segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Jesus, a Porta aberta para a Salvação


JESUS, A PORTA ABERTA A SALVAÇÃO

1Co 16.9 - Porque uma porta grande e eficaz se me abriu; e há muitos adversários.

Introdução: Porta: Na maioria das cidades e aldeias dos hebreus a única praça ou lugar aberto encontrava-se dentro da porta (Ne 8.16). Ali se vendia e se comprava (2Rs 7.1), questões se decidiam (2Sm 15.2) e se fazia toda espécie de negócios (Gn 23.10). A porta era o centro da vida social do lugar (Jr 17.19; Pv 1.21) (Pequena Enciclopédia Bíblica Orlando Boyer)
PORTA FALA DE:
  • Oportunidades – Ap 3.8 "eis que tenho posto diante de ti uma porta aberta"
  • Ocasião Apropriada – Jo 10.7 – "Eu sou a porta das ovelhas"
  • Entrada ou saída – Mt 7.13 "Entrai pela porta estreita"
I. JESUS, UMA PORTA GRANDE O SUFICIENTE PARA QUE ENTRE POR ELE TODOS QUANTOS QUIZEREM.

Jo 10.9 - Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.

  • Lc 19.3 - Zaqueu - "E procurava ver quem era Jesus..."
1. REVELA MAGNIMINIDADE OU HEROÍSMO

"Porque o Filho do Homem veio salvar o que estava perdido." (Mateus 18:11)

  • Por seu amor e entrega - Gl 2.20 "...me amou e a si mesmo se entregou por mim"
Ef 5:2 - e andai em amor, como também Cristo nos amou e se entregou a si mesmo por nós, como oferta e sacrifício a Deus, em aroma suave.
2. POSSUI DIMENSÃO DE SUPERFÍCIE ACIMA DO NORMAL

"Ora, não levou Deus em conta os tempos da ignorância; agora, porém, notifica aos homens que todos, em toda parte, se arrependam;" (Atos 17:30)

  • Todas as nações – Lc 24.47
  • Todos os homens – Tt 2.11
  • Todo o que crê – Jo 3.16; Mc 16.15
3. POSSUI DISTÂNCIA ATINGÍVEL DESMEDIDA OU EXAGERADA

"Porque a palavra de Deus é viva, e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e propósitos do coração." (Hb 4:12)
  • Capaz de atingir o interior do homem, transformando-o assim por dentro e por fora "Ele desceu a toda a pressa e o recebeu com alegria." (Lc 19:6)
    "Entrementes, Zaqueu se levantou e disse ao Senhor: Senhor, resolvo dar aos pobres a metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, restituo quatro vezes mais." (Lc 19:8)
II. JESUS, UMA PORTA EFICAZ A PONTO DE POR ELE PODEREM ENTRAR TODOS QUANTOS PRECISAREM.
"Ao desembarcar, logo veio dos sepulcros, ao seu encontro, um homem possesso de espírito imundo, o qual vivia nos sepulcros, e nem mesmo com cadeias alguém podia prendê-lo;" (Mc 5:2-3)
  • Produz efeito desejado
    "Indo ter com Jesus, viram o endemoninhado, o que tivera a legião, assentado, vestido, em perfeito juízo..." (Mc 5:15)

 
Mensagem pregada dia 10/10/2010 – Batista Nacional Vale das Benções em Bacaxá - Saquarema

O TEMPO ESTÁ PERTO


Prepara-te igreja, pois O TEMPO ESTÁ PERTO
Texto: Mc 13.29,31 - Assim também, quando virem acontecer essas coisas, fiquem sabendo que o tempo está perto, pronto para começar. O céu e a terra desaparecerão, mas as minhas palavras ficarão para sempre.

Introdução: A vinda de Jesus é certa. A Igreja tem convicção desta verdade e sabe que precisa estar preparada para o encontro triunfal com o Senhor nos ares. Talvez o que nós não saibamos muito bem é: Como é estar preparado! O texto de Marcos é esclarecedor e comparativo: VV. 33,34 - É como um homem que, ausentando-se do país, deixa a sua casa, dá autoridade aos seus servos, a cada um a sua obrigação, e ao porteiro ordena que vigie. Vigiai, pois, porque não sabeis quando virá o dono da casa: se à tarde, se à meia-noite, se ao cantar do galo, se pela manhã.
Podemos enxergar o Senhor Jesus como "o homem que se ausentou do país" (
Eles ainda estavam olhando firme para o céu enquanto Jesus subia, quando dois homens vestidos de branco apareceram perto deles. Atos 1:10). O seu retorno é certo, porém a data é incerta. Ninguém sabe o dia nem a hora (v. 32). Porém antes que ele retorne, ele toma as seguintes medidas:

I. DÁ ORDENS (autoridade)
(disposição ou colocação metódica das coisas em seu devido lugar)
Lei, modo de ser, natureza
  • "Vivam de acordo com toda a lei..." Js 1.7-9
  • "Sereis meus amigos" – Jo 15.14
  • Sl 119.48 – Respeito
  • Tt 2.13,14 – "vivamos neste século..."
  • 1Pe 2.24 – "uma vida correta"
II. DISTRIBUI O TRABALHO ENTRE OS EMPREGADOS
1Co 12.28 - Na Igreja, Deus pôs tudo no lugar certo: em primeiro lugar, os apóstolos; em segundo, os profetas; e, em terceiro, os mestres. Em seguida pôs os que fazem milagres; depois os que têm o dom de curar, ou de ajudar, ou de liderar, ou de falar em línguas estranhas.
DISTRIBUIR: Repartir/ Entregar

Ef 4.11 - Ele escolheu alguns para serem...
  • Usemos os nossos diferentes dons de acordo com a graça que Deus nos deu Rm 12.6
  • v.11 – "Trabalhem com entusiasmo e não sejam preguiçosos"
  • 1Co 15.58 – "Continuem ocupados no trabalho do Senhor,"
  • 1Co 3.8 - Deus dará a recompensa de acordo com o trabalho que cada um tiver feito.
  • Fp 1.20-23 – "O meu grande desejo e a minha esperança são de nunca falhar no meu dever"
  • Hb 6.10 - Deus não é injusto. Ele não esquece o trabalho que vocês fizeram
III. MANDA O PORTEIRO FICAR VIGIANDO.
"Por isso não vamos ficar dormindo, como os outros, mas vamos estar acordados e em nosso perfeito juízo." 1Ts 5:6
PORTEIRO: Aquele que guarda uma porta ou porteira
JO 10.3 - O porteiro abre a porta para ele...
Sl 24.7,8 – "Abram bem os portões, abram os portões antigos, e entrará o Rei da glória"
(Trata-se dos portões do templo os quais as pessoas entravam para adorar)
  • Sl 48.19 - Abram os portões do Templo para mim; eu entrarei e louvarei o SENHOR.
  • v. 20 - Este é o portão do SENHOR; somente os que lhe obedecem podem entrar por ele.
VIGIAR: estar atento/ velar
  • Mt 26.38,41 – Por causa da fraqueza da carne.
  • Lc 21.36 – Por causa do tempo mau.
  • At 20.29-31 – Por causa dos lobos mentirosos.
CONCLUSÃO: Fiquem vigiando!
"O que eu lhes digo, digo a todos: fiquem vigiando!" (Marcos 13:37)

Jesus vem num dia em que não esperamos!


 

Mensagem pregada no dia 24/10/2010 na Assembléia de Deus em Parque São Carlos

Filial do Jardim Paraíso – Nova Iguaçú

PLANTANDO FÉ E COLHENDO MILAGRES


FAMÍLIA, PLANTANDO FÉ E COLHENDO MILAGRES
Lc 1.37 - Porque para Deus nada é impossível.
Introdução:
Família: Pessoas aparentadas que vivem, geralmente, na mesma casa, particularmente o pai, a mãe e os filhos./ Pessoas do mesmo sangue, Origem, ascendência.
Família elementar ou família nuclear: A que é constituída pelo casal e seus filhos.
Não existirá família, se não houver casamento.
Casamento: O casamento é uma instituição antiga, advinda dos costumes, incentivada pelo sentimento moral e religioso, os quais foram completamente incorporados pelo direito pátrio. DEFINIÇÕES:
Para Clóvis Beviláqua, o casamento é um contrato bilateral e solene, pelo qual um homem e uma mulher se unem indissoluvelmente, legitimando por elas suas relações sexuais; estabelecendo a mais estreita comunhão de vida e de interesse, e comprometendo-se a criar e educar a prole que de ambos nascer.
No entendimento de Maria Helena Diniz, é o casamento o vínculo jurídico entre o homem e a mulher que visa o auxílio mútuo, material e espiritual, de modo que haja uma integração fisiopsíquica e a constituição de uma família legítima.
Assim o conceituou Lafayette.
O casamento é um ato solene pelo qual duas pessoas de sexo diferente se unem para sempre, sob promessa recíproca de fidelidade no amor e da mais estreita comunhão de vida,
O fundamento básico do casamento e da vida conjugal é a afeição entre os cônjuges e a necessidade de que perdure a completa comunhão de vida.
Porém lamentavelmente, a instituição casamento parece estar em crise. Quando vêm os problemas, a tendência é optar pela separação e divórcio. Parece que a família dividida logo será a família comum.
O percentual de casamentos e separações nos estados brasileiros é alarmante: 2005
  • Brasil: 184.184.264 habitantes/ 835.846 casamentos/ 102.503 separações (23%)
  • RJ: 15.383.407 habitantes/ 66.410 casamentos/ 3.986 separações
  • SP: 40.442.795 habitantes/ 228.110 casamentos/ 40.570 separações
Desde 1984, a taxa de divórcios no País cresceu 200%, refletindo uma gradual mudança de comportamento da sociedade brasileira. Em 2007, quando se completou 30 anos da instituição do divórcio no Brasil, ele atingiu o pico da série iniciada pelo IBGE em 1984 e chegou a 1,49 por mil (1,49 divórcios por cada mil habitantes)

MILAGRES QUE PODEM SALVAR A FAMÍLIA.

I. O MILAGRE DO AMOR QUE NÃO ACABA

"O amor que não existe mais como foi a muito tempo atrás..."

1Co 13.1 - AINDA que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como...

1. Sentimento que predispõe alguém a desejar o bem de outrem.
  • Rm 12.9 - O amor seja não fingido. Aborrecei o mal e apegai-vos ao bem.
  • Rm 13.10 - O amor não faz mal ao próximo. De sorte que o cumprimento da lei é o amor.
2.Sentimento de dedicação absoluta de um ser a outro. (Abnegação, devotamento.)
Ef 5.25 - Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela,

  • ICo 13.4 - O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece.
  • ICo 16.14 - Todas as vossas coisas sejam feitas com amor.
3. Inclinação ditada por laços de família.
  • Cl 3.14 - E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição.
  • Hb 13.1 - PERMANEÇA o amor fraternal. (amor de irmão)
  • Tt 2.4 - Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, 
II. O MILAGRE DA ALEGRIA SEMPRE EXISTENTE

"A alegria que existia no lar hoje se esfriou..."

Pv 5.18 - Seja bendito o teu manancial, e alegra-te com a mulher da tua mocidade.

ALEGRIA: Qualidade ou estado de quem tem prazer de viver, de quem denota jovialidade. Contentamento, satisfação./ Sl 4.7 - Puseste alegria no meu coração, mais do que no tempo em que se lhes multiplicaram o trigo e o vinho.
As pessoas unem-se para serem felizes - o casamento é tido como um meio de realização pessoal e afetiva tornando assim as pessoas:
  • Mais bonitas - Pv 15.13 - O coração alegre aformoseia o rosto, mas pela dor do coração o espírito se abate.
  • Com mais saúde - Pv 17.22 - O coração alegre é como o bom remédio, mas o espírito abatido seca até os ossos.
  • Mais livres - Pv 15.15 Todos os dias do oprimido são maus, mas o coração alegre é um banquete contínuo.
Gn 29.20 - Assim serviu Jacó sete anos por Raquel; e estes lhe pareceram como poucos dias, pelo muito que a amava.



III. O MILAGRE DA COMUNHÃO QUE UNE A FAMÍLIA
"O filho que dos pais se esqueceu, a família que não se fala mais, a filha que perdida está, o casal que pensa em se separar..."

2Co 6.6 - Na pureza, na ciência, na longanimidade, na benignidade, no Espírito Santo, no amor não fingido,

COMUNHÃO: O ato, ou a condição de compartilhar das mesmas idéias, valores, sentimentos
PV 14.30 - O sentimento sadio é vida para o corpo, mas a inveja é podridão para os ossos.


INIMIGOS DA COMUNHÃO

1. DESPREZO: Falta de apreço; desdém.
"...o desprezo que o vovô suportou..."
Pv 15.17 - Melhor é a comida de hortaliça, onde há amor, do que o boi cevado, e com ele o ódio.

RESPEITO/ REVERÊNCIA - Ef 5.33 - Assim também vós, cada um em particular, ame a sua própria mulher como a si mesmo, e a mulher reverencie o marido.

2Sm 6.16 - ...Mical, a filha de Saul, estava olhando pela janela; e, vendo ao rei Davi, que ia bailando e saltando diante do SENHOR, o desprezou no seu coração.
Jó 31.34 - Porque eu temia a grande multidão, e o desprezo das famílias me apavorava, e eu me calei...


2. INDIFERENÇA. Que demonstra desinteresse por algo ou alguém, ou não lhe dá atenção.
"...a indiferença que sofreu a vovó..."
Cl 3.19 - Vós, maridos, amai a vossas mulheres, e não vos irriteis contra elas.

1Tm 5.8 - Mas, se alguém não tem cuidado dos seus, e principalmente dos da sua família, negou a fé, e é pior do que o infiel.


3. ORGULHO. Amor-próprio demasiado; soberba.
"...o orgulho invadiu os corações..."
Ef 5.28 - Assim devem os maridos amar as suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.

Sl 19.13 - Também da soberba guarda o teu servo, para que se não assenhoreie de mim. Então serei sincero, e ficarei limpo de grande transgressão.

  • CONTENDA - Pv 13.10 - Da soberba só provém a contenda, mas com os que se aconselham se acha a sabedoria.
  • RUÍNA - Pv 16.18 - A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda. 
CONCLUSÃO: Para que este milagre esteja na minha casa à única coisa que se pede é que eu creia que Deus tem poder de restaurar, isto é Pôr em bom estado, refazendo ou consertando o quebrado, renovando o deteriorado, repondo o que se gastou. Crendo que só Deus, e somente Ele, PODE RESTAURAR ESSE AMOR.


Mensagem pregada na Comunidade Evangélica mais que Vencedores

em Belford Roxo - Congresso de Casais

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Não desista da sua oração


NÃO DESISTA DA SUA ORAÇÃO
Texto: At 12.5 - E assim Pedro estava preso e era vigiado pelos guardas; mas a igreja continuava a orar com fervor por ele.
Introdução: Oração: Uma aproximação da pessoa a Deus por meio de palavras ou pensamento em particular ou em público. Inclui:

  • Confissão – Sl 5.1
    Ó SENHOR Deus, ouve as minhas palavras e escuta os meus gemidos!
  • Adoração: Sl 95.6 - Venham, fiquemos de joelhos e adoremos o SENHOR. Vamos nos ajoelhar diante do nosso Criador.
  • ComunhãoSl 103.1-

    Ó SENHOR Deus, que todo o meu ser te louve! Que eu louve o Santo Deus com todas as minhas forças!
  • Gratidão2Co 9.12 "...façam muitas orações de gratidão a Deus."
  • Petição Pessoal
    2Co 12.8 "... três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim"
  • Intercessão pelos outrosRm 10.1 Meus irmãos, desejo de todo o coração que o meu próprio povo seja salvo. E peço a Deus em favor deles.
(Bíblia de Estudo BLH)
I. A BÍBLIA NOS ENCORAJA A ORAR.
  • Pv 15.29 - O SENHOR está longe dos maus, porém ouve a oração de quem é correto.
  • Mt 21.22 - e tudo quanto pedirdes em oração, crendo, recebereis.
  • Rm 12.12 - Que a esperança que vocês têm os mantenha alegres... e orem sempre.
  • Cl 4.2 - Continuem firmes na oração, sempre alertas ao orarem e dando graças a Deus.
  • Sl 65.2 - Ó tu que escutas a oração, a ti virão todos os homens
POR ISSO:
II. NÃO TENHA MEDO OU VERGONHA DE PEDIR A DEUS O QUE VOCÊ PRECISA
Fp 4.6 - Não se preocupem com nada, mas em todas as orações peçam a Deus o que vocês precisam e orem sempre com o coração agradecido.
  • Ore como que "ofertando" - Sl 141.2 Recebe a minha oração como se fosse incenso, e que as minhas mãos levantadas sejam como a oferta da tarde!
  • Ore Insistentemente

    Mt 7.7,8 Peçam e vocês receberão; procurem e vocês acharão; batam, e a porta será aberta para vocês...
  • Ore em Nome de Jesus – Jo 16.24 Até agora vocês não pediram nada em meu nome; peçam e receberão para que a alegria de vocês seja completa.
  • Ore a quem pode te atender - Mt 6.6 Mas você, quando orar, vá para o seu quarto, feche a porta e ore ao seu Pai, que não pode ser visto. E o seu Pai, que vê o que você faz em segredo, lhe dará a recompensa.
  • Ore com em qualquer hora
    Sl 88.1,2 Ó SENHOR, meu Deus e Salvador, dia e noite, na tua presença, eu clamo a ti. Ouve a minha oração; escuta o meu grito pedindo socorro.
  • Ore por qualquer razão - 1Ts 5.17 – "orem sempre"
  • Ore até que a resposta chegueLc 18.7
    Será, então, que Deus não vai fazer justiça a favor do seu próprio povo, que grita por socorro dia e noite? Será que ele vai demorar para ajudá-lo?
II. NÃO TENHA "MEDIDA" NA SUA ORAÇÃO, DEUS QUER TE OUVIR, ENTÃO FALE SEM SE PREOCUPAR SE ESTÁ SENDO REPETITIVO.
1. ORE COMO CRISTO, DURANTE TODA A SUA VIDA
Hb 5.7 Durante a sua vida aqui na terra, Cristo, em voz alta e com lágrimas, fez orações e súplicas a Deus, que o podia salvar da morte. E as suas orações foram atendidas porque ele era dedicado a Deus.
2. ORE COMO DAVI, SEMPRE QUE PRECISAR DE SOCORRO
Sl 116.1,2 Eu amo a Deus, o SENHOR, porque ele me ouve; ele escuta as minhas orações. Ele me ouve sempre que eu clamo pedindo socorro.
3. ORE COMO JOÃO, COM CORAJEM E CERTEZA
Jo 5.14,15 Quando estamos na presença de Deus, temos coragem por causa do seguinte: se pedimos alguma coisa de acordo com a sua vontade, temos a certeza de que ele nos ouve. Assim sabemos que ele nos ouve quando lhe pedimos alguma coisa. E, como sabemos que isso é verdade, sabemos também que ele nos dá o que lhe pedimos.
4. ORE COMO JUDAS, GUIADO PELO ESPÍRITO SANTO.
Jd 20 Porém vocês, meus amigos, continuem a progredir na sua fé, que é a fé mais sagrada que existe. Orem guiados pelo Espírito Santo.
CONCLUSÃO: Faça da sua oração uma ferramenta poderosa para te colocar lado a lado com o Senhor Jesus - Jo 15.7 Se vocês ficarem unidos comigo, e as minhas palavras continuarem em vocês, vocês receberão tudo o que pedirem


Mensagem pregada em 17/10/2010
Igreja Batista Sião em Werneck – Paraíba do Sul
Ministério Vale das Bençãos

 


























 

sábado, 16 de outubro de 2010

ESTUDO BÍBLICO - HERMENÊUTICA


Hermenêutica,
A arte da Interpretação dos Textos Sagrados
Introdução: Hermenêutica é a ciência tanto bíblica quanto secular que se ocupa dos métodos é técnicas da interpretação. É basicamente o estudo da compreensão dos textos da Bíblia, e, portanto, trata-se de uma das primeiras ciências que o pregador deve conhecer. Hermenêutica Bíblica é a disciplina da teologia exegética que ensina as regras para interpretar as Escrituras, e a maneira de aplicá-la corretamente. Seu objetivo primário é estabelecer regras gerais e específicas de interpretação, a fim de entender o verdadeiro sentido do autor ao redigir as Escrituras. É a ciência da compreensão de textos bíblicos. Exegese é a aplicação dos princípios da hermenêutica para chegar a um entendimento correto do texto.

O termo "Teologia"
tal qual conhecemos na língua portuguesa não se encontra nas Escrituras, procede originalmente de dois substantivos gregos, o genitivo "theos" = Deus e do acusativo "logia" = tratado, fala. A teologia pode ser comparada a um edifício de quatro andares, cada um desses com suas respectivas funções, dependendo uma das outras numa mesma correspondência recíproca, formando todo o mesmo edifício.

I. DIVISÃO DA TEOLOGIA.
1. TEOLOGIA EXEGÉTICA – Enfatiza o emprego dos métodos hermenêuticos a fim de poder auscultar (sondar, inquirir) corretamente a mensagem dos textos sagrados. Preocupa-se com o sentido primário e literal do texto. Inclui os seguintes estudos:
  • Hebraico – Língua original de quase todos os textos do AT.
  • Aramaico – Algumas porções do AT foram redigidas originalmente nesta língua, geralmente são mensagens de gentios aos judeus ou dos gentios aos gentios, porém jamais de judeus para judeus.
  • Grego – Língua original do NT com exceção do original do Evangelho de Mateus, escrito em aramaico, traduzido para o grego coiné, ou comum.
  • Isagogue Bíblica/ Introdução Bíblica – É a designação técnica para descrever os estudos que fornecem informações gerais e preliminares sobre assuntos cujo conhecimento seja necessário a uma melhor compreensão das Escrituras.
2. TEOLOGIA HISTÓRICA – Trata do desenvolvimento histórico da doutrina e se preocupa com as variações sectárias e afastamento herético da verdade bíblica que apareceram durante a era cristã. Contém duas divisões principais: O Estudo do desenvolvimento progressivo das doutrinas da Bíblia e o Exame do desenvolvimento histórico das doutrinas da igreja desde a a era apostólica. A Teologia Histórica abrange:
  • História da Igreja.
  • História das Missões.
  • História dos Credos e Confissões.
  • História das Doutrinas.
3. TEOLOGIA BÍBLICA – O objetivo da Teologia bíblica é traçar o progresso da verdade nos diversos livros da Bíblia, e descreve a forma de cada escritor apresentar as doutrinas fundamentais. As duas principais divisões da Teologia Bíblica são:
  • Teologia do AT – Ciência que trata da Natureza de Deus e da sua relação com o universo.
  • Teologia do NT – É o ramo da teologia que segue determinados temas através de todos os autores do NT
4. TEOLOGIA SISTEMÁTICA – É a ciência teológica que se encarrega do material das disciplinas anteriores com fim de arranjá-los de forma metódica e lógica, para facilitar a compreensão e promover as aplicação prática do mesmo. As disciplinas comuns da Teologia Sistemática são:
  • Bibliologia, a Doutrina das Escrituras.
  • Teologia, a Doutrina de Deus.
  • Angelologia, a Doutrinas dos anjos e demônios.
  • Antropologia, a Doutrina dos homens.
  • Cristologia, a Doutrina de Cristo.
  • Soteriologia, a Doutrina da Salvação.
  • Hamartiologia, a Doutrina do Pecado.
  • Pneumatologia, a Doutrina do Espírito Santo.
  • Eclesiologia,a Doutrina da Igreja.
  • Escatologia, a Doutrina das Ultimas Coisas.
II. DEFINIÇÃO DE HERMENÊUTICA.
A Hermenêutica como ciência é:
  • Objetiva, pois está fundada em fatos concretos, isto é, na verdade bíblica. 
  • Racional, pois é constituída de conceitos e raciocínios, e não por "sensações" e "imagens".
  • Analítica, pois em virtude da abordar um fato, processo ou situação de interpretação, ela decompõem o todo em partes componentes relacionadas entre si.
  • Explicativa, em virtude de ter como finalidade explicar os fatos em termos de leis, e as leis em termos de princípios.

A hermenêutica é tanto descritiva quanto prescrita. Como descritiva, ela explica o que é o texto, seu significado. Enquanto prescritiva, ela determina qual deve ser o nosso comportamento mediante a interpretação fornecida através de métodos e regras.
  • Método. Por método entendemos ser todo processo racional usado para chegar a determinada conclusão válida.
  • Regras. Em hermenêutica, refere-se as regras ou técnicas usadas para chegar ao conhecimento do significado original do texto.
Deste modo a Hermenêutica propõe-se a postular métodos válidos de interpretação visando auxiliar o obreiro e qualquer estudante da Bíblia a usar de métodos de interpretação confiáveis, além de estabelecer princípios fundamentais da exegese bíblica, com base para o estudo do texto na sua diversidade cultural e histórica.

III. HERMENÊUTICA, EXEGESE E EISEGESE
A Hermenêutica precede a EXEGESE. Esta por sua vez, vale-se dos princípios, regras e métodos hermenêuticos em suas conclusões e investigações. A "EXEGESE" é a aplicação dos princípios hermenêuticos para chegar a um entendimento correto sobre o texto. É o estudo do sentido literal do texto, referindo-se a idéia de que o intérprete está derivando o seu entendimento do texto, em vez de incutir no texto o seu entendimento. Enquanto a hermenêutica é a teoria da interpretação, a exegese é a prática. Porém deve-se notar uma diferença grande entre "EXEGESE" E "EISEGESE". A primeira consiste em extrair o significado de um texto qualquer, mediante legítimos métodos de interpretação. A segunda, consiste em "injetar" no texto alguma coisa que o intérprete quer que esteja ali, mas que na verdade não faz parte do mesmo. Eisegese é na verdade a manipulação do texto para fá-lo dizer o que na verdade ele não está dizendo. Assim podemos dizer que a Hermenêutica e a Exegese têm por função:
a) Traduzir o texto original tornando-o compreensível em língua nacional, isto é da região em que se está estudando a mesma, sem sangrar o sentido primário.
b) Compreender o sentido do texto dentro de seu ambiente histórico-cultural e das construções gramaticais.
c) Explicar o verdadeiro sentido do texto em todas as dimensões possíveis (autor, audiência, condições sociais, condições religiosas, etc...)
d) Tornar a mensagem das Escrituras inteligível ao homem moderno.
e) Conduzir-nos a Cristo.
Por outro lado, o intérprete pratica a "Eisegese" quando:
f) Força o texto dizer o que não diz – O intérprete está consciente de que a interpretação por ele asseverada não está condizente com o texto, ou então, está inconsciente quanto ao objetivo do autor ou propósito da obra, entretanto, voluntária ou involuntariamente, manipula o texto afim de que sua capacidade de falar seja aceita como princípio escriturístico.
g) Ignora o contexto, sob pretexto ideológico – Ignorar o contexto é rejeitar deliberadamente o processo histórico que deu margem ao texto. Neste caso o intérprete não examina com a devida atenção os parágrafos pré e pós texto, e não vincula um versículo ou passagem a um contexto remoto ou imediato, isto quase sempre para se conformarem com a sua ideologia.
h) Ignora a mensagem e o propósito principal de um livro – Um livro pode mais facilmente ser entendido quando se sabe o propósito do autor e qual a mensagem que ele procurou afirmar para os seus contemporâneos. Ignorar estes propósitos leva a dispersão na aplicação do texto.
i) Quando não esclarece um texto a luz de outros – Os textos obscuros devem ser entendidos a luz de outros e segundo o propósito e a mensagem do livro. Recorrer a outro texto é reconhecer a unidade das Escrituras na correlação de idéias.
J) Quando põem
a "revelação" acima da mensagem revelada – Não é difícil encontrarmos pessoas "sangrando" o texto sob pretexto de que "recebeu" de Deus uma revelação, colocando a pseudo-revelação acima da mensagem revelada.
l) Quando está comprometido com um sistema ou ideologia – É um grande problema para o intérprete encontrar na Bíblia doutrinas que afetam diretamente o sistema e as tradições de sua denominação.
A tarefa da hermenêutica e da exegese não é nada fácil. Propor-se a interpretar as Escrituras, significa deparar-se com bloqueios a uma compreensão espontânea do significado primitivo da mensagem. O intérprete terá de lidar com uma língua e cultura distinta da sua. Entre estes bloqueios possíveis, destacamos:
I. DIFICULDADES INTERNAS.
  • HISTÓRICOS-CULTURAIS. As Escrituras foram escritas não para a nossa realidade e cultura, mas para outra cultura eqüidistante da nossa há mais de três milênios.
  • LINGUÍSTICAS. A Bíblia foi originalmente escrita em pelo menos três idiomas: o hebraico, o aramaico e o grego. Além de possuir diversos vocábulos derivados de outros idiomas semitas.
  • TEXTUAIS. Nenhuns dos escritos originais chegaram até nós. O que temos são cópias manuscritas. Apesar da meticulosidade dos escribas, o Texto Sagrado sofreu algumas alterações ao ser repetidamente copiado, porém não invalidando o conjunto. Neste caso lançamos mão da "Critica Textual" que tem por finalidade reconstruir com toda perfeição o texto bíblico, expurgando-o de qualquer alteração produzida por erro do escriba.
II. DIFICULDADES EXTERNAS.
  • AÇÃO MALÍGNA NO MUNDO. 2Co 4.4. É notória uma atividade maligna com o intuito de impedir que o Evangelho floresça na mente e no coração dos incrédulos. 2Tm 4.1; Cl 2.8,22; Ef 4.14
  • DEPRAVAÇÃO MENTAL DO HOMEM APÓS SUA QUEDA. Através, e por causa do pecado, os homens adquiriram uma mente depravada em relação a Deus, a moral e a si mesmo. Rm 1.28; Tt 1.15
III. ATITUDES E QUALIDADE DO INTÉRPRETE.
  1. MATURIDADE ESPIRITUAL. O estudioso das Escrituras deve possuir qualidades espirituais, principalmente o temos e a reverencia ao Espírito Santo. 1Co 2.14
  2. COMUNHÃO COM O ESPÍRITO SANTO. Além do temos, o intérprete deve ser uma pessoa cheia do Espírito Santo, sendo guiado por Ele. 1Co 2.10.
  3. VIDA DE ORAÇÃO. Todo trabalho de interpretação das Escrituras deve ser acompanhado de oração.
  4. INIMIZADE PARA COM A OCIOSIDADE BÍBLICA. Os cristãos hebreus são chamados pelo autor da epístola de "indolentes" (Hb 5.11; 6.12). por serem preguiçosos deixaram de receber profundas instruções espirituais, pois devido ao tempo de fé, cerca de trinta anos, nunca se preocuparam com o estudo sério da Palavra.
  5. MENTE SÃ E EQUILIBRADA. O hermeneuta deve evitar o raciocínio defeituoso, a extravagância na imaginação, a perversão do raciocínio e as idéias vagas, devendo ser capaz de perceber rapidamente o que uma passagem ensina e não ensina, assim como observar sua verdadeira tendência.
  6. OBSERVADOR DAS LÍNGUAS ORIGINAIS. Reconhecer o valor das línguas sagradas propiciará riquezas a interpretação, pois se sabe que uma consistente extração da verdade depende, até certo ponto, do conhecimento dessas línguas bíblicas, sua gramática e idiotismo.
  7. POSSUIR CULTURA GERAL. Não possuir somente conhecimento da gramática e do vernáculo de sua língua, mas também da história dos povos bíblicos, da geografia, arqueologia, etc.
IV. FERRAMENTAS NECESSÁRIAS A INTERPRETAÇÃO BÍBLICA.
1. CHAVE E CONCORDÂNCIA BÍBLICA. Concordância é uma compilação em ordem alfabética, de termos ou conceitos bíblicos, que remete as passagens da Bíblia onde ocorre o respectivo termo ou conceito. Existem dois tipos de concordâncias:
  1. VERBAIS – Relacionam palavras. São chamadas também de "CHAVE BÍBLICA"
  2. REAIS – Estas, ao contrário de somente palavras, arrolam também idéias, é em sentido estrito, lista de idéias ou assuntos que remetem aos textos bíblicos.
2. DICIONÁRIO E ENCICLOPÉDIAS. Os dicionários bíblicos não se propõem como as concordâncias, a reproduzir os textos, e sim oferecer a cada assunto uma exposição mais ampla. Dicionário é um conjunto de vocábulos e termos de uma língua disposta em ordem alfabética com seus significados. As enciclopédias bíblicas, entretanto, não se prestam a verificar significados dos termos, ainda que muitos se ache nela, mas abranger todos os ramos do conhecimento bíblico teológico.

3. VERSÕES DA BÍBLIA. São diversas as traduções da Bíblia em circulação no Brasil – Todas com base na tradução de João Ferreira de Almeida, traduzida para o Brasil no século XVII pela SBBE. Nesta ocasião a tradução de Almeida foi entregue a uma comissão de tradutores brasileiros, a fim de tirar os lusitanismos do texto e dar características lingüísticas mais brasileiras.


V. TERMINOLOGIAS

  1. TRADUÇÃO. Ato de transpor uma composição literária de uma língua para outra.
  2. TRANSLITERAÇÃO. Ato de reduzir um sistema de escrita a outro, letra por letra.
  3. VERSÃO. É a tradução de uma língua original para outra língua.
  4. REVISÃO/ VERSÃO REVISADA. Ato ou efeito de rever através de um novo exame do texto, com vista a corrigir erros ou introduzir emendas ou substituições.
  5. RECENSÕES. Ato de comparar o texto de edições anteriores com os manuscritos.
  6. PARÁFRASE. É uma tradução livre, solta, de um texto, procurando expressar a idéias ou mensagem do texto e não palavras.
  7. EDIÇÃO. É um empreendimento editorial com vista a publicação, podendo ser:
  • ATUALIZADA. Quando o texto sofreu acréscimo ou modificação em relação a edição anterior
  • ANOTADA. quando o texto se faz acompanhar de notas destinadas a esclarecer, completar ou atualizá-lo
  • CRÍTICA. (exegética) – Quando se procura estabelecer o texto original de uma obra, mediante colação com manuscrito, correção de erros tipográficos, modernização na maneira de compor, e tanto quanto possível, de particularidades ortográficas e gramaticais acrescentando variantes de passagens, notas e comentários que constituem o aparato crítico.
  • ABREVIADA. Quando o texto foi parcialmente suprido ou resumido em trechos ou passagens supostamente não essenciais a sua compreensão.
  • BIBLIÓFILO. Quando se destina a colecionador de tiragens reduzidas e exemplares enumerados
  • FAC-SIMILAR. Quando reproduz outra por processo foto mecânico.
  • CORRENTE. É uma edição comum, de baixo custo, feita para o grande público e que contém o texto puro e simples da obra.
  • DE LUXO. Quando editada em papel de alto preço, em formato quase sempre grande e com margens amplas.
  • COMEMORATIVA. Quando procura celebrar um acontecimento.
  • DE AFINIDADE. Quando procura personalizar certas edições para grupos especiais.
As grandes doutrinas e princípios do cristianismo estão expostos com clareza nas Escrituras, por isso, só se evocam as regras de interpretação para conseguir verdadeiro significado dos pontos obscuros e de difícil compreensão. Para se conhecer o sentido inato da Bíblia, ela mesma deve ser a própria intérprete.

I. REGRAS DE INTERPRETAÇÃO.
1. É PRECISO, O QUANTO SEJA POSSÍVEL, TOMAR AS PALAVRAS EM SEU SENTIDO COMUM. Nem sempre este sentido comum será o literal, por isso, para esta regra perguntamos: Qual o significado desta palavra? Os verdadeiros sentidos dos textos são, muitas vezes conseguidos pelo significado de suas palavras. Os significados das palavras na Bíblia estão determinados pela peculiaridade e uso da linguagem bíblica, devendo, portanto buscar o conhecimento do sentido em que se usam as palavras antes de tudo na própria Bíblia. Se não tem mais de um significado, estamos de imediato esclarecidos: possuímos já o verdadeiro sentido. Porém, caso contrário, tem outra pergunta!

2. É DE TODO NECESSÁRIO TOMAR AS PALAVRAS NO SENTIDO QUE INDICA O CONJUNTO DA FRASE. Esta segunda regra responde a pergunta: Que sentido requer o restante da frase? Na linguagem bíblica, como em qualquer outra, existem palavras que variam muito em seu significado, segundo o sentido da frase ou argumento em que ocorrem. Importa, pois averiguar e determinar sempre qual seja o pensamento especial que o escritor se propõe a expressar, e assim, tomando por guia este pensamento, pode-se determinar o sentido positivo da palavra que apresenta dificuldade.

3. É NECESSÁRIO TOMAR AS PALAVRAS NO SENTIDO INDICADO NO CONTEXTO, A SABER, OS VERSÍCULOS QUE PRECEDEM E SEGUEM O TEXTO QUE SE ESTUDA. Nem sempre o conjunto de uma frase é suficiente para determinar qual o verdadeiro significado de certas palavras. Nestes casos, para uma correta interpretação precisamos ainda da resposta de uma terceira pergunta: Qual o sentido que requer o contexto? No contexto, isto é, nas passagens mais acima ou, mais abaixo, podemos encontrar expressões, versículos ou exemplos que nos esclarecem e definem o significado da palavra obscura.

4. É PRECISO TOMAR EM CONSIDERAÇÃO O OBJETIVO OU DESÍGNIO DO LIVRO OU PASSAGEM QUE OCORREM AS PALAVRAS OU EXPRESSÕES OBSCURAS. Se mesmo assim couberem mais um sentido, vamos ampliar ainda mais nossa averiguação perguntando: Qual o sentido que requer o desígnio ou objetivo geral da passagem ou livro em que se encontra? O objetivo ou desígnio de um livro ou passagem se adquire, sobre tudo, lendo-o e estudando com atenção e repetida vezes, tendo em conta em que ocasião e a que pessoas originalmente foram escritos.

5. É NECESSÁRIO CONSULTAR PALAVRAS PARALELAS (Existem Paralelo de palavras ou de idéias e de ensino gerais). Como passagens paralelas entendemos aqui as que fazem referência um a outra. Fazemos uso destes paralelos, quando o conjunto de frase ou contexto não basta para explicar as palavras duvidosas. Não sendo possível determinar pela palavra, deve-se procurar ensinos, narrativas e fatos contidos em textos ou passagens, chamam-se "paralelo de idéias". Se ainda assim, não houver correta interpretação usando estes paralelos, será preciso recorrer ao teor geral, ou seja, aos ensinos gerais das Escrituras. Se porventura com as respostas a todas estas averiguações for possível ainda, encontrar mais de um significado em alguma palavra ou passagem, pode considerar-se verdadeiro ambos os significados ou ambas as interpretações, devendo-se, por certo, conferir a que mais condições reunam para ser aceita como verdadeira.

II. FIGURAS DE RETÓRICA.
Vimos até aqui, que para correta compreensão das Escrituras se faz necessário, na medida do possível, tomar as palavras em seu sentido usual e comum, o que, devido a linguagem não significa que sempre devem ser tomadas ao pé da letra. Descobrimos também ser necessário familiarizarmos com a linguagem para chegarmos a compreender, sem dificuldades, qual seja o seu sentido usual e comum destas palavras. Para tanto, se faz necessário ao estudante das Escrituras explorarem uma série de figuras e hebraísmo, com seus correspondentes exemplos que precisam ser estudados detidamente e repetida vezes.

1. METÁFORA. Tem por base alguma semelhança entre dois objetos ou fatos, caracterizando-se um com o que é próprio do outro (Jo 15.1).
2. SINÉDOQUE. Faz uso desta figura quando se toma a parte pelo todo ou o todo pela parte, o plural pelo singular, o gênero pela espécie, ou vice-versa (Sl 16.9; 1Co 11.26; At 24.5).
3. METONÍMIA. Emprega-se esta figura quando se emprega a causa pelo efeito, ou o sinal ou símbolo pela realidade que indica o símbolo (Lc 16.29; Jo 13.8).
4. PROSOPOPÉIA. Usa se esta figura quando se personificam as cousas inanimadas, atribuindo-lhes feitos e ações das pessoas (1Co 15.55; Is 55.12; Sl 85.10,11).
5. IRONIA. Faz-se uso desta figura quando se expressa o contrário do que se quer dizer, porém sempre de tal modo que se faz ressaltar o sentido verdadeiro (2Co 11.5; 12.11; 1Rs 18.27; Jó 12.2).
6. HIPÉRBOLE. É a figura pela qual se representa uma cousa maior ou menor do que a realidade e, para apresentá-la viva a imaginação (Nm 13.33; Dt 1.28).
7. ALEGORIA. É uma figura retórica que geralmente consta de várias metáforas unidas, representando cada uma delas realidades correspondentes. Costuma ser tão palpável a natureza figurativa da alegoria que uma interpretação ao pé da letra quase se faz possível.
8. FÁBULA. É uma figura de retórica pouco usada nas Escrituras, na qual um fato ou alguma circunstância se expõe em forma de narração mediante a personificação de cousas ou de animais (2Rs 14.9).
9. ENÍGMA. Também é um tipo de alegoria, porém de solução difícil e abstrusa, isto é confuso, difícil de compreender (Jz 3.14; Pv 30.24).
10. TIPO. É uma classe de metáfora que não consiste meramente em palavras, mas em fatos, pessoas ou objetos que designam fatos semelhantes, pessoas ou objetos no porvir. Estas figuras são numerosas e chamam-se nas Escrituras "Sombras dos bens vindouros", e se encontram, portanto no AT (Jo 3.14; Mt 12.40; Rm 5.14; 1Co 5.7).
11. SÍMBOLO. É uma espécie de tipo pelo qual se representa alguma cousa ou algum fato por meio de outra cousa ou fato familiar que se considera a propósito para servir de semelhança ou representação (Ap 5.5; 6.2; Mt 10.16).
12. PARÁBOLA. É uma espécie de alegoria apresentada sob forma de narração, relatando fatos naturais ou acontecimentos possíveis. Sempre com o objetivo de declarar ou ilustrar uma ou várias verdades importantes (Lc 18.1-7; Mt 13.3-8).
13. SÍMILE. Procede da palavra latina "similis" que significa semelhante ou parecido a outro. Consiste em denominar uma cousa empregando o nome de outra, na esperança de que o leitor ou ouvinte reconhecerá a semelhança entre o sentido real e o figurado da comparação.
14. INTERROGAÇÃO. A palavra procede de um vocábulo latino que significa "pergunta". Mas nem todas as perguntas são figuras de retórica. Somente quando a pergunta encerra uma conclusão evidente é que é uma figura de literária – figura pela qual o orador se dirige a seu interlocutor, ou adversário, ou ao público, em tom de pergunta, sabendo de antemão que ninguém vai responder (Enciclopédia Brasileira Mérito) Gn 18.25; Rm 8.33-35.
15. APÓSTROFE. Semelhante a prosopopéia, o vocábulo indica que o orador se volve dso seus ouvintes imediatos para dirigir-se a uma pessoa ou coisa ausente ou imaginária. Quando as palavras são dirigidas a um objeto impessoal, a personificação e a apostrofe se combinam (Sl 114.5-8; Jr 47.6).
16. ANTITESE. É a inclusão na mesma frase, de duas palavras, ou dois pensamentos, que fazem contrastes um com o outro. (Dt 30.15; Mt 7.13,14).
17. CLIMAX OU GRADAÇÃO. Concatenação dos elementos de um período de modo a fazer com que cada um comece com a última palavra do anterior; amplificação, apresentação de uma série de idéias em progressão ascendentes ou descendentes (Hb 11. Rm 8).
18. PROVÉRBIO. Trata-se de um dito comum ou adágio. Os provérbios do AT estão redigidos em sua maior parte em forma poética, consistente em dois paralelismo, que geralmente são sinônimos, antitéticos ou sintéticos.
19. PARADOXO. Uma proposição ou declaração oposta a opinião comum. Uma afirmação contrária a todas as aparências e a primeira vista, absurda, impossível ou em contraposição ao sentido comum, porém que, se estudada detidamente ou meditando nela, torna-se correta e bem fundamentada (Mt 16.12; 8.22).
20. HEBRAÍSMO. Certas maneiras e expressões peculiares do idioma hebreu que ocorrem em nossas traduções da Bíblia, que originalmente foi escrita em hebraico e em grego (Lc 10.6; Ef 2.2; 5.6,8).
Exemplos de hebraísmo e suas peculiaridades:
  • De posse e poder – Sl 108.9
  • De felicidade e suficiência – Sl 63.5
  • De contraste ou antítese – Pv 15.20
  • DE poder e força – Sl 104.24
 
Bibliografia:
Hermenêutica Fácil e Descomplicada – Costa Bento, Esdras – CPAD
Hermenêutica. E Lund/P.C. Nelson – Editora Vida

domingo, 3 de outubro de 2010

UMA FAMÍLIA QUE FAZ DIFERENÇA




VIVENDO NUMA FAMÍLIA
QUE FAZ A DIFERENÇA
Texto: 1Cr 4.9,10 - Houve um homem chamado Jabes, que foi a pessoa mais respeitada da sua família. A sua mãe pôs nele o nome de Jabes porque ela havia sofrido muito durante o parto. Mas Jabes orou assim ao Deus de Israel: Ó Deus, abençoa-me e dá-me muitas terras. Fica comigo e livra-me de qualquer coisa que possa me causar dor.E Deus atendeu a sua oração.
Introdução: Jabez: que causou dor
  • Ml 3.18 - Então...vereis a diferença entre ...entre o que serve a Deus, e o que não o serve.
  • 2Co 4.8,9 - Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desanimados. Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos;
I. MUITAS VEZES FICAMOS AFLITOS, MAS NÃO DERROTADOS
(ATRUIBULADO/ ANGUSTIADO)
É muito natural que em algum momento da vida apareçam as aflições. Quando nos casamos prometemos fidelidade "até que a morte nos separe", portanto, não é de se esperar que a vida a dois seja sempre um "mar de rosas" No entanto muitos casais não suportam os primeiros embates e logo buscam como solução para seus problemas a separação. O dia mau sempre chega, mas será exatamente aí que precisaremos nos mostrar diferentes dos demais que não tem Deus. O casal crente em Jesus não poder ser comparado a uma tropa vencida em fuga ou desordem.
  • Aflito: Que revela grande apreensão ou perturbação
  • Derrota: Fuga ou desordem de tropas vencidas
1. TEMPOS DIFÍCEIS - Sl 27.5
2. DIAS DA AFLIÇÃO - JÓ 30.16,27
  • Desemprego - Sl 70. 5; 86.1 "aflito e necessitado"
  • Dívidas - Jó 36.15 "opressão"
  • Enfermidades. Sl 88.15 "preste tenho estado a morrer"
  • Filhos rebeldes. Sl 25.16 "solitário e aflito"
3. ATITUDES A SEREM TOMADAS.
  1. Oração - Tg 5.13
  2. Apego a Palavra - Sl 119.50
  3. Confiança em Deus - Sl 119.92; 143
  • Hc 3.17,18 - Porque ainda que...
  • Na 1.7 - O SENHOR é bom, ele serve de fortaleza no dia da angústia...
II. MUITAS VEZES FICAMOS EM DÚVIDA, MAS NUNCA FICAMOS DESESPERADOS.
(PERPLEXO/ DESESPERADO)
Nas horas difíceis da provação somos de certa forma "treinados" a confiar no Senhor. Aprendemos a vida inteira que o Senhor nos socorrerá na hora da aflição. Mas aí, o dia mal chega, e no dia mal, esquecemos de tudo aquilo que aprendemos a respeito da fé. Nesta hora bate aquela dúvida, certa hesitação e um medo do futuro
  • Dúvida: Incerteza, hesitação, suspeita
  • Perplexidade: espanto, pasmo
  • Desespero: Falta ou perda da esperança "deixar de esperar"
Ec 2.20 - Então eu me volvi e entreguei o meu coração ao desespero...
1. Duvidar:
a) Não se Ele pode, mas se Ele quer
  • Mt 8.2 - ...um leproso, e o adorou, dizendo: Senhor, se quiseres, podes tornar-me limpo.
b) Não do poder de Deus, mas da nossa força
Lm 3.18 -... Já pereceu a minha força, como também a minha esperança no SENHOR.

O QUE FAZER DIANTE DESTAS CIRCUNSTÂNCIAS ADVERSAS:
  1. Orar - Rm 12.12 -... sede pacientes na tribulação, perseverai na oração;
  2. Esperar - Lm 3.26 - Bom é ter esperança, e aguardar em silêncio a salvação do SENHOR. 
  3. Confiar - Jó 14.7 - Porque há esperança para a árvore que, se for cortada, ainda se renovará, e não cessarão os seus renovos
  • Fp 1.20 -... com toda a confiança, Cristo...
  • Rm 5.2 - Pelo qual também temos entrada pela fé a esta graça, na qual estamos firmes...
III. TEMOS MUITOS INIMIGOS, MAS NUNCA NOS FALTAM AMIGOS
PERSEGUIDO/ DESAMPARADO
Sempre estamos rodeados de amigos, isto nos induz uma confiança de que se em algum momento precisarmos, por certo eles estarão por ali. Mas e se eles não estiverem quando precisarmos? Como podemos saber quem são verdadeiramente os amigos?
Inimigo: Quem lhe deseja o mal
  • Rm 8.35 - Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição...
  • Jó 6.14 - Ao que está aflito devia o amigo mostrar compaixão...
  1. Zombadores - Jó 16.20 - Os meus amigos são os que zombam de mim...
  2. Insensíveis - Sl 38.11 - Os meus amigos... estão ao longe da minha chaga...
  3. Traidores - Sl 41.9 - Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava...
POREM TAMBÉM NESTAS HORAS APARECE:
  • O irmão - Pv 17.17 - Em todo o tempo ama o amigo e para a hora da angústia nasce o irmão.
  • O amigo - Pv 27.10 ...melhor é o vizinho perto do que o irmão longe./ Jó 42.10 - E o SENHOR virou o cativeiro de Jó, quando orava pelos seus amigos...
IV. AS VEZES SOMOS GRAVEMENE FERIDOS, MAS NÃO SOMOS DESTRUÍDOS
ABATIDO/ DESTRUÍDO
Diante de todas de tantas situações adversas, é natural que em algum momento da nossa caminhada sejamos feridos a ponto de não conseguirmos forças para prosseguir. A sensação de que chegamos ao final de nossa caminhada é um sentimento normal, e a conseqüência disto será o desânimo e a vontade de parar. Esta situação chega a causar em nós:
  • Abatimento/ perda do apetite - Sl 102.4 - O meu coração está ferido e seco como a erva, por isso me esqueço de comer o meu pão.
  • Tristeza/ baixo alta-estima - Sl 109.22 - Pois estou aflito e necessitado, e o meu coração está ferido dentro de mim. 
CONCLUSÃO:

Nesta hora precisamos aprender com o irmão Jó, que no momento de maior dificuldade recebe uma palavra desencorajadora de sua mulher, Mas responde de uma forma encorajadora!
Jó 2.9 - Então sua mulher lhe disse: Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus, e morre.
Jó 19.25 - Porque eu sei que o meu Redentor vive, e que por fim se levantará sobre a terra.

NÃO DEIXE MINAR A SUA CASA

Texto: Mateus 24.43 - Mas considerai isto: se o pai de família soubesse a que vigília da noite havia de vir o ladrão, vigiaria e não deixaria minar a sua casa. 

Introdução: Minar: abrir mina, escavar, cavar aos poucos, consumir
O LADRÃO:
  • Não entra pela porta - Jo 10.1
  • Não avisa quando virá - 1Ts 5.4
  • Possui objetivos escusos - Jo 10.10
2Co 13.11 - Quanto ao mais, irmãos, regozijai-vos, sede perfeitos, sede consolados, sede de um mesmo parecer, vivei em paz; e o Deus de amor e de paz será convosco. 

AS TRÊS COISAS QUE IMPEDIRÃO O LADRÃO MINAR A NOSSA CASA.
  • A HARMONIA
  • A INTERDEPENDÊNCIA
  • A INDISSOLUBILIDADE
I. HARMONIA. Rm 12.18 - "No que depender de vocês, façam todo o possível para viver em paz com todas as pessoas".
HARMONIA: Paz coletiva entre as pessoas
O casamento foi instituído por Deus com o fim de "unir" um homem com uma mulher. Cumprindo assim o papel de produzir ao casal momentos felizes juntos. Eles passam a viver um para o outro e se completam nessa união. Nas palavras de Paulo, no que depender do marido ou da mulher, ambos devem fazer o possível para viver em paz. Esta é a idéia para o casamento.
Com esta idéia fixa a respeito do casamento podemos dizer que "harmonia" pode ser entendida como:
1. ALEGRIA DE VIVER EM FAMÍLIA
"Regozijai-vos..."
Tt 2. 4,5 -  Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos, A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada. 
  • Em qualquer situação - Fp 4.1-13



Quando temos "alegria de viver em família" conseguimos sobrepor toda e qualquer situação adversa que se apresentar. Desemprego, enfermidades, conflitos, tudo isso são apenas uma grande oportunidade de adquirirmos maior experiência para a repartir com nosso filhos e netos no futuro. Fp 4:19  E o meu Deus, segundo a sua riqueza em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades.
  • Como "casais"  - Ef 5.22,23
Como marido e mulher aprendemos a viver um para o outro e descobrimos não termos mas direito sobre nós mesmos ou sobre o nosso corpo, por isso a alegria se completa quando estamos juntos. Ec 9:9  - Goza a vida com a mulher que amas, todos os dias de tua vida fugaz, os quais Deus te deu debaixo do sol; porque esta é a tua porção nesta vida pelo trabalho com que te afadigaste debaixo do sol.
  • No lar - Pv 24.24; 21.9
Nossa casa é o melhor lugar para se viver. Não importa se é rica ou pobre, se temos muitos bens ou se temos apenas o essencial. O que importa mesmo é a alegria de chegar em casa e encontrar uma família linda nos esperando depois de um dia cansativo de trabalho.

2. MANUTENÇÃO DE UM CARÁTER PERFEITO. Cl 3.19
"Sede perfeitos"  (Correto em tudo)





Tt 1.6 -  Aquele que for irrepreensível, marido de uma mulher, que tenha filhos fiéis, que não possam ser acusados de dissolução nem são desobedientes. 
  • Respeito - Pv 31.11
Quando temos prazer de viver em família, aprendemos a respeitar aquela pessoa que Deus colocou para estar junto conosco. Respeitar suas vontades, preferências, etc. Com isto demonstramos a manutenção de um caráter perfeito, procurando ser correto nas nossas atitudes e nosso relacionamento.
  • Fidelidade - 1Co 7.2
Fidelidade é uma qualidade, e como qualidade precisa ser vivida intensamente no casamento. Vale aqui as palavras registradas em Marcos 10:8  E serão os dois uma só carne e, assim, já não serão dois, mas uma só carne. Uma só carne, significa dizer que ao unir-se, o casal deixa de ser dois para ser um, quando acontece infidelidade conjugal, quebra-se esta lei de Deus para o casamento.
  • Reconhecimento - Pv 31.28
Reconhecer significa identificar algo que já se havia conhecido anteriormente. Para o casamento precisa haver conhecimento, e esta fase chamamos de namoro. No namoro os dois passam a se conhecer e conhecer também suas diferenças.É nesta fase que o casal decide se podem ficar juntos ou não. (dizem que para se conhecer uma pessoa, precisamos comer pelo menos 1Kg de sal com esta pessoa). depois de casados, no entanto, precisamos demonstrar reconhecimento a pessoa amada. E quando se tem prazer em viver em família, não fica difícil reconhecer os pontos positivos de quem se ama, como também não fica difícil contornar o que chamamos de "pontos negativos" Afinal, os "dois" entenderam que agora são "um"

II. INTERDEPENDÊNCIA
(Dependência recíproca)
Dependência fala de sujeição, subordinação e acima de tudo de respeito. No casamento é imprescindível que haja uma "interdependência" entre os casais e também com os filhos. Assim, o marido depende da mulher, que depende do marido, e os filhos dependem dos pais, que dependem dos filhos. É um vivendo pelo outro. não existe várias casas, não existe vários salários, não existe vários bens. O que é de um é de todos. O marido confia na esposa, que confia no marido. Os filhos aprendem assim a confiar nos pais, que por sua vez demonstra total e plena confiança em seus filhos. Se aprendermos a viver assim, o resultado será:

1. SENTIMENTO DE SEGURANÇA E CONFORTO
"Sede consolados"
Consolo: Dar sensação agradável/ alívío/ conforto. Imagine um lar onde o esposo não tem prazer de retornar depois de um dia de trabalho. Ou um lar onde a esposa dá "graças a Deus" quando o esposo sai para o trabalho ou qualquer outra tarefa, e ela conseguirá algum tempo longe dele. não foi este o padrão que Deus instituiu no Éden. Pelo contrário o padrão de Deus é que o lar seja um "lugar de delícias", onde juntos, marido, mulher e filhos possam viver em paz e seguros, um lugar onde a família sinta-se feliz em poder estar reunida. Onde o marido e/ou a mulher tenha uma sensação agradável pela companhia um do outro.
  • Honestidade e justiça - Fp 4.8
  • União e amor - Cl 2.2
  • Compreensão e honra - Pv 14.1
II. INDISSOLUBILIDADE
(Qualidade do que não pode ser dissolvido)
O casamento como primeira instituição divina, não pode ser algo que acabe a qualquer momento e por qualquer motivo. Ele precisa manter-se "indissolúvel"  e suportar as dificuldades e intempéries que se apresentarem ao longo de sua existência (até que a morte os separe). O fim do casamento é conhecido como "divórcio" que é a dissolução, ou seja a separação do marido e da mulher conferindo as partes o direito de um novo casamento. (A emenda constitucional número 9 de 28 de julho de 1977 permitiu a inteiração do divórcio no Brasil e a lei 6.515/77 o regulamentou). Em média  hoje em dia os casamentos duram dez anos, sendo que 70% dos casos quém pede o divórcio é a mulher. Segundo dados de 2008, o divórcio no Brasil cresceu 200% em 23 anos, ou um divórcio a cada quatro casamentos Em 2007 foram realizados no Brasil 916.006 casamentos - Terminaram 211.329 - Total de divórcios: 179.342.


"COMO EVITAR O DISSOLVIMENTO DA FAMÍLIA"
1Pe 3.7,8,9 - Igualmente vós, maridos, coabitai com elas com entendimento, dando honra à mulher, como vaso mais fraco; como sendo vós os seus co-herdeiros da graça da vida...E, finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, amando... entranhavelmente misericordiosos e afáveis. Não tornando mal por mal, ou injúria por injúria; antes, pelo contrário, bendizendo...
  • Um mesmo parecer - Rm 14.19 
Não haja entre vós "dissenções" (desunião, divergências de opiniões, interesses ou sentimentos) Pv 27.15; 19.13
  • Um mesmo pensamento - Pv 21.9; Tt 4.5
RESULTADO:
"Vivam em paz" 2Ts 3.16 - Ora, o mesmo SENHOR da paz vos dê sempre paz de toda a maneira. O Senhor seja com todos vós. 




A NOIVA DE CRISTO

Texto Básico: Vi também a cidade santa, a nova Jerusalém, que descia do céu, da parte de Deus, ataviada como noiva adornada para o se...