(Estudos e Mensagens)

(Estudos e Mensagens)
Bem aventurado aquele que lê...os que ouvem...e guardam as coisas que nelas estão escritas...

domingo, 22 de agosto de 2010

ESTUDO BÍBLICO - A ECONOMIA DE DEUS


Texto Básico: Dt 6.4 - Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR.
Texto Devocional: Is. 43.10 - Vós sois as minhas testemunhas, diz o SENHOR, e meu servo, a quem escolhi; para que o saibais, e me creiais, e entendais que eu sou o mesmo, e que antes de mim deus nenhum se formou, e depois de mim nenhum haverá.   



INT. Economia significa harmonia entre partes e o todo. Quando pensamos na "economia" de Deus, estamos nos referindo ao fato de que Deus, apesar de ser único, existe de maneira harmônica em três pessoas distintas, o que teologicamente chamamos de doutrina da Trindade de Deus. 
DEFINIDO O TERMO: Deus existe eternamente como três pessoas - Pai, Filho e Espírito Santo - e cada pessoa é plenamente Deus, e existe só um Deus. Trindade, portanto é: A união das três pessoas - Pai, Filho e Espírito Santo - formando um só Deus. Um Deus que é ao mesmo tempo uno e trino (Mt 3.13-17; 28.19; 2Co 13.13). 

ESCLARECENDO O ARGUMENTO: A palavra "trindade" não existe na Bíblia, ela é um termo teológico, extrabíblico utilizado para designar aquilo que é revelado nas Escrituras, e que começou a ser utilizada por Tertuliano, no inicio do século III, em sua obra "Adversus Praxeas" Tertuliano utilizou o termo latino "trinitas". No entanto, a doutrina da "Trindade"  está fortemente enraizada, e a idéia está explícita em toda a Bíblia.

DESVENDADO O TERMO NA HISTÓRIA


Para entendermos o termo "trindade" precisamos conhecer um  pouco da história da Igreja, e alguns outros termos que ao longo da história acabaram servindo de estopim para que o termo trindade viesse a ser usado e até mesmo aceito pela Igreja. MONARQUIANISMO - este termo foi primeiramente usado por Tertuliano com referência àqueles que procuravam enfatizar que Deus era somente Um, soberano monarca, e que a doutrina da trindade era errônea. Entre eles dividiam-se:


1. MONARQUIANISTAS DINÂMICOS - Negavam a divindade de Jesus Segundo seus ensinamentos, Jesus era apenas um mero homem que foi "adotado" de uma maneira especial por Deus. (Esta heresia também é chamada de adocionismo, e foi condenada no Concílio de Antioquia em 268 d.C.)

2. MONARQUIANISTAS MODALISTAS - Ensinavam que Jesus era Deus, mas que Ele era a única Pessoa da Trindade. Segundo eles, a trindade se manifestava em vários modos sucessivos. Eles identificavam Jesus como sendo a mesma pessoa do Pai, em uma manifestação diferente. (Esta heresia foi também chamada no Ocidente de Patripassionismo - do latim Pater, Pai e passus, sofrer - pois resultava no ensinamento que o Pai sofreu na cruz, já que o Pai e o Filho eram a mesma pessoa - No Oriente esta heresia era chamada de Sabelianismo, porque foi divulgada por Sabélio, excomungado por sua heresia no ano 220 d.C.) Essa doutrina foi combatida por Tertuliano, e foi nesse contexto que pela primeira vez usa o termo trinitas argumentando que Deus é uma Trindade na qual existe uma só essência e ao mesmo tempo três pessoas.  

CONTEXTUALIZANDO O TERMO NA HISTÓRIA

A controvérsia Trinitariana impulsionou os concílios de Nicéia (325 d.C.) e Constantinopla (381 d.C.), que definiram o entendimento da Igreja com relação ao ensinamento bíblico sobre quem era Jesus. As controvérsias posteriores referiam-se a questões sobre o relacionamento entre a divindade e a humanidade de Jesus. Dentre as muitas heresias que surgiram neste tempo, destacamos três:

ARIANISMO - Negou a natureza divina de Cristo - Arius era um bispo em Alexandria que negou que Cristo fosse Deus (a Segunda Pessoa da Trindade). Arius ensinava que Jesus era divino, mas de uma divindade subordinada ao Pai. Ele era um pregador dinâmico e famoso, tendo personalidade atraente, chegou a inventar um slogam sobre Cristo que se tornou famoso:  "Houve um tempo quando ele não existia" Seus ensinamentos, porém, logo causaram consternação levando o Imperador Constantino, no ano de 325,  a convocar um Concílio, ou Sínodo, em Nicéia, no qual os bispos de todo o império, cerca de 250 a 300, compareceram para avaliar estes ensinamentos e formular um entendimento universal sobre as doutrinas bíblicas sobre o assunto. O objetivo principal era produzir um documento que definisse a crença ortodoxa sobre Deus e sobre Jesus. Para isso, era preciso que se usasse linguagem teológica e técnica - e não somente termos bíblicos - para as definições. os hereges usavam termos bíblicos, fora do contexto, para defenderem suas próprias teses. desse modo o concílio decidiu usar a palavra grega "homoousios" - significando "da mesma essência" - para definir a relação de Jesus e Deus, tendo como mais hábil defensor, desta doutrina ortodoxa, Atanásio, que se tornou bispo da Alexandria em 328, coma excomungação de Ário pelo Imperador.  Após vários imperadores terem sucedido Constantino que morreu em 337, em 379 Teodósio, tornou-se imperador. Como defensor da ortodoxia Nicena, convocou outo concílio na capital do Império, em Constantinopla em 381 que expandiu e revisou o Credo de 325 e ratificou a doutrina Nicena.

NESTORIANISMO - Negou a união das naturezas de Cristo - Nestório era um dos mais importantes líderes eclesiástico do 5° século, foi acusado de ensinar que as duas naturezas de Jesus (humana/divina) eram tão separadas a ponto de ele ser duas pessoas. Nestório argumentou que Maria deu luz ao filho de Deus, e não a Deus, ela deu luz a natureza humana de Jesus, não a natureza divina, que é eterna. Cirilo, bispo da Alexandria, foi o opositor mais ferrenho de Nestório. Um Concílio foi convocado na cidade de Éfeso em 431 d.C., e o ensinamento atribuído a Nestório foi condenado. O concílio oficialmente declarou que Jesus tem duas naturezas, mas é uma só pessoa.

EUTIQUIANISMO - Negou a distinção das naturezas de Cristo - Eutíques, monge de Constantinopla começou a ensinar uma heresia no extremo oposto, segundo ele, Jesus não só era uma só pessoa, mas ele também tinha uma só natureza, e não duas. (Essa heresia foi chamada de monofitismo - mono, um - physis, natureza) A única natureza de Jesus, segundo eles, era a divina, que absorveu a natureza humana, divinizando-a. O Eutiquianismo foi condenado como heresia no Concílio de Calcedônia em 451 d.C. A formula dotada no concílio apresentou quatro qualificações que se tornaram a definição clássica sobre a relação entre as duas naturezas - A fórmula diz que existe um único Cristo, que possui duas naturezas, não confusas e não transformadas, não divididas, não separadas, pois a união das naturezas não suprimiu as diferenças; antes, cada uma das naturezas conservou as suas posteridades e se uniu com a outra numa única pessoa e numa única hipóstase (ou essência).  

VASCULHANDO A BÍBLIA E EXPLICITANTO A DOUTRINA

Tendo o entendimento que o nome "Trindade" não se encontra nas Escrituras, mas que a doutrina da Trindade está explícita em toda a Bíblia,  dizemos pela Bíblia que no que concerne a divindade  de Deus Filho, refere-se, por exemplo, a Sua Onisciência (Cl 2.3), Sua Onipotência (Mt 28.18), a sua Onipresença (Mt 28.20), ao fato de perdoar pecados (Mc 2.5-7; Is 1.18), e de ser doador da vida (JO 10.28), em íntima unidade porém diferenciando as pessoas (JO 17.21,22)


No que concerne a  divindade Do Espírito Santo reportamos-nos aos textos bíblicos que claramente:Chama-O de Deus (At.5,3,4), demonstram sua Onisciência (1Co 2.10,11), sua Onipotência (1Co 12.11), sua Onipresença (JO 14.10), chama-o de "Espírito de Verdade" (JO 16.13), de "Espírito de Vida" (Rm 8.2). Prerrogativas que tais, como apresentadas para Deus-Filho, segundo a bíblia são únicas e exclusivas de Divinas.




No que concerne a personalidade do Espírito Santo, assunto que foi muito debatido ao longo dos primeiros séculos do cristianismo, é comum referir-se aos atributos que, tal como no A.T. são aduzidos para a personalidade do Deus YHVH cuja divindade e personalidade nunca foram alvo de críticas substanciadas entre os cristãos - testemunham o seu caráter pessoal, o fato de que o Espírito Santo: 

Guia, fala, declara e ouve - Jo 16.13 - Mas, quando vier aquele, o Espírito de verdade, ele vos guiará em toda a verdade; porque não falará de si mesmo, mas dirá tudo o que tiver ouvido, e vos anunciará o que há de vir.  
  • Ama - Rm 15.30 - E rogo-vos, irmãos, por nosso Senhor Jesus Cristo e pelo amor do Espírito, que combatais comigo nas vossas orações por mim a Deus;  
  • Clama - Gl 4.6 - E, porque sois filhos, Deus enviou aos vossos corações o Espírito de seu Filho, que clama: Aba, Pai.  
  • Toma decisões/ administra - 1Co 12.11 - Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.  
  • Pode ser contristado - Ef 4.30 - E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção 
  • Implora e Intercede - Rm 8.26 - E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis.  
  • Ensina - Lc 12.12 - Porque na mesma hora vos ensinará o Espírito Santo o que vos convenha falar.  
  • Pode ser resistido - At 7.51 - Homens de dura cerviz, e incircuncisos de coração e ouvido, vós sempre resistis ao Espírito Santo; assim vós sois como vossos pais.  
  • Proíbe/ põe obstáculos - At 16.6 - E, passando pela Frígia e pela província da Galácia, foram impedidos pelo Espírito Santo de anunciar a palavra na Ásia.  
  • Ordena, dirige e dá testemunho - At 8.29,39; 20.23. 
  • Designa, comissiona - At 20.28 - Olhai, pois, por vós, e por todo o rebanho sobre que o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue.  
  • É mencionado entre outras pessoas - At 15.28 - Na verdade pareceu bem ao Espírito Santo e a nós, não vos impor mais encargo algum, senão estas coisas necessárias:  





EMBASANDO A DOUTRINA NO ANTIGO TESTAMENTO.
1° PLURALIDADE EM ELOHÍM.


Gn 1.26-27 - E disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança;...E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou.  - Deus se apresenta no singular e faz o homem no plural


Conferir: Jo 1.1; Cl 1.16,17; Hb 1.10
Outros Textos: Gn 3.22; 11.7-9; Is 6.8

Conclusão: Tanto o Pai, como o Filho, como o Espírito Santo é o Deus uno, apresentando assim o termo Deus no singular e as pessoas no plural. 


a) O Pai é Deus - Ef 4.6
b) O Filho é Deus - 1Jo 5.20
c) O Espírito Santo é Deus - At 5.3



2° UNIDADE COMPOSTA

Dt 6.4 - Ouve, Israel, o SENHOR nosso Deus é o único SENHOR. 



Os unissistas (unitários) entendem que este verso exclui o Filho da divindade e da unidade com o Pai. Nos trinitarianos, cremos no único Deus YHVH, pois a palavra hebraica originalmente usada para chamar YHVH de "único" é "echad" (pronuncia: "errad"), que é a palavra usada para expressar a unidade composta. quando se deseja expressara a unidade absoluta, a palavra é "yachid" (pronuncia: yarrid)

Exemplos:


a) Gn 2.24 - "uma carne" - echad - Unidade composta - Marido e mulher são pessoas distintas, porém no plano espiritual, seus corpors são unos.
b) Gn 26.6 - "Um tabernáculo" - echad  -  Unidade das cortinas
c) Gn 41.25 - "o sonho é um só" - echad   - dando conotação de que Faraó tivera dois sonhos em um, ou um sonho sobre um "evento"  com duas personificação que diziam a mesma verdade.

EMBASANDO A DOUTRINA NO NOVO TESTAMENTO

A revelação da Triunidade de Deus no A.T. não é tão clara quanto no N.T. Os textos bíblicos, respeitando seus contextos, mostram sempre juntos o Pai, o Filho e o Espírito Santo - Levando em conta que Deus é único (Is 43.10) e que não partilha a sua glória com ninguém (Is 42.8; 48.11), Notamos como O Pai, O Filho e o Espírito Santo são postos em pé de igualdade.

·         Mt 28.19 - ...batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo;
·         Lc 3.22 - E o Espírito Santo desceu sobre ele em forma corpórea, como pomba; e ouviu-se uma voz do céu, que dizia: Tu és o meu Filho amado, em ti me comprazo.
·         2Co 13.13 - A graça do Senhor Jesus Cristo, e o amor de Deus, e a comunhão do Espírito Santo seja com todos vós. Amém.
·         1Pe 1.1,2 - PEDRO, apóstolo de Jesus Cristo... Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e aspersão do sangue de Jesus Cristo...

OUTRAS REFERÊNCIAS: Rm 8.14-17; 15.16,30; 1Co 2.10-16; 6.1-20; 2Co 1.21,22; Ef 1.3-14; 2Ts 2.13,14; Tt 3.4-6; Jd 20,21; Ap 1.4.  







OPERAÇÕES E FUNÇÕES DAS PESSOAS DA TRINDADE.
As Três pessoas da Trindade estabelecem uma comunhão e união perfeita, formando um só Deus, e constituem um perfeito modelo transcendente para as relações interpessoais. Elas possuem a mesma natureza divina, a mesma sabedoria, poder, bondade e santidade, mas, em algumas vezes, certas atividades são mais reconhecidas em uma pessoa do que em outra. As funções, suas principais atividades desempenhadas e o seu modo de operar está registrado nas Escrituras e claramente resumido no Credo Niceno-Constantinopolitano, o credo oficial de muitas denominações cristãs.



1. DEUS  PAI - Não foi criado nem gerado. É o "principio e o fim, princípio sem princípio" da vida e está em absoluta comunhão com o Filho e com o Espírito Santo. foi o Pai quem enviou seu Filho, Jesus Cristo, para salvar-nos da morte espiritual, pelo sacrifico vicário. Isto revela o amor infinito de Deus sobre os homens e o não abandono aos seus filhos adotivos. O Pai, a primeira pessoa da Trindade, é considerado como Pai eterno e perfeito. É atribuído a esta pessoa divina a criação do mundo.

2. DEUS FILHO - Procede do Pai e é eternamente consubstancial (pertence a mesma natureza e substância) a Ele. Não foi criado pelo Pai, mas gerado na eternidade da substância do Pai. encarnou-se em Jesus de Nazaré, assumindo a natureza humana. O Filho, a segunda pessoa da Trindade, é considerado como Filho Eterno, com todas as perfeições divinas; a Ele é atribuída a redenção (salvação) do mundo.

3. DEUS ESPÍRITO SANTO - Procede do Pai e do Filho, sendo por estes espirado. Esta pessoa divina personaliza o Amor íntimo e infinito de Deus sobre os homens, segundo a reflexões de Agostinho. Manifestou-se primeiramente no bastimo e na transfiguração de Jesus e plenamente revelado no dia de Pentecostes. Habita nos corações dos fiéis e estabelece entre estes e Jesus uma comunhão íntima, tornando-os unidos num só corpo. O  Espírito Santo, a terceira pessoa da Trindade, e considerado como puro anexo de amor. Atribui-se a esta pessoa divina a santificação da Igreja e do mundo com seus dons. 

ESCLARECENDO CONCEITOS MAL INTERPRETADOS.

Alguns grupos se perdem na terminologia das Escrituras, dando significados errôneos a certos termos aplicados ao Senhor Jesus, como por exemplo:

1. PRIMOGÊNITO - Cl 1.15 - O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação -  O termo Primogênito é um título que indica preeminência ou primazia, apontando assim para a soberania de Cristo sobre a criação, nada tendo a ver com "primeiro criado" ou "primeiro de uma série"
2. UNIGÊNITO - Jo 3.16 - Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito... - Este título fala da singularidade de Jesus, o eterno Filho de Deus. Ele é Único, não há ninguém semelhante a Ele (Jd 4)
3. PRINCIPIO DA CRIAÇÃO - Ap 3.14 - ...Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus - A palavra grega "arché" traduzida por "principio" em muitas traduções da Bíblia, também significa "governador", "soberano" , "origem" . Assim, já que diversas passagens bíblicas atestam a eternidade de Jesus, posto ser Ele o criador e sustentador de todas as coisas (Cl 1.16,17; Hb 1.3)  fica evidente entender arché  como o "Primeiro de uma série"
4. FILHO DE DEUS - Mc 1.1 - PRINCÍPIO do Evangelho de Jesus Cristo, Filho de Deus  Esse termo geralmente é usado para indicar inferioridade do filho em relação ao pai No caso de Jesus, isto não pode ser aplicado, pois Ele é chamado de:
a) Filho de Maria - Mc 6.3 - Sentido biológico
b) Filho de Davi - Mc 10.48 - Sentido de linhagem
c) Filho do Homem - Mc 25.31 - Sentido de humanidade


Assim, o título, Filho de Deus, indica que Ele é participante da mesma natureza divina da qual o Pai também participa. 

Fontes de consultas:
www.winkipédia.org
www.agir.org.br
Revista EBD Editora Cristã Evangélica

Nenhum comentário:

Postar um comentário