edifícios públicos. Foi, finalmente, destruída pelos romanos, cerca do ano 230 d.C.

1. SEU NOME, OCUPAÇÃO E REALIDADE SOCIAL. 
v.2 ...chamado Zaqueu, o qual era chefe de publicanos e era rico. 

A primeira informação que temos pelo texto lucano é o nome, a identidade pessoal de Zaqueu. Mas isso, é tudo que o texto nos faz saber. Nada de sobre nomes ou informações familiares. Nada mais em parte alguma da Bíblia é dito em relação a ele. Lucas, em seguida ao nome, nos informa a principal atividade por ele exercida. O texto diz que Zaqueu, era um "publicano", ou melhor, diz que ele exercia uma função de "chefia" nesta atividade profissional. Na verdade, assim diz o texto. Zaqueu, o qual era chefe de publicanos.

Como já vimos, os publicanos eram funcionários do governo. No caso de Zaqueu, eles tinham a função mais específica de captação de bens financeiros do povo para entregá-los a coroa. O problema é que bom número destes coletores de impostos agiam com desonestidade, tanto em relação ao povo como em relação ao governo. Cobravam impostos ilegais e apresentavam relatórios falsificados, com a intenção de enriquecer rapidamente. Não era raro os casos em que alguns publicanos ameaçassem e até matassem a alguns para atingir os seus propósitos. Por isso eles eram tão odiados.

Em seguida, vem mais uma informação. O autor acrescenta a seu comentário a estabilidade social de Zaqueu, certamente advinda de sua atividade (honesta ou desonestamente) ...e era rico. Zaqueu, em razão da atividade que exercia profissionalmente, tinha uma boa estabilidade financeira. A atividade de "cobrador de impostos" era muito bem remunerada pelo governo romano. Além disso, Lucas nos informa ainda que Zaqueu exercia sua atividade na cidade de Jericó, e Jerico nesta época, gozava de uma lucrativa produção e exportação de bálsamo. Em virtude disso a posição de Zaqueu era muito cobiçada em razão das riquezas que sua atividade prometia.

2. SUA ESTRURA FÍSICA. 
v.3 Este procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, porque era de pequena estatura 

Se por um lado, Lucas apresenta Zaqueu como um homem bastante qualificado profissionalmente, por outro lado Lucas nos revela um detalhe curioso de sua estrutura física. Na verdade, Zaqueu se deixa descobrir em razão de sua atitude, se não fosse sua resolução em teimar ver o Mestre, possivelmente esta característica passaria em branco e, talvez nunca tivéssemos sabido... não podia, por causa da multidão, porque era de pequena estatura. Vejam só, Zaqueu era pequenininho, talvez um anãozinho. Nada que comprometesse sua vida profissional, sentimental ou familiar. Mas, convenhamos, comprometeu em algum momento, pois ele se sentiu privado de uma atividade aparentemente normal para a maioria das pessoas, que era simplesmente, em meio a um aglomerado de pessoas, ver Jesus passar.

No relato de Lucas, Zaqueu chegou antes da multidão que esperava para se encontrar com Jesus. Jesus passaria por Jericó a caminho de Jerusalém. Zaqueu, segundo o escritor bíblico queria vê-lo a todo custo, mas sua estrutura física descrita por Lucas, "pequena estatura" não lhe ajudou nem um pouquinho. Como um homem de baixa estatura vai conseguir por entre a multidão se aproximar de Jesus? Zaqueu, sem dúvida encontrou enorme dificuldade para atingir seu objetivo que era o de ver o Mestre. Desesperado, e com medo de perder aquela que talvez, pensasse ele, fosse sua última (ou primeira) oportunidade de ver o Senhor Jesus tão de perto, resolveu, contrariando sua condição social, (imaginem um homem rico, pertencente a uma classe social de nível elevado, chefe de uma repartição pública de bastante evidência, conhecido de todos na cidade), fazer o que ninguém imaginava, subir em uma figueira que ficava localizada ao pé da estrada exatamente por onde Jesus iria passar. Se bem que a esta altura dos acontecimentos, talvez a grande massa nem estava prestando atenção no que estava acontecendo em volta, toda atenção se voltava para o fato de que Jesus iria passar por ali.

Zaqueu, na esperança de, pelo menos, conseguir ver o Mestre passar, subiu em uma figueira ou, como diz em outra tradução, um sicômoro. v.3 E correndo adiante, subiu a um sicômoro a fim de vê-lo, porque havia de passar por ali. O sicômoro é uma figueira ainda muito comum nos sítios quentes e abrigados da Palestina. Crescem fácil e rapidamente, apresentando uma grande copa, largos ramos, e enormes raízes. Produz figos durante quase todo o ano, mas são pequenos e insípidos. São, contudo, a principal alimentação para as classes mais pobres.

3. SUA RESOLUCÃO ACIMA DE QUALQUER DIFICULDADE APARENTE. 
Lc 19:5-6 Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa; porque importa que eu fique hoje em tua casa. Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria. 

Os versos que se seguem as descrições do homem Zaqueu, talvez possa revelar um pouco melhor a verdade que tentamos esconder por trás de uma mascara ou "personagem" que as vezes temamos deixar ditar o rumo final da nossa história. Zaqueu, o homem rico, funcionário bem remunerado do império romano, chefe dos publicanos, precisa ver Jesus. E agora ele está diante de um grande dilema...

➡ Prossigo em minha resolução a qualquer preço, ou subjulgo minha vontade as condições desfavoráveis ao meu intento?
➡ Vou em frente, ou paro por aqui?

Zaqueu poderia estar se perguntando:
➡ Ate que ponto, para mim, é realmente importante ver Jesus tão de perto?
➡ Será que todo esforço que terei de fazer para ver Jesus se faz realmente necessário?
➡ Até que ponto um "encontro" como este, com Jesus será proveitoso ou rentável para um homem como eu?

Não sabemos ao certo o que se passava no estado interior de Zaqueu. Nada conhecemos de sua história além daquilo que foi escrito por Lucas. Porém o mais surpreendente é o que a Bíblia passa a nos apresentar a partir desta resolução de Zaqueu em desejar ver Jesus... Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa

Jesus chegou exatamente ao ponto mais próximo do lugar onde Zaqueu estava. Zaqueu talvez jamais tivesse imaginado a cena que se desenrolaria a partir daquele momento e que mudaria toda a trajetória da sua vida. Assim começa a conversão... E aqui começo minha pregação!

A história de Zaqueu traz para nós, da forma muito simples e da maneira mais livre de qualquer contaminação de interpretação textual, como a vida de um homem pode ser divinamente modificada pelo processo daquilo que conhecemos como "conversão". Descobrimos na história de Zaqueu que todo o processo só começa acontecer quando enxergamos nossa total dependência de alguém, que sendo maior que nós, tem poder para produzir em nós os frutos necessários para promover o arrependimento.

É um momento em que paramos de olhar para nós mesmos, e conseguimos enxergar o Senhor Jesus, pronto para nos receber do jeitinho em que estamos. Aqui não se trata de se achar melhor ou pior, é simplesmente "desejar" estar bem pertinho...

Jesus olhou para os ramos e, o mais surpreendente, Ele chama Zaqueu pelo nome... Eis uma informação preciosa e bastante relevante do texto. Quem falou a Jesus que no caminho haveria um homem justamente em cima de uma figueira? E quem disse para Jesus que o nome de tal homem era Zaqueu? O mais improvável, nem sempre é o mais improvável. Jesus é aquele que é capaz de dar probabilidade as coisas que parecem ser as menos prováveis. Zaqueu, penso eu, poderia esperar qualquer coisa, mas aconteceu com ele, talvez, uma coisa que ele mesmo não estava esperando acontecer. Jesus, talvez contrariando (acho que este é um texto de contrariedades) todas as expectativas da grande massa, olha para Zaqueu, talvez meio desajeitado por entre os galhos, flores e frutos daquela figueira, e Jesus lhe pede: “desce depressa”, e ainda mais lhe diz Jesus:hoje me convém pousar em sua casa”.

Já pensaram nisso? Jesus diz que pretende visitar a casa de Zaqueu. Esta talvez tenha sido a cena mais improvável para a multidão e até mesmo para o próprio Zaqueu, mais foi a coisa mais importante que aconteceu na vida deste cobrador de impostos. Quanto a multidão talvez tenha ficado realmente muito chocada. Jesus, um judeu, estaria mesmo disposto a ser o hóspede logo de um publicano? v.7 Ao verem isso, todos murmuravam, dizendo: Entrou para ser hóspede de um homem pecador.

Conversão acontece quando se tem atitude para "RECEBER". A multidão quase sempre fica chocada, isso é comum, pois a multidão quase nunca consegue enxergar a imediata ação transformadora de Deus na vida do pecador. v.6 Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria.

Comovido pela audácia do amor desmerecido de Jesus, Zaqueu nos dá outra lição grandiosa.... Ele recebeu Jesus. Mas ele não só recebeu Jesus, Lucas fez questão de frisar que Zaqueu... Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria. Zaqueu recebe Jesus repleto de contentamento e publicamente demonstra imediatamente os frutos de sua conversão. v.8 Zaqueu, porém, levantando-se, disse ao Senhor: Eis aqui, Senhor, dou aos pobres metade dos meus bens; e se em alguma coisa tenho defraudado alguém, eu lho restituo quadruplicado. Zaqueu arrependido de seus atos corruptos em razão da vida sem regras que vivia, jurou restituir todo o prejuízo que ele havia causado ao povo. Zaqueu realizou uma festa em sua casa, sem saber que no céu uma festa muito maior estava acontecendo em virtude de sua decisão. vv 9, 10. Disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, porquanto também este é filho de Abraão.Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.




A NOIVA DE CRISTO

Texto Básico: Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o se...