quarta-feira, 29 de junho de 2016

ENTENDENDO A SOTERIOGIA.

Escola Bíblica Dominical Vale das Bênçãos.
Bacaxá / Saquarema.
Aula: 03/07/2016. 17h00min

Texto Básico: Lc 19:1-10 Tendo Jesus entrado em Jericó, ia atravessando a cidade. Havia ali um homem chamado Zaqueu, o qual era chefe de publicanos e era rico. Este procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, porque era de pequena estatura. E correndo adiante, subiu a um sicômoro a fim de vê-lo, porque havia de passar por ali. Quando Jesus chegou àquele lugar, olhou para cima e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa; porque importa que eu fique hoje em tua casa. Desceu, pois, a toda a pressa, e o recebeu com alegria. Ao verem isso, todos murmuravam, dizendo: Entrou para ser hóspede de um homem pecador. Zaqueu, porém, levantando-se, disse ao Senhor: Eis aqui, Senhor, dou aos pobres metade dos meus bens; e se em alguma coisa tenho defraudado alguém, eu lho restituo quadruplicado. Disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, porquanto também este é filho de Abraão. Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.

Texto Devocional: At 4:12 E em nenhum outro há salvação; porque debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, em que devamos ser salvos.

Introdução. A salvação em Cristo Jesus, é uma das doutrinas bíblicas das mais fáceis em sua compreensão. É bem natural que seja assim visto Deus, em Sua infinita misericórdia desejar alcançar toda humanidade. O problema é que temos o defeito de complicar até mesmo as coisas menos complicadas. Paulo sabia disso, por isso chegou expressar um sentimento de medo desta fuga do simples, e do resultado que isto poderia causar. 2Co 11:3 Mas temo que, assim como a serpente enganou a Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos entendimentos e se apartem da simplicidade e da pureza que há em Cristo.

Deus fez questão de que em Sua Palavra, a salvação fosse um caminho de fácil acesso. Mas nós defizemos a questão e enchemos de perguntas e indagações que na maioria das vezes são perguntas que em seu mérito em nada exerce influência sobre o Plano inicial de Deus. O resultado disto, são as discussões intermináveis que se prolongam por décadas e décadas e acabam não chegando a lugar nenhum. E o pior, tais discussões, tendem mais a afastar o pecador com suas dúvidas do que inflamar seus corações por um desejo do encontro pessoal com o Salvador Jesus Cristo.

I. DUAS VISÕES DE UMA MESMA DOUTRINA. 
Jo 3.16 "Porque Deus amou o mundo tanto, que deu o seu único Filho, para que todo aquele que nele crer não morra, mas tenha a vida eterna." (Jo 3.16).
O verdadeiro caminho é Jesus, a Bíblia não deixa nenhuma outra possibilidade de se chegar a Deus que não seja pelo sacrifício de Cristo na Cruz do Calvário.
"...Eu sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém pode chegar até o Pai a não ser por mim." (Jo 14.6).
Quando, no entanto, resolvemos estudar o tema "salvação"  é muito normal encontrarmos dificuldades de escapar, até porque carecemos de entendimento, de dois termos para os quais os estudiosos costumam direcionar o estudo em foco.
➡ ARMINIANISMO.
➡ CALVINISMO.
Se queremos estudar o tema, talvez valha a pena nos debruçar os um pouco sobre esta que pode ser uma acalorada discussão.

II. ARMINIANISMO. 
O ARMINIANISMO e uma escola de pensamento soterilogico baseado nas idéias do holandês Jacobus Arminius.
➡ Jacó (português Brasil) ou Jacob (português Europa)
➡ Armínio (latim: Jacobus Arminius, nome latinizado de Jakob Hermanszoon;
➡10/10/1560 - 19/10/1609

Armínio foi um Teólogo neerlandês da época da reforma protestante. Trabalhou em 1603 como professor de teologia na Universidade de Leiden, e escreveu muitos livros e tratados sobre teologia; sua visão tornou-se a base do arminianismo e do movimento neerlandês Remonstrante. Armínio influenciado por teólogos como Johann Kolmann que acreditava que o calvinismo tornava Deus um tirano, aplicou-se com dedicação ao estudo soterilogico que culminou em desenvolver uma teologia que posteriormente  competiria com a dominante  teologia reformada de João Calvino.

Armínio foi ordenado pastor em Amsterdã em 1588 e nessa condição, ganhou reputação  como um bom pregador fiél. Em 1590, casou-se com Lisbet Real. Após a sua morte, a sua objeção ao padrão reformado, a Confissão de Fé Belga, provocou uma ampla discussão no Sínodo de Dort, resultando nos cinco pontos do calvinismo na refutação aos ensinamentos de ARMÍNIO que eram também baseados em cinco pontos, a saber:

(a) VONTADE LIVRE. A queda do homem  não foi total. Restou-lhe bem suficiente capaz de habilitá-lo a querer receber Cristo como Salvador.

(b) ELEIÇÃO CONDICIONAL. A eleição se baseia no pré-conhecimento de Deus em relação àquele que deve crer.

(c) EXPIAÇÃO UNIVERSAL. A morte de Cristo oferece a Deus base para salvar a todos os homens. Contudo, cada homem deve exercer sua livre vontade para aceitar a Cristo.

(d) A GRAÇA PODE SER IMPEDIDA. Deus envia Seu Espírito para atrair todos a Cristo, contudo, desde que o homem goza de vontade livre e absoluta, ele pode resistir a vontade de Deus em relação a sua própria vida.

(e) O HOMEM PODE CAIR DA GRAÇA. O quinto ponto do armenianismo, é a consequência lógica das precedentes posições de seu sistema. O homem não pode continuar na salvação, a menos que continue a querer ser salvo.

1.VISÃO ARMINIANA.
Para os Arminianos, Deus, em seu infinito amor e misericórdia, pré destinou todos os homens que crerem em Cristo Jesus à salvação. Ao homem, cabe apenas aceitar mediante a fé o ato de sacrifício de Jesus na Cruz. Segundo esta visão, o homem tem participação direta na salvação através da sua escolha, podendo também da mesma forma escolher, mediante seus atos, decair da fé, e assim perder a salvação.

Segundo o Arminianismo, todas as pessoas foram escolhidas para serem salvas, mas somente os que aceitam o chamado e perseveram até o final serão de fato salvos. Jacó Armínio enquadra-se como mentor do sinergismo Arminiano, significando que, por sua doutrina, o homem não é capaz de escolher aceitar o sacrifício de Jesus sem a intervenção Divina, intervenção essa que gera no homem a capacidade de escolha (livre arbítrio).

II. CALVINISMO.
O calvinismo (também chamado de Tradição Reformada, Fé Reformada ou Teologia Reformada) é tanto um movimento religioso protestante quanto um sistema Teológico bíblico com raízes na Reforma iniciada por João Calvino em Genebra no século XVI.

João Calvino (Noyon, 10/07/1509, Genebra, 27/05/1564) foi um teólogo cristão francês, e teve uma influência muito grande durante a Reforma Protestante, uma influência que continua até hoje. Portanto, a forma de Protestantismo que ele ensinou e viveu é conhecida por alguns pelo nome Calvinismo, embora o próprio Calvino tivesse repudiado contundentemente este apelido. Esta variante do Protestantismo viria a ser bem sucedida em países como a Suíça (país de origem), Países Baixos, África do Sul (entre os africânderes), Inglaterra, Escócia e Estados Unidos. Nascido na Picardia, ao norte da França, foi batizado com o nome de Jean Cauvin. A tradução do apelido de família "Cauvin" para o latim Calvinus deu a origem ao nome "Calvin", pelo qual se tornou conhecido

1. VISÃO CALVINISTA.
Para os Calvinistas, Deus não destinou todos os homens à salvação, visto que é fato que nem todos se salvam. Neste caso, segundo ensinam, Cristo teria morrido apenas pelos seus eleitos. Estes por sua vez, ouvem o chamado irresistível do Espírito Santo e se rendem a Cristo, sendo então justificados pela graça de Deus.

Os Calvinistas Ensinam também que em virtude do pecado de Adão a condição de pecador se estendeu a toda raça humana (depravação total). Portanto, o Homem peca porque é pecador, isto é, tem a natureza do pecado, e não é pecador porque peca (ato do pecado). Sendo assim, o homem necessitava de um plano de salvação para que pudesse ser restaurado à imagem e semelhança de Deus, então, segundo a doutrina da predestinação, Deus escolheu "alguns" dos seres humanos caídos para salvar do pecado, restaurando para comunhão com Ele.
⏩Ef 2:8,9 Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; não vem das obras, para que ninguém se glorie.

a) OS CINCO PONTOS CALVINISTAS.
Os cinco pontos Calvinistas, conhecidos pelo acróstico TULIP, referente às iniciais dos pontos em inglês, são doutrinas básicas sobre a salvação, definidas pelo Sinódono de Dort. São eles.
1. Depravação Total. (Total Depravity)
2. Eleição Incondicional (Unconditional Election) 3. Expiação Ilimitada. (Limites Atonement)
4. Graça Irresistível. (Irresistible Grace)
5. Perseverança dos Santos (Perseverance of Saints)

b) O PLANO DE SALVAÇÃO.
O Plano da Salvação, segundo a visão Calvinistas, consistiu em Cristo morrer pelos eleitos, para que por sua graça, houvesse remissão dos pecados. Neste caso, não cabe ao Homem qualquer participação no plano de salvação, toda a iniciativa e realização vem unicamente da Pessoa de Deus. É Ele quem muda a disposição de um coração morto e obstinado pelo pecado, e transforma-o em um coração sensível à Sua voz. Nesta condição o Homem só pode dizer "sim" a chamada à salvação.

c) A SEGURANÇA DA SALVAÇÃO.
Segundo ainda esta visão, o homem uma vez "verdadeiramente salvo" não perde essa condição visto ser o próprio Deus o sustentador do pecador regenerado. O Calvinismo, contudo não "afrouxa" a necessidade de uma vida santificada, um salvo deve viver como tal. Princípio que enfatiza apenas o aspecto último da salvação, o momento final da vida de um homem, pois não são obras da vida do homem que salvam o homem, mas o perdão de Deus. Uma pessoa que Deus perdoou têm uma vida digna de piedade aos olhos de Deus, não cabendo aos homens julgarem quem é salvo ou não, mas antes realizarem a vontade de Deus, que é viver de maneira misericordiosa, ou seja Deus encarnou na pessoa de Jesus para salvar os pecadores não os pecados.

d) PARA QUEM DEUS CONCEDEU A SALVAÇÃO.
João Calvino pregava que Deus salva aqueles que elegeu desde antes da fundação do mundo, concedendo-lhes irresistivelmente a fé em Cristo e em sua obra redentora, o que não exclui nem mesmo fariseus, hipócritas, prostitutas, pobres, ladrões, efeminados, assassinos, vaidosos, segundo o conselho da Sua própria vontade santa e soberana. Ao conceder, pela Sua graça, a fé salvadora, Deus livra os seus eleitos da hipocrisia, da prostituição, da luxuria, do assassínio, e da miséria de espírito, por vezes disciplinando-os como filhos amados que são, através de tribulações e sofrimentos, que são permitidos por Deus na exata medida em que gerem crescimento e maturidade espiritual.
⏩At 14.22: "Confirmando os ânimos dos discípulos, exortando-os a permanecer na fé, pois que por muitas tribulações nos importa entrar no reino de Deus.".
Todavia, o maior ou menor grau de sofrimento dos homens não decorrem do maior ou menor mérito destes, pois os justos aos olhos de Deus também passam por adversidades e angústias, assim como os ímpios. Corrobora este Entendimento.
⏩Sl 34.19: "Muitas são as aflições do justo, mas o SENHOR o livra de todas."

CONCLUSÃO. Não é difícil perceber que ambos, tanto Armínio quanto Calvino, depois de todos os esforços no estudo doutrinário soterilogico, chegaram a um entendimento: A Salvação está na Pessoa do Senhor Jesus Cristo. Fora de Jesus não há salvação. Aí não importa muito se s visão é esta ou aquela. Ambas as visões tem seus méritos, e por isso, podem muito bem serem admitidas e unidas a um entendimento mais apurado.

SALA DE ESTUDOS - HERMENÊUTICA

Sala de Estudos Introdução:  Hoje é nosso primeiro dia Sala de Estudo. Iniciamos agora uma nova reunião onde teremos o privilégio de ...