domingo, 15 de agosto de 2010

ESTUDO BÍBLICO - ESCATOLOGIA







ESCATOLOGIA
PARTE FINAL
Lição 4 
A VINDA DE JESUS EM GLÓRIA.

Introdução: Quando Jerusalém estiver cercada pelo exército das nações confederadas a besta, e os judeus estiverem sem mais esperança de salvação, a ponto de serem tragados, estão clamarão angustiados a Deus. Dessa oração, fala o profeta Isaías em 64.8-12. É nessa situação crítica de Israel que o Senhor Jesus descerá em socorro ao seu povo, sobre os Monte das Oliveiras, em Jerusalém (Is 52.8; Mt 24.30). a Vinda de Jesus em Glória será seguida de cataclismos e morticínios mundiais e sobrenaturais (Is 24.40). Em Dn 2. 34.35,44,45, por quatro vezes é dito que o reino do mundo foram esmiuçados pleo impacto da pedra que desceu da montanha. Esta pedra representa a figura de Cristo na sua segunda vinda (Mt 21.44).

I. A BATALHA DO ARMAGEDON. ZC 12.3,9.
O termo “Armagedon” significa “Monte de Megido”. Trata-se de um local ao norte de Israel onde se travará a batalha final. Esse lugar tem sido famoso como campo de batalha da história, dado a sua posição estratégica que ocupa. Aí concentrar-se-ão as forças das nações em guerra contra Deus e Israel (Ap 16.13-16).  Do Armagedon, o Anti-cristo lançará seu ataque contra os judeus, e avançará sobre Jerusalém. A batalha visa a exterminação do povo judeu, pois o Diabo sabe que os planos futuros de Deus estão relacionados com Israel, quanto ao mundo (Jr 31.35,36; 46.48; Am 4.14,15). Os judeus lutarão heroicamente (Zc 14.14), e a batalha durará um dia (Zc 14.6,7). A ação destruidora e sobrenatural com repentina aparição de Jesus, em Jerusalém, causará completo destroço nos exércitos atacantes, tanto nos que estiverem em ação contra a cidade como no grosso das tropas e seu material de guerra concentrado no Armagedon (Zc 14.16). Ao virem Jesus, os do remanescente de Israel, exclamarão arrependidos e aliviados: “Bendito o que vem em nome do Senhor” (Mt 23.38,39). Os judeus clamarão pelo verdadeiro Messias (Zc 12.10,11). O próprio Senhor Jesus combaterá contra o anticristo e seu exército, e os vencerá (Ap 17.14; 19.17-21). Com a Vinda de Jesus em Glória, o anticristo e o Falso Profeta serão lançados no Lago de Fogo, que é o inferno final (2Ts 2.8; Is 59.20,21). Já o “dragão” que é Satanás, será acorrentado por mil anos. O remanescente judaico, expurgado e arrependido, reconhecerá Jesus como Messias e Redentor prometido, e, em escala nacional, todos o aceitarão, chorando (Is 4.3; Is 59.20,21; 11.25-27). 

2. O JUÍZO DAS NAÇÕES – AP 20.11-15.
Devido as constantes guerras e cataclismo sobrenaturais que desabarão sobre a terra por ocasião da Grande Tribulação, a população mundial estará bem reduzida. O julgamento das nações descrito em Mt 25.31-34, 41,46, será apenas a consumação daquilo que já começou muito antes, sob selos, trombetas e juízos divinos. O juízo da nações não é de indivíduos. O grego diz “panta ta ethne” - todas as nações. Certamente as nações comparecerão mediante seus representantes. O propósito deste juízo será determinar quais nações serão poupadas e ingressarão no milênio (Zc 14.16). Conforme Mt 25, haverá três classes de nações nesse juízo: 

  • Ovelhas – Povos pacíficos, amigos e protetores de Israel.

  • Bodes – Povo sanguinário, perseguidores de Israel.

  • Irmãos – Possivelmente os judeus – Mt 28.10.
Somente bodes e ovelhas serão julgados. A base do juízo será a maneira como essas nações trataram os “irmãos” (Mt 25.41-43; Jl 3.2). o juízo ocorrerá num lugar chamado de “Vale de Josafá” (Jl 3.2,12). Esse vale é até hoje desconhecido, nunca existiu. Possivelmente se formará pelo fenômeno sobrenatural de Zc 14.4, no momento em que Jesus descer a terra. Os povos tipo bode serão lançados vivos no inferno, como ocorreu em Armagedon com a besta o falso profeta e os que a adoraram (Mt 25.41-46). os povos tipo ovelhas, ingressarão no milênio. (Mt 24.34.

II. O REINADO DE CRISTO NA TERRA. Ap 20.2-6
A palavra “milênio” deriva do grego “milleniun” referindo-se a última dispensação que haverá sobre a terra. O milênio é o maravilhoso reinado de Cristo terra. É importante observar que os mil anos não será o período de duração do reinado de Cristo, já que a Bíblia afirma que seu reinado não terá fim (Lc 1.31,32), mas será o período em que Satanás estará preso (Ap 20.2). O milênio iniciará logo após a Vinda de Jesus em Glória, quando Ele em companhia de todos os santos, houver aniquilado o dragão, o anti-cristo e o falso profeta (Ap 19.11-21). no inicio de seu ministério Jesus revelou a plataforma do seu governo, apresentando uma legislação toda superior. No sermão do Monte (Mt 5-7) encontramos alguns propósitos de milênio:

  • Fazer convergir a Cristo todas as coisas – Ef 1.10

  • Estabelecer a justiça e a paz na terra – 1Co 15.24-28

  • Fazer convergir no milênio todas as alianças da Bíblia – Ef 1.10

  • Fazer Israel ocupar toda a terra que lhe pertence – Is 11.10-12

  • Cumprir as profecias a respeito do Reino do Messias – Dn 9.24
O milênio será uma teocracia (Is 1.26; Sl 72.8-11), isto é, Cristo reinará diretamente através de seus representantes. Todos os reinos do mundo estarão sob o senhorio de Cristo (Fp 2.10,11). Com o estabelecimento do milênio findará toda e qualquer supremacia predominante de nações, com exceção de Israel (Zc 14.9). A Igreja integrará a administração de Cristo, todavia, será um reino com predominância judaica. Jesus reinará sobre Israel através de seus apóstolos, conforme promessa feita em Mt 19.28, e reinará sobre os gentios certamente através da Igreja. (Is 16.5). haverá dois grupos de povos distintos que participarão do milênio:

  • Crentes glorificados – Consiste dos salvos do AT e do NT mais a Igreja e os crentes oriundos da Grande Tribulação. Estando “glorificados”  não serão limitados somente a terra. Terão o constante privilégio de acesso ao Trono do Pai.

  • Os povos naturais, em estado físico normal, vivendo na terra – Os judeus salvos saídos da Grande Tribulação e os gentios poupados no julgamentos das nações e o povo que nascerem neste período.
III. A ÚLTIMA REVOLTA DE SATANÁS.
No momento final da Grande Tribulação, o anti-cristo, chefiando todas as nações do mundo, avançará para exterminar israel e lutar contra Deus. O Senhor Jesus, descerá do céu e destruirá todo o exército atacante. O anti-cristo e o falso profeta, serão lançados vivos no Lago de Fogo e Enxofre, e Satanás, o dragão, ficará peso por mil anos. Após mil anos de paz, sob o governo de Cristo, Satanás será solto novamente, por um pouco de tempo, e então, começara uma campanha mundial para a formação de um grupo de nações para guerrearem contra o povo de Deus (Israel). A palavra profética descreve detalhes, como acontecerá esta guerra e quais as consequências para as nações envolvidas (Ez 38,39). Satanás, persuadirá o chefe de Gogue, isto é, do Norte, e Magogue, que são as terras do Norte. Não serão todas as nações da terra, porém serão tão numerosos como a areia do mar, pois haverá uma coligação de nações e povo (Ap 20.8). Deus pelejará por Israel, não chegando a ter batalha física entre moradores da Cidade Santa e os exércitos de Satanás (20.9). Deus trará os inimigos para o Monte de Israel e os destruirá com fogo do céu. Satanás, então, finalmente, será lançado no Lago que Arde em Fogo e Enxofre, onde será “atormentado” para todo o sempre (Ap 20.20). desta maneira, os que nasceram durante o milênio terão a oportunidade de escolher: Obedecer a Deus ou ao diabo (Ap 20.7,8). A finalidade desta curta liberdade de Satanás sera:

  • Provar os que nasceram durante o milênio

  • Revelar que o coração humano não convertido continua inalterável, mesmo sob o reino pessoal do Filho de Deus.

  • Demonstrar pela última quão pecaminosa é a natureza humana.

  • Demonstrar que Satanás é totalmente incorrigível.
IV. O JULGAMENTO DO GRANDE TRONO BRANCO.
Após a vitória de Deus sobre o diabo, terá incio o que a Bíblia chama de O Julgamento do Grande Trono Branco, onde as pessoas de todas as raças, línguas, povos e nações, grande e pequenos, comparecerão perante o Deus Criador. O julgamento final é a sessão judicial que terá lugar na consumação de todas as coisas temporais que, conduzido pelo Todo Poderoso, retribuirá a cada criatura moral  o que esta tiver cometido através do corpo durante sua vida terrena. Embora seja o julgamento final tratado, implicitamente, do primeiro ao último livro do AT, foi o profeta Daniel que discorreu, de forma mais sucinta acerca desta ato que haverá de realçar a supremacia e a singularidade da justiça divina (Dn 12.1-3). no Sermão do Monte, o Senhor Jesus deixou bem claro que o julgamento final não é mera hipótese, porém, uma realidade (Mt 25.31-41). Tem o julgamento final vários objetivos  conforme nos revela a Bíblia:

  • Mostrar que a justiça de Deus deve ser observada e acatada por todos (Gn 18.25).

  • Punir os que rejeitaram a Cristo e sua tão grande salvação (Ap 20.15; Mt 25.41).

  • Destruir a personificação do mal (1Co 6.3; Ap 20.10-12)
Se os falhos e imperfeitos julgamentos humanos tem os seus fundamentos, o que não diremos do julgamento final que será efetuado pelo altíssimo Deus:

  • A natureza Justa e Santa de Deus – Deus é amor, porém possui uma natureza santa e justa. Todas as vezes que sua santidade é ferida, sua justiça reclama, de imediato, uma reparação. Por conseguinte, estes atributos de Deus, a justiça e a santidade acham-se a fundamentar o julgamento final. Rm 2.5-10.

  • A Palavra de Deus – Os que hoje a desprezam, serão por ela julgados. Jo 12.48

  • A Consciência das Criaturas Morais – A consciência, embora falha, não deixa de ser um dos fundamentos do julgamento final. Rm 2.15; Ap 20.12.
1. O JULGAMENTO FINAL. Jo 3.18.
Os anjos caídos, tantos os livres que trabalham para Satanás, quanto os aprisionados “para juízo do grande dia” (Jd 6), serão julgados agora, juntamente com o diabo, a quem acompanharam, obedeceram e serviram (Mt 8.29; Lc 8.31; 2Pe 2.4). A Igreja certamente estará associada neste juízo, pois travou renhido combate contra o diabo e suas hostes (1Co 6.3). Este evento marcará o ponto final da liberdade de ação do diabo, dos anjos caídos e dos demônios (Mt 25.41). Nesta ocasião, os ímpios falecidos de todas as épocas ressuscitarão com seus corpos literais e imortais, porém carregados de pecados. Este julgamento é para a multiplicação das sentenças. O fato de Apocalipse enfatizar “grande e pequenos” (20.12) tem a ver com a importância, posição, prestígio ou influência, nada tendo a ver com a idade. A presença do “Livro da Vida” nesta ocasião, certamente será para mostrar que aos que estão sendo julgados, que seus nomes não se encontram nele (Mt 7.22,23). 


2. O ETERNO E PERFEITO ESTADO.
Aqui finda o tempo da história humana e começa o “Dia Eterno”. A Santa Cidade, a Jerusalém Celestial baixará de vez sobre a terra (Ap 21.2). A Igreja, em estado de glória e felicidade eterna, governará a terra sob Cristo (Dn 7.18,28). Os salvos oriundos do milênio, viverão na terra, mediante a arvore da vida, não mediante a ressurreição, nem porque passaram do estado mortal para o imortal. Jesus em sua forma humana pessoal, a qual jamais deixará, estará eternamente associado ao Pai na regência do universo (2Sm 7.13,15). Em suma, será uma estado perfeito. 


3. A CIDADE SANTA. Ap 21.1.
O novo céu e a nova terra não resultarão de nenhuma catástrofe não registrada na Bíblia, pelo contrário, são resultantes do processo de redenção e do reinado de Cristo. Uma vez consumada a purificação final da terra e o Julgamento, a redenção estará então completa. Por mil anos Cristo e os santos estarão trabalhando na tarefa de reconstrução de todas as coisas. O resultado é visto aqui: 








O MAR JÁ NÃO EXISTE. Isto não significa que não haverá mar, e sim que a terra e as águas estarão mais bem regularmente divididas. 








O NOVO CÉU. A única característica do novo céu, visto aqui é a Cidade Santa. 








A NOVA TERRA. Esta passagem sugere que a Cidade Santa permanecerá acima da Jerusalém terrena, e lhe servirá de luz, de forma a haver um local sobre a terra onde nunca haverá trevas.

  • ORIGEM: Descia do céu, da parte de Deus

  • LOCALIZAÇÃO: Próximo a terra, mas não farão parte dela. As nações andarão sob a luz da Nova Jerusalém.

  • DIMENSÕES: 12.000 estádios (cerca de 2.260 Km)

  • ILUMINAÇÃO: A Glória de Deus será a sua luz – Is 24.25

  • TEMPLO: Deus

  • MUROS: Muralhas altas 144 côvados (+/- 80 m)

  • PORTÕES: Não se fecharão, pois não haverá noite.

  • MORADORES: Todos os que tiverem os seus nomes escritos no Livro da Vida.
A Nova Jerusalém, a capital dos remidos, será a capital do universo, porquanto o trono de Deus estará ali. Seus cidadãos serão todos reis e sacerdotes, eles dispensarão ao mundo o beneficio da água da vida e das folhas da árvore da vida, que servem para a cura das nações. As pessoas da terra poderão viver para sempre se tiverem acesso a árvore da vida, mas ela nunca mais será plantada na terra, as nações dependerão da Cidade Santa para receber seus benefícios (Ap 21.26). o povo receberá da Cidade Santa não apenas as bençãos espirituais, mas também as materiais. A nova Jerusalém exercerá uma supervisão real e sacerdotal sobre as atividades da terra. “As nações andarão a sua luz".

BIBLIOGRAFIAS:
Maturidade Cristã – CPAD - Out. 1989
Manual da Escola Bíblica Dominical – Antônio Gilberto - CPAD
www.vivos.com.br
O Homem, corpo, alma e espírito – Severino Pedro da Silva – CPAD.
(Rev. Augustus Nicodemus Lopes - www.cacp.org.br)




SALA DE ESTUDOS - HERMENÊUTICA

Sala de Estudos Introdução:  Hoje é nosso primeiro dia Sala de Estudo. Iniciamos agora uma nova reunião onde teremos o privilégio de ...