quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

A Participação dos Diáconos no culto a Deus

A PARTICIPAÇÃO DOS DIÁCONOS NO EXPEDIENTE DO CULTO A DEUS.
TEXTO BÁSICO: COLOSSENSES 3.8-17,23-25
8 Mas agora, despojai-vos também de tudo: da ira, da cólera, da malícia, da maledicência, das palavras torpes da vossa boca. 9 Não mintais uns aos outros, pois que já vos despistes do velho homem com os seus feitos, 10 E vos vestistes do novo, que se renova para o conhecimento, segundo a imagem daquele que o criou; 11 - Onde não há grego, nem judeu, circuncisão, nem incircuncisão, bárbaro, cita, servo ou livre; mas Cristo é tudo em todos. 12 Revesti-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de entranhas de misericórdia, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade; 13 Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também. 14 E, sobre tudo isto, revesti-vos de amor, que é o vínculo da perfeição. 15 E a paz de Deus, para a qual também fostes chamados em um corpo, domine em vossos corações; e sede agradecidos. 16 A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao SENHOR com graça em vosso coração. 17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai. 23 E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, 24 Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis. 25 Mas quem fizer agravo receberá o agravo que fizer; pois não há acepção de pessoas.

INTRODUÇÃO: Vimos, até aqui, o surgimento, características exigidas e, o trabalho que foi executado pelos primeiro setes diáconos que foram consagrados em Atos 6:3 Escolhei, pois, irmãos, dentre vós, sete homens de boa reputação, cheios do Espírito Santo e de sabedoria, aos quais constituamos sobre este importante negócio. A partir de agora, nosso caminho muda em direção ao culto cristão e ao seu desenvolvimento estrutural e espiritual. Nosso objetivo é ver os diáconos exercendo uma importante posição operacional no que diz respeito ao mesmo. Queremos, a partir deste ponto, analisar os parâmetros do culto onde os diáconos podem ser determinantes na realização de determinadas tarefas. Vamos aproveitar para dar algumas dicas na forma do culto e na sua liturgia. Buscaremos entendimento no que diz respeito a funções e as formas em que os obreiros podem conduzir corretamente o culto, o que podemos fazer, o que não é aconselhável e o que em hipótese alguma pode acontecer. Na verdade esta lição será bem pessoal. Procuraremos abordar conceitos que são utilizados por nossa denominação propriamente dita, pela nossa Matriz e com auxílio do Regulamento Interno da Convenção Batista Nacional. Abordaremos questões bem simples que não apresentarão nenhuma dificuldade e muito menos qualquer novidade ao corpo diaconal. Nosso objetivo é o crescimento e o chamamento a responsabilidade de pessoas importantes que foram escolhidas para realizarem um trabalho muito importante.

I. O CULTO A DEUS.
Se vamos falar sobre a administração e direção do culto, é bom que comecemos identificando algumas características do termo "culto" e buscarmos entendimento em referência ao que está ao nosso alcance no sentido de tornar o culto em momentos agradáveis, repletos de adoração a Deus e ao mesmo tempo, com poder de atração no que diz respeito a pessoas crentes e não crentes.

1. DEFININDO O CULTO.
Cultos são todos os sistemas particulares de adoração religiosa com referências especiais a rituais e cerimônias. O ponto central de uma religião é eventualmente o culto que assume formas e símbolos que revelam claramente o caráter distinto da religião. O culto se tornou o foco da vida religiosa, o ponto onde o senso do sagrado se concentra, e assim serve como um indicador da qualidade mais interior da religião. Ligado de certa forma ao termo culto, mas em um sentido extremamente negativo, temos o termo "seita" que se aplica a grupos religiosos de menores expressões e de crenças consideradas não ortodoxas ou artificiais. O Cristianismo chegou a ser considerado como seita pelas autoridades da religião do estado romano. É importante que façamos distinção entre os termos "seita" e "heresias", que embora caminhe juntos possuem definições a parte. Quando falamos em seita, estamos falando dos grupos religiosos não ortodoxos. Quando falamos em heresias, estamos falando dos ensinos que ferem os conceitos bíblicos doutrinários. Assim, podemos dizer que as heresias nascem em uma seita, e que uma seita pode também nascer em razão das heresias.

Na verdade a religião de Israel viveu momentos de constante conflito, o judaísmo tinha extrema dificuldade em conviver com a nova religião, conhecida como "O Caminho" que era na verdade o nascimento do Cristianismo que triunfou sob as seitas e cultos de seus vizinhos, como por exemplo, a adoração a Baal e Asera. Estas seitas tinham uma natureza extremamente degradada. Seus templos e cultos envolviam a prostituição e os sacrifícios de crianças, e tudo era feito de forma assustadoramente clara de acordo com as tábuas cananéias encontradas em Ras Shamra, e em sepulturas fenícias nas proximidades de Cartago. A igreja cristã primitiva sem dúvida até herdou algumas formas e costumes de adorações provenientes das sinagogas judaicas, mas, sem dúvida, não herdaram nada que tenha em si, qualquer tipo de adoração pagã. Pesquisas conclusivas mostraram que semelhanças externas e superficiais não provam necessariamente uma relação ou uma dependência. Em alguns exemplos particulares, o que parece mais provável é uma similaridade de terminologias, onde o cristianismo lhes dá um novo teor e significado.

2. O CULTO E SUAS FORMAS, HOJE EM NOSSOS DIAS.
Cl 3.16 A palavra de Cristo habite em vós abundantemente, em toda a sabedoria, ensinando-vos e admoestando-vos uns aos outros, com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando ao SENHOR com graça em vosso coração. 17 E, quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei tudo em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai.
Temos, como Batistas, nossa forma de culto. O que na verdade em quase nada se difere das denominações próximas existentes. A diferença fica mais por conta da liturgia, já que nossa liturgia é livre, e não precisamos seguir um modelo fixo de culto, mas no fundo, querendo ou não, acabamos assumindo uma forma litúrgica. Por falar em liturgia podemos começar vendo um pouco sobe este tema quando relacionado ao culto.

a. LITURGIA.
Liturgia são as ordens e formas estabelecidas para os ofícios religiosos. Em se tratando do culto na Igreja, a liturgia tende a referir-se a maneira como o culto é desenvolvido. Em algumas igrejas a liturgia do culto segue um padrão específico, assim em qualquer igreja pertencente à mesma denominação, a forma de culto será idêntica. Isto não é uma prática que deve ser reprovada, ela facilita o obreiro que está na direção. O problema da liturgia seguida neste padrão rígido, é que muitos dirigentes se tornam rigorosos demais impedindo qualquer mudança, por menor que seja.

Embora nosso culto não siga uma liturgia restrita, temos um culto que mesmo podendo ter sua forma modificada, alguns conceitos devem precisam ser observados para evitar prejuízos para a adoração. O culto em si tem elementos que não podem faltar. Oração, leitura da Palavra, Cântico de Louvores, Pregação, Ofertório, Anúncios e por fim o Encerramento. Claro que se não há liturgia, a ordem não precisa ser especificamente esta. O culto pode muito bem começar com louvor, leitura da Palavra ou oração, pois nenhuns destes inícios trazem prejuízos algum ao seguimento normal do culto.

3. COMO SE PROCEDE A DIREÇÃO DO CULTO.
Como vimos acima, nosso culto tem uma liturgia livre, isto é, temos liberdade na direção. Porém, algumas ordens estabelecidas devem ser observadas. O dirigente do culto tem a responsabilidade em fazer que estas ordens aconteçam da melhor forma possível. Entendendo que o culto tem início e fim, e devem ser observados com rigor. Vamos começar pelo dirigente.
  • O INICIO DO CULTO. O diácono que for exercer a direção de um culto deve ser alguém que conheça a maneira como ele é desenvolvido na sua normalidade. Algumas observações são importantes antes do inicio do culto. A primeira observação é quanto ao horário de inicio. Se horário é 19h00min, o dirigente não tem que esperar chegar os crentes, para começar o culto. Isto sim traz prejuízo na adoração. Comece o culto mesmo com poucas pessoas presentes, no desenrolar do culto os demais estarão chegando. Nada de querer descontar no final o erro do início. Começou atrasado, acabe na hora certa, para que só haja um erro. É fácil encontrarmos dirigentes que dão desculpas tipo: "Começamos o culto com 20 minutos de atraso, vamos terminar mais tarde para compensar!" Isso é um grande erro, pois agindo assim o dirigente erra duas vezes, uma no início, e outra no final.
  • O DIRIGENTE QUAL SUA FUNÇÃO NA DIREÇÃO. O dirigente do culto não é o cantor, nem o pregador, portanto sua função específica é dirigir o culto. Temos Ministério de Louvor, então o dirigente não precisa ficar cantando, se quiser cantar que seja apenas um louvor e em seguida deve imediatamente passar ao Ministério de louvor. Outra coisa, o dirigente também não tem que ficar pregando na direção do culto, com certeza o culto já tem um pregador aguardando seu momento. Evite ficar dando testemunhos prolongados, se precisar falar, seja feito com extremo cuidado para não interferir o horário do culto. Lembre-se sempre: temos hora para começar e terminar o culto!
  • A DISTRIBUIÇÃO NA DIREÇÃO DO CULTO. O dirigente é a pessoa responsável em distribuir as oportunidades no culto, sempre obedecendo ao horário disponível.
  1. No culto temos Leitura da Palavra que inicialmente pode ser feita pelo dirigente, por um Pastor presente ou alguém já previamente escolhido.
  2. Se houver algum cantor convidado em especial para o culto, é aconselhável que a oportunidade seja logo após o louvor e antes da pregação.
  3. Como não temos distribuição de oportunidades, isso facilita a direção. Caso haja algum pedido especial, procure atender de forma a não permitir que se estenda demais. Se for preciso, fique perto da pessoa que vai falar.
  4. O ofertório não precisa tomar muito tempo, então se houver tempo, pode convidar alguém para cantar um louvor, se o horário estiver um pouco avançado, peça que se faça a distribuição dos envelopes e ore em seguida para ganhar tempo.
  5. Quanto ao pregador, o ideal é que se dê pelos menos de 30 a 40 minutos a ele ou ela. Se der sorte, ele encerrará dentro do horário, se fizer isso, Aleluia!
  6. Após a mensagem, o culto deve ser entregue imediatamente ao Pastor presente, que neste caso, tanto pode ser o Pastor Titular quanto seus auxiliares. Tudo que deverá acontecer a partir daí deve ficar por conta dele.
  7. O apelo, se não foi feito pelo pregador pode ser feito pelo dirigente, mas o ideal é deixar esta função com o pastor local. Os Anúncios ficam por conta do pastor ou secretária da Igreja. O Pastor fará as considerações finais para o encerramento do culto.
  • SE HOUVER CASO DE ORAÇÃO NO ALTAR? Em alguns cultos, principalmente o culto denominado "Culto de Oração", geralmente existe um momento em que as pessoas são convidas para receberem a oração por imposição de mãos. O obreiro que estiver escalado para estar orando deve ter atenção neste momento. A oração precisa ser breve. Se perceber que alguém precise de cuidados especiais, o melhor a fazer é conduzir tal pessoa ao pastor. A oração deve ser feita preferencialmente de olhos abertos, obsevando atentamente a pessoa que está recebendo a oração. Caso aconteça alguma manifestação de espíritos malignos, se não for com a pessoa que você estiver orando, então fique no seu lugar, nada de ficar formando "bolinho" para expulsar o demônio. Aguarde, se o pastor precisar de ajuda, ele lhe chamará, caso contrário, continue agindo como se nada estivesse acontecendo.

II. OUTROS TRABALHOS DO DIÁCONO NO DESENVOLVIMENTO DO CULTO.
Como nem todos os diáconos estarão dirigindo o culto, logicamente outros estarão realizando tarefas que são de extrema importância ao desenvolvimento do mesmo.
  • PORTARIA DA IGREJA. No culto, alguém precisa ficar de prontidão. Isto é uma tarefa muito especial e geralmente é uma tarefa diaconal. O "recepcionista" (assim chamamos aqueles que ficam a porta), tem por função primordial receber as pessoas que chegam para o culto. Uma boa recepção faz uma grande diferença! O porteiro deve sempre ficar de olhos abertos, mesmo nos momentos de oração, sempre atento a todos os movimentos de entra e sai da igreja. Os membros locais devem ser recebidos sempre com um sorriso no rosto e, se possível um comprimento tipo aperto de mão. Os membros de outras igrejas, da mesma forma, e se possível, o recepcionista deve anotar o nome e a igreja da pessoa que está visitando. Se tal pessoa faz parte de algum ministério em especial, tipo: Louvor, dança, teatro, etc.,deve ser comunicado imediatamente ao dirigente. Quanto a pessoas não crentes, é aconselhável que seja conduzida a um lugar onde tenha uma boa visão e audição do culto. Se for uma família é melhor que se assentem juntos, caso seja parente de algum membro da igreja, preferencialmente, devem assentar-se próximos para evitar qualquer constrangimento.
  • OFERTÓRIO. Este é outro trabalho que geralmente é feito pelos diáconos. Nossa Igreja utiliza uma forma muito prática no ofertório e isto facilita o trabalho, é a distribuição de envelopes específicos. O diácono deve estar atento à direção do culto, que pedirá que se faça a distribuição. A distribuição deve ser feita sempre no sentido, porta/púlpito, isto é, do final para o inicio. Na recolha podem seguir no mesmo sentido.
  • DISTRIBUIÇÃO DOS ELEMENTOS DA CEIA.
Os elementos da ceia, geralmente ficam na responsabilidade dos diáconos. Eles devem cuidar da preparação da mesa, colocando cada elemento em seu lugar. O vinho e o pão devem ficar em condições apropriadas para a distribuição. Geralmente a ceia é ministrada pelo Pastor Titular ou outro por ele designado. Os diáconos ao serem convidados pelo Pastor, devem se colocar próximos a mesa dos elementos. Ao ser dado a ordem para distribuição, que geralmente é direcionada pelo Pastor, o diácono deverá servir a ceia sempre no sentido, púlpito/porta, isto é do inicio para o final. Diferente do ofertório que segue em direção oposta. Ao servir a ceia, o diácono deve sempre estar com um sorriso no rosto e demonstrar prazer no ato que está sendo executado no momento.

5. CULTOS ESPECIAIS.
Os diáconos devem estar prontos para funções fora da igreja. Trabalhos tipo visitas e cultos nos lares acontecem com muita frequência e os diáconos são, de forma geral, obreiros aptos para tais funções. No entanto, mesmo os trabalhos realizados fora da Igreja, merecem muita atenção.

  1. CULTOS NOS LARES. Os cultos nas casas das pessoas precisam ser rápidos e objetivos. Não devem durar por um período muito prolongado. O dirigente fará a distribuição das oportunidades entre os presentes que poderão cantar ou trazer uma palavra rápida e específica. Nunca deve haver qualquer confronto as religiões em geral, especialmente se os donos da casa fizerem parte de alguma confissão diferente da nossa. Ao chegar, o dirigente deve cumprimentar todos os moradores e se apresentar a cada um deles. No desenrolar do culto pode haver a apresentação dos participantes em geral. Os louvores devem ser entoados por pessoas que tenham facilidade na condução, que no caso, pode até ser o dirigente. O pregador geralmente é escolhido com antecedência. Se houver algum pastor local presente, logo após a mensagem, a palavra deve ser passada a ele que fará as considerações finais e encerrará o culto.
  1. VISITAS. Nos casos das visitas, o que se deve observar com atenção são as razões ou os motivos da mesma. Casos especiais que geralmente nos leva nos lares: Doenças, fragilidade na fé, falecimento de algum ente querido, nascimentos e convites especiais. Para cada um desses casos, a atenção deve ser diferenciada. Aos enfermos, geralmente levamos sempre uma palavra alentadora e oramos por sua cura, sem prometermos o que não podemos fazer. Deixemos claro que Deus tem poder para curar qualquer doença, mas Sua soberania deve ser sempre acatada. Em caso de pessoas que estão fracas na fé, nossa palavra será de fortalecimento e convite para que o fraco restabeleça sua força. É sempre bom respeitar a vontade das pessoas e não se tornar intransigente em razão da insistência. Deixe sempre a porta aberta. Em casos de falecimento de entes queridos, o cuidado será ainda maior. A pessoa geralmente está fragilizada pela perda e por isso está sensível a qualquer coisa que for dita. Se a pessoa que faleceu era salva, então tenha liberdade em falar da eternidade com Deus, céu e coisa do gênero. Agora, se não era cristão, nem entre neste tema. Evite trazer maior tristeza para aqueles que ficaram. Deixe uma palavra de consolo e se possível demonstre tristeza pelo fato ocorrido. No caso de recém-nascidos, a visita segue sua normalidade, oração pela mãe, pela criança em especial e pela família. Alguns louvores podem ser entoados, palavras de gratidão a Deus sempre é bom neste caso, e se possível, pode-se levar algum presente tipo fraldas descartáveis, chupeta, mamadeiras, coisas para recém-nascido. Quando a razão for por um convite pessoal à igreja, ao chegar o dirigente deve de forma imediata procurar informações com a pessoa que convidou a razão do convite. Pode ser aniversário de alguém, pode ser apenas por razões evangelísticas, etc. Nada de especial que não tenha sido comentado até aqui.

III. POSTURAS DOS DIÁCONOS NA IGREJA E FORA DELA.
Não sei se vocês tiveram a sensação que tive quando comecei a escrever sobre este tema. A sensação foi a de certeza de que o Diaconato é mesmo uma função importantíssima no Reino de Deus, e a Igreja foi e tem sido grandemente abençoada desde que foram instituídos pelos Apóstolos. É bem verdade, que a Igreja de hoje possui um departamento de Ação Social que tem funcionado muito bem. Os diáconos de hoje nem sempre, ou quase nunca são responsáveis diretamente por tal departamento. Isto, porém não deixa os diáconos completamente isentos de suas responsabilidades iniciais que era a de cuidar dos órfãos e das viúvas em suas necessidades. Com o funcionamento do departamento assistencial na Igreja, os diáconos ficam um pouco mais livres para o desempenho das funções espirituais.

Como obreiros que são os diáconos devem assumir a postura condizente com o cargo que estão executando. Devem ser pessoas felizes, mas não pessoas extravagantes demais. Devem ser pessoas com senso de amizade, mas evitar amizade demais principalmente com o sexo oposto. Pode ser amigo? Sim, deve ser. Mas evite situações que possam trazer futuros desconfortos familiares. Nada de:
  1. Ficar chamando de "meu amorzinho". Principalmente se a pessoa for casada.
  2. Nada de ficar dando beijinhos, com desculpa de que é “osculo santo". Vigia!
  3. Visitas nas casas das irmãs, só acompanhado pela esposa, ou na certeza de que o esposo está presente em casa.
  4. Nada de ficar segunda a "mãozinha" da irmã por mais tempo que o necessário a um comprimento, isto pode parecer uma investida disfarçada.
  5. Cuidado ainda com a troca de olhares, isto pode revelar muita coisa, inclusive um desejo escondido.
  6. As diaconisas devem ter cuidado ao lidar com visitantes não crentes, evite dar assunto demais, geralmente fique perto do esposo na recepção.
  7. Também deve ter cuidado nas visitas nos lares, evite fazer visitas sozinhas, se o esposo não pode acompanhar, procure a companhia de outras irmãs da Igreja. De preferência, irmã que sejam idôneas.
  8. Nada de ficar sozinhas com alguém do sexo oposto para realizar qualquer serviço na igreja. Sempre que for solicitada procure saber se outras irmãs estarão presentes.
  9. Se houver qualquer tipo de discussão ou mesmo briga na igreja, deixe que os homens resolvam este caso. Se começar em você, busque rapidamente a ajuda de um obreiro do sexo masculino.
2. TRAJES E ATITUDES DOS DIÁCONOS.
Nossa igreja não exige o uso de paletó e gravata. Entendemos que as pessoas devem ter liberdade na escolha de suas roupas para virem a Igreja. Não podemos ficar fazendo imposições que entendemos ser desnecessárias ao culto. Entendemos também que moramos em uma área onde o clima é essencialmente quente na maioria dos meses do ano. Por isso, deixamos a critério a roupa que o obreiro deve utilizar. Algumas observações muito simples podem ser dadas a título de indicações ministeriais. O obreiro, ou obreira, antes de sair de casa deve se vestir de maneira decente. Roupas limpas e passadas, nada de roupas que parecem ter sido retiradas da boca de um boi, como dizem por aí! Para os homens camisas abotoadas até a altura do peito, ninguém que ver se seu peito é cabeludo ou careca! Nada de calças sensuais que mostram o que não deve ser mostrado, evite calças muito apertadas tipo cantores de músicas sertanejas. Sapatos limpos e engraxados. Barba feita, ou seja, cuidada. Não se esqueça do desodorante ou perfume, afinal ninguém leva "pregadores" para a igreja, tipo aqueles que prendem as roupas no varal, haja nariz. Quanto às mulheres, vale o mesmo. Roupas limpas e passadas. Maquiagem sem exagero unha bem cuidada, cabelos bem penteados. As roupas devem evitar sensualidade. Evite ficar mostrando as curvas do corpo, mas não precisa vir vestida de saco. O importante é que ambos estejam sempre bem apresentáveis no culto e passem uma imagem positiva aos visitantes na Igreja.

Quanto deve ser a postura correta dos diáconos no culto? A resposta é: Depende da função que ele esteja exercendo ali. Nem sempre todos os diáconos realizam algum trabalho no culto. Vai haver ocasiões em que alguns diáconos ficarão sentados apenas participando.
Agora se ele está em pleno desempenho de suas funções, algumas atitudes devem ser observadas.
  1. O PORTEIRO. Sua postura será a de transmitir alegria às pessoas que estão chegando para o culto. Deve ter uma postura de atenção para com as crianças e adultos que entram e saem da igreja. Deve observar com atenção toda movimentação dentro e fora da Igreja, principalmente quando pessoas desconhecidas estão presentes. Trate todas as pessoas com cordialidade dando boas vindas.
  1. O DIRIGENTE DO CULTO. Quando nesta função, o diácono deve ter uma postura de segurança. Não deve demonstrar medo nem nervosismo demasiado. Esteja seguro em tudo o que fará. Distribua as oportunidades e considere o tempo que você tem para o desenvolvimento do culto. Ao assentar-se, tenha uma postura adequada. Sentando-se de forma a não constranger quem está a sua frente. Ao cruzar as pernas, faça com cuidado, principalmente as diaconisas. Vigiem!
3. O DIÁCONO PREGADOR E ENSINADOR.
Os diáconos tem exercido muito bem a função de pregadores, talvez até fosse desnecessário a abordagem deste tema neste curso. Mas já que começamos...
  1. O PREGADOR. O pregador, como todos sabem é a pessoa responsável em transmitir a Palavra de Deus no culto. Quando o diácono sabe que assumirá esta responsabilidade, e sempre sabe afinal o aviso vem com antecedência, o diácono deve se preparar para este momento. Deve ler sua Bíblia e orar pedindo a Deus direção na preparação da mensagem. Coloque uma roupa apropriada e, ao chegar à Igreja, aguarde pacientemente o momento em que será convidado a assumir o púlpito. Faça o caminho até o púlpito com segurança e mesmo que esteja um pouco nervoso, isto é normal, procure não demonstrar isto. Este é o seu momento! Tenha cuidado com o horário, procure obedecer ao tempo que lhe foi estipulado, se for preciso, reduza sua mensagem. Evite ficar olhando para apenas uma pessoa ou para um canto específico, olhe em todas as direções possíveis. Se movimente, mas sem exageros, gritos estridentes podem ser evitados. Se tiver que usar alguém como exemplo, evite citar nomes, de preferência fale sobre você mesmo e principalmente da Palavra. Ao encerrar se desejar conduza a Igreja a um momento de oração de agradecimento.
  1. O ENSINADOR. Com o crescimento da Igreja, as responsabilidades no ensino tendem a crescer também. Hoje na nossa Igreja temos: Escola Bíblica Dominical, as domingos as 17:00hs. Culto de Estudo da Palavra, as Terças 20:00hs. O Ensino para Jovens e Adolescentes, Terças 20:00hs. Terapia da Mulher, Terças 18:30hs. Parece pouco, mas para uma Igreja do nosso porte caminhamos razoavelmente bem. Nossa dificuldade são pessoas dedicadas para o ministério de ensino. Este ministério não é um ministério fácil de exercer. Ele exige tempo e dedicação no preparo, estudo e ministração do ensino. O ensinador, professor ou Mestre, como queiram chamar, tem que ter a responsabilidade de conhecer a matéria que vai ministrar, por isso precisa ser alguém que aprecie a leitura de bons livros, goste de fazer pesquisas sobre temas variados, não tenha dificuldade em participar em algum evento realizado por alguma religião de orientação não ortodoxa, e principalmente, seja um leitor ativo da Palavra de Deus.
  • PROFESSOR DA EBD. A Escola Bíblica Dominical é considerada o maior departamento de ensino da Igreja hodierna. Milhares de obreiros são formados todos os anos por esta excelente Escola Bíblica. Ela é o único departamento de ensino da Igreja que geralmente tem suas classes divididas conforme a idade de seus alunos. As literaturas geralmente são pré-estabelecidas conforme a denominação. As Assembleias de Deus utilizam revistas CPAD, BETEL, CENTRAL GOSPEL e outras. As Igrejas Batistas Brasileiras utilizam a série "Compromisso" e "Mensageiros do Rei" para um público, mas jovem. A Convenção Batista Nacional tem utilizado a série "Estudando a Palavra de Deus" Japer – Lerban, além da série "Passo a Passo com Deus" para novos convertidos. Poderíamos ainda citar as demais Igrejas como Metodistas, Presbiterianas, etc., mas nos faltaria tempo e espaço. Hoje, aqui em nossa Igreja utilizamos apostilas que são preparadas por obreiros que fazemos parte do ministério de ensino da Igreja. Após preparadas, nossas apostilas são publicadas no blog "muraldabiblia.blogspot.com". O único trabalho do professor é de estudar a lição e aplicá-la. Nossa escola tem uma estrutura bem pequena em razão do nosso horário de funcionamento, mas temos pessoas muito interessadas com o aprendizado. O diácono pode ser professor da EBD, basta que se apresente para tal trabalho e tenha disponibilidade em estar na Igreja nos domingos à tarde.
  • O professor do Culto de Estudo. O culto de Estudo em muito pouco se diferencia da EBD. Talvez a única diferença esteja mesmo no dia e no horário. Acontece as terças-feiras as 20:00hs. A ministração acontece também através de apostilas que são criadas pelo nosso ministério de ensino. O professor, como na EBD, tem apenas que estudar a lição. É bom que o professor prepare slides para ajudar a ministração.
Ao que parece tratamos até aqui dos pontos mais importantes no que diz respeito ao trabalho a ser realizado pelos diáconos na Igreja. Todas as dúvidas em relação aos estudos ministrados devem ser tiradas agora ou mesmo após o encerramento. Os professores estarão à disposição de todos durante o Coffe- Breeack. Que o Senhor Deus abençoe o mistério de todos e façam todo o possível para realizarem seu ministério com excelência. É disso que estamos falando! Graça e Paz no Senhor Jesus.




SALA DE ESTUDOS - HERMENÊUTICA

Sala de Estudos Introdução:  Hoje é nosso primeiro dia Sala de Estudo. Iniciamos agora uma nova reunião onde teremos o privilégio de ...