quinta-feira, 13 de julho de 2017

ONDE HABITAVA LÚCIFER QUANDO PECOU?



Texto: Is 28.12 Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações!

O que conseguimos ver até aqui, nos estudos em relação a Satanás, é que, antes de haver pecado, ele era possuidor de um auto grau de notoriedade, tendo em vista sua posição e sua classificação como "Querubim Ungido". Talvez a simples leitura deste título não nos ajude muito como descrição do seu alto grau de colocação entre os demais anjos. Mas a verdade é que os textos de Isaías e Ezequiel, nas suas descrições, apresentam características bastantes excepcionais por não serem designadas a nenhum dos demais seres criados. Observemos com atenção a descrição do profeta Ezequiel 28.
  • Sinete da Perfeição. O termo “sinete” indica, entre outras coisas uma marca distintiva de originalidade. É uma espécie de selo gravado em relevo ou em baixo-relevo com as armas ou as iniciais de quem o está usando.
  • Cheio de sabedoria e formosura. Aqui as próprias palavras se auto determinam. Sabedoria tem a ver com o alto conhecimento que se acumula enquanto que a formosura tem a ver com sua extrema beleza.
  • Todas as pedras preciosas te cobriam. Nesta descrição, o profeta faz menção do alto grau de riqueza, beleza e notoriedade do anjo. As pedras preciosas falam de tudo isso e o fato dele estar coberto delas indica estar excedido e ultrapassado no auto valor de todas elas.


Os versos seguintes continuam as descrições.
Ez 28.14,15 Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti. O texto faz a descrição da sua importância e se fecha com a atitude que o levou a queda: ...até que se achou iniquidade em ti.

Pois bem, se tudo isso já temos visto até aqui, talvez a nossa maior dificuldade seja mesmo em definir com exatidão o local em que tudo isto aconteceu. E aqui temos duas descrições que podem e devem ser vistas com bastante atenção.

A primeira está no verso 12. Como caíste do céu, ó estrela da manhã... Como foste lançado por terra... A segunda no verso seguinte, o 13. Estavas no Éden, jardim de Deus...

Aqui devemos fazer uma análise cuidadosa. Pois o verso 12 é categórico e fala com ênfase ao descrever os fatos relativos a queda sem deixar qualquer dúvida em referência ao lugar. O texto é assim descrito: "Como caíste do céu..." O profeta é muito claro em sua descrição, pois além de designar toda a verdade em relação a queda, ainda descreve com extrema particularidade o lugar onde esta queda aconteceu. Assim, Com base na descrição do verso 12, Lúcifer teria pecado em uma habitação no céu, de onde fora expulso como sentença ao seu erro cometido.

O verso 13, nos dá una descrição aparentemente um pouco mais duvidosa. Assim diz o texto: Estavas no Éden, jardim de Deus; de todas as pedras preciosas te cobrias: o sárdio, o topázio, o diamante, o berilo, o ônix, o jaspe, a safira, o carbúnculo e a esmeralda; de ouro se te fizeram os engastes e os ornamentos; no dia em que foste criado, foram eles preparados. Neste caso, devemos descobrir que lugar é este descrito pelo profeta Ezequiel como "jardim de Deus", pois tal referência segue-se imediatamente após a referência ao céu. Precisamos saber se este "jardim" refere-se ao Éden, e se a sua localização possa ser designado em alguma parte aqui na terra, ou se este “jardim” faça referência ao céu, e por isso seja designado de "jardim de Deus".

Pois bem, O mesmo profeta Ezequiel traz uma descrição em relação a Faraó e cita um lugar descrito como jardim de Deus. Formoso o fiz com a multidão dos seus ramos; todas as árvores do Éden, que estavam no jardim de Deus, tiveram inveja dele. Ez 31:9 ARA

O que devemos observar aqui é que o Éden citado faz apenas uma referência a grandeza é a beleza supostamente atribuída ao Faraó. A quem, pois, és semelhante em glória e em grandeza entre as árvores do Éden? Todavia, descerás com as árvores do Éden às profundezas da terra; no meio dos incircuncisos, jazerás com os que foram traspassados à espada; este é Faraó e toda a sua pompa, diz o Senhor Deus. Ez 31:18 ARA. O texto em si não faz qualquer referência a ser o jardim um lugar terreno ou um local onde supostamente seres angelicais possam ter morado ou existindo antes da criação do homem. Não existe na Bíblia nenhuma referência que conduza a este entendimento. O Éden, é sempre citado como jardim, mas mas quase nenhuma vez como "jardim de Deus" ou "jardim do Senhor". As referências a um lugar com tal designação é sempre muito especulativa e não nos dá nenhuma descrição em que possamos ter uma interpretação completa. Levanta-te, vento norte, e vem tu, vento sul; assopra no meu jardim, para que se derramem os seus aromas. Ah! Venha o meu amado para o seu jardim e coma os seus frutos excelentes! Ct 4:16 ARA

Em relação ao Éden, como o jardim de Deus, citado por Ezequiel, esbarramos ainda no fato da descrição de Gênesis quanto a criação da terra. Gênesis relata o Éden como um lugar criado para o homem, sem pecado. E plantou o Senhor Deus um jardim no Éden, na direção do Oriente, e pôs nele o homem que havia formado. Gn 2:8 ARA

Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e o guardar. Gn 2:15 ARA

Pois bem, se o Éden foi criado e imediatamente dado ao homem para seu cultivo e guarda, isto nos conduz ao entendimento de que o Éden tenha sido criado depois da queda de Lúcifer, tendo em vista que Lúcifer foi criado em um tempo muito anterior ao homem, e pecado também num tempo muito anterior a criação humana. Também em afirmação a este conceito, podemos perceber no verso 3 que a serpente, isto é Satanás, já estava devidamente caído e obstinado no uso do engano. Disse o Senhor Deus à mulher: Que é isso que fizeste? Respondeu a mulher: A serpente me enganou, e eu comi. Gn 3:13 ARA

Agora observemos a descrição do Livro do Apocalipse: A sua cauda arrastava a terça parte das estrelas do céu, as quais lançou para a terra... Ap 12:4 ARA

A descrição prossegue: Houve peleja no céu. Miguel e os seus anjos pelejaram contra o dragão. Também pelejaram o dragão e seus anjos; todavia, não prevaleceram; nem mais se achou no céu o lugar deles. E foi expulso o grande dragão, a antiga serpente, que se chama diabo e Satanás, o sedutor de todo o mundo, sim, foi atirado para a terra, e, com ele, os seus anjos. Ap 12:7-9 ARA

Vamos ver então que respostas encontramos nos textos para as seguintes perguntas:

  • De onde a "cauda" malígna arrastou a terça parte dos anjos?
  • Onde o texto diz ter havido uma guerra?
  • Onde diz o texto não haver mais lugar para os derrotados na peleja?
  • Para onde foi "atirado" Satanás em sua queda?


Se para as perguntas 1,2,3 as resposta são "Os céus" e a 4, a terra, então fica claro que Lúcifer pecou contra Deus nas regiões celestiais, e que foi exatamente dali que ele fora expulso juntamente com seus anjos. Is 28.12 Como caíste do céu, ó estrela da manhã, filho da alva! Como foste lançado por terra, tu que debilitavas as nações!

CONCLUSÃO:
Segundo os textos analisados, não temos outro entendimento que não seja o que Satanás pecou em um lugar onde não havia espaço para o pecado, e nem havia nenhuma tentação no sentido de o conduzi-lo a pecar. O fato é que a Bíblia nos leva a crer que Satanás pecou em algum lugar das regiões celestiais, e que na Bíblia tal lugar é designado como céu. Ez 28.14,15 Tu eras querubim da guarda ungido, e te estabeleci; permanecias no monte santo de Deus, no brilho das pedras andavas. Perfeito eras nos teus caminhos, desde o dia em que foste criado até que se achou iniquidade em ti...














PREPARANDO-SE PARA O SERMÃO

SALA DE ESTUDO Antes de começarmos a desvendar todos os mistérios concernente o preparo do sermão propriamente dito, será de ...