terça-feira, 6 de setembro de 2016

O Jejum e a Oração a Luz da Bíblia

ESTUDO BÍBLICO TERÇA-FEIRA
IGREJA BATISTA NACIONAL
VALE DAS BENÇÃOS
EM BACAXÁ – SAQUAREMA
"O Jejum e a Oração a Luz da Bíblia"
 Terça-Feira  06.09.2016


Texto Bíblico: Lucas 5.33-39
33 - Disseram-lhe, então, eles: Por que jejuam os discípulos de João muitas vezes, e fazem orações, como também os dos fariseus, mas os teus comem e bebem? 34 - E ele lhes disse: Podeis vós fazer jejuar os filhos das bodas, enquanto o esposo está com eles? 35 - Dias virão, porém, em que o esposo lhes será tirado, e então, naqueles dias, jejuarão. 36 - E disse-lhes também uma parábola: Ninguém tira um pedaço de uma roupa nova para a coser em roupa velha, pois romperá a nova e o remendo não condiz com a velha. 37 - E ninguém deita vinho novo em odres velhos; de outra sorte o vinho novo romperá os odres, e entornar-se-á o vinho, e os odres se estragarão; 38 - Mas o vinho novo deve deitar-se em odres novos, e ambos juntamente se conservarão. 39 - E ninguém tendo bebido o velho quer logo o novo, porque diz: Melhor é o velho.

Introdução: Jejum é o mesmo que ficar sem comer? No fundo tudo é a mesma coisa? Tem o mesmo sentido? E a oração só deve ser feita quando estamos em jejum? O jejum faz a oração surtir um efeito diferente? Posso orar de barriga cheia? Estas são algumas das muitas questões que temos em nossa cabeça quando o tema é jejum e oração. Quem de nós nunca pensou assim: "Nossa! Vamos ter um estudo sobre jejum e oração na igreja! Vou aproveitar e fazer um montão de perguntas...". O problema é que às vezes até temos tal estudo, mas saímos com, mas dúvidas do que entramos, e a culpa nem sempre é do preletor ou professor. A culpa pode estar em nós mesmo que acabamos não fazendo as perguntas que queríamos fazer. (não deixe isto acontecer hoje...).

I. A PRÁTICA DO JEJUM E D ORAÇÃO NA HISTÓRIA.
Pois bem, o que posso te dizer, é que tanto o jejum quanto a oração, tem os seus fundamentos bíblicos. E tanto o AT quanto o NT nos mostram que estas práticas fizeram parte da rotina do povo de Deus. Mas não foi somente o povo bíblico que usaram de tais práticas em seus devocionais. Em toda a história da Igreja, homens de Deus buscaram seu poder em benção através destas armas infalíveis. Podemos citar alguns exemplos. Estão dispostos a conhecê-los? Então vamos lá.
  •  John Wesley. Teólogo Cristão Britânico. Fundador do Metodismo, foi Autor de muitas frases que se tornaram famosas. (Daí-me cem homens que nada temam senão o pecado, e que nada desejam senão a Deus, e eu abalarei o mundo). Viajou extensivamente pela Inglaterra e pela América, e o fogo do Avivamento se espalhou rapidamente. Em agosto 1770 havia 29.406 membros, 121 pregadores e 50 zonas na Inglaterra e 4 pregadores e 100 capelas nos EUA. Quando Wesley morreu, no dia 2 de março de 1791, havia mais de 120.000 metodistas nas suas sociedades.
  • Martin Lutero. Ex monge Agostiniano, professor de Teologia na Universidade de Winttenberg onde se tornou muito conhecido. Em 31 de outubro de 1517 Lutero protestou contra a prática de indulgência, fixando uma série de críticas (95) teses na porta da Igreja do Castelo de Winttenberg.
  • João Calvino. Importante professor e teólogo cristão de nacionalidade Francesa. Teve um papel importante no processo da Reforma Protestante. Em Genebra Calvino escreve várias cartas e obras com forte apelo protestante e em favor dos perseguidos por causa da religião.
  • João Knox. Reformador Escocês. Ex-sacerdote Católico. Iniciou sua vida de pregador influenciado pelos contrabandistas que levavam Bíblias escondidas em carroças para distribuição na Escócia. Sofreu duras perseguições sendo preso e torturado muitas vezes.
  • João Nelson Hyde. Missionário Norte-Americano. Pregou o Evangelho na Índia, "Punjab". Sua família, diz a história, tinha o hábito da oração.
  • John Bunyan. Escritor e pregador Cristão. Escreveu "O Peregrino", considerado o livro mais publicado e lido, depois da bíblia. Razão pela qual foi preso. Cada vez que lhe era oferecida a liberdade em troca de não mais pregar, sua resposta era a mesma, voltaria a pregar.
  • Daniel Berg. Daniel Hogberg. Foi missionário evangelista pentecostal sueco. Atuou no inicio do século XX na Amazônia e Nordeste. Junto com Gunnar Vingren se tornaram pioneiros das Assembleias de Deus no Brasil em 1911.
  • Jonathan Edwards. Jejuou 24 horas antes de pregar seu famosos sermão "Pecadores nas mãos de um Deus Irado"
  • Carlos Finney. Evangelista Americano do começo do Século XVIII, muitas vezes interrompia os cultos de avivamentos quando percebia que os seus ouvintes se mostravam indiferentes a pregação, e imediatamente proclamava um período de jejum e oração. Quando notava que Deus começava a despertar os corações, reiniciava as suas reuniões.

 A Bíblia também apresenta a sua galeria de homens e mulheres que se colocaram na brecha do jejum e da oração. Podemos citar:
  1. Moisés. Êx 34.28 E esteve ali com o SENHOR quarenta dias e quarenta noites; não comeu pão, nem bebeu água...
  2. Ester. Et 4.16. Vai, ajunta a todos os judeus que se acharem em Susã, e jejuai por mim, e não comais nem bebais por três dias, nem de dia nem de noite, e eu e as minhas servas também assim jejuaremos. E assim irei ter com o rei, ainda que não seja segundo a lei; e se perecer, pereci.
  3. Davi. 2Sm 12.22 E disse ele: Vivendo ainda a criança, jejuei e chorei, porque dizia: Quem sabe se DEUS se compadecerá de mim, e viverá a criança? João Batista.
  4. Os Discípulos de João Batista. Mc 2.18 Ora, os discípulos de João e os fariseus jejuavam; e foram e disseram-lhe: Por que jejuam os discípulos de João e os dos fariseus, e não jejuam os teus discípulos?
  5. Paulo. At 9.9 E esteve três dias sem ver, e não comeu nem bebeu.
  6. O Senhor Jesus. Mt 4.2 E, tendo jejuado quarenta dias e quarenta noites, depois teve fome;

 Além destes citados, tantos outros fizeram uso desta estratégia de adoração e entrega a Pessoa de Deus.

II. TIPOS E FORMAS DE JEJUM.
Já que vamos estudar os assuntos, Jejum e oração, podemos escolher um entre os dois para começarmos nosso estudo, ou se preferirmos falar logo diretamente sobre ambos. Mas para que não fique um assunto daqueles meio "embaralhados" nas nossas cabeças, vamos começar tentando entender este negócio de jejum.

De acordo com a Bíblia, existem pelo menos três formas de jejuarmos (e não confundir com fazer dieta). Assim os estudiosos os denominam: O Típico, o Completo e o Parcial. A propósito já ia me esquecendo, precisamos definir o termo, afinal, não é assim que sempre começamos?

1.  DEFINIÇÃO DO TERMO JEJUM.
Segundo o Dicionário da Língua Portuguesa, Jejum é a total ou parcial abstinência de alimentos. Figuradamente podemos dizer que envolve a abstenção ou privação de algo. Fala de Continência. Diz-se que uma pessoa praticou o jejum quando esta pessoa passou por algumas horas sem comer. Mas também dizem que um time está em jejum quando está várias rodadas sem ganhar, igual alguns que nós conhecemos. (A Nossa Seleção, por exemplo, após o título de 1970, entrou num jejum de 24 anos sem título, aff, que horror!). Bem, isto não nos interessa agora.

Segundo ainda o que dizem os estudiosos, e olha que me parece que eles têm mesmo razão. O Jejum é uma excelente ferramenta para comunhão com Deus. Ele, se bem praticado, tem o objetivo de nos conduzir a uma plena lucidez espiritual facilitando assim nosso relacionamento com o criador. Como isto funciona? Vamos ver se entendemos. É que o nosso organismo, se não comemos, não precisará perder o seu valioso tempo gastando energias para fazer a nossa digestão, ele fica ali tranquilinho. Neste caso, O nosso cérebro é presenteado e acaba ganhando uma percentagem extra de energia para refletir nas coisas espirituais. Que lindo!

2. PARA QUE TIPO DE PESSOA O JEJUM É INDICADO?
É sempre bom lembrar que o jejum de que estamos falando é uma estratégia espiritual e deve ser feito por pessoas que querem um relacionamento com Deus de intimidade e para isso, tira um tempo para refletir nas coisas espirituais. é uma prática religiosa sim, É praticada por pessoas religiosas (E não venha com esta história de dizer: Eu não sou religioso). Nada tem a ver com dietas para emagrecimento, ou por motivos de enfermidades. Voltamos a repetir: É uma prática religiosa para aqueles que crêem. Então vamos lá, que deve jejuar? Vamos por etapa.

1. CRENTES COM MEDOS. Existem muitas situações que nos metem medo. O medo em alguns caso é visto como um instrumento de defesa pois ele as vezes nos impede de assumirmos alguns riscos. O jejum entra como um instrumento que vai nos proporcionar um ambiente especial de intimidade e comunhão com o Senhor e uma certeza muito grande de Sua amizade. Como resultado O Senhor Jesus nos traz a paz necessária para conduzir nosso coração a um estado de confiança plena. 2Cr20.3 Então Jeosafá temeu, e pôs-se a buscar o SENHOR, e apregoou jejum em todo o Judá.

2. CRENTES ARREPENDIDOS. Sabe quando fazemos alguma coisa e num momento descobrimos que fizemos uma coisa muito errada (Que feio!). Imediatamente sentimos um peso muito grande na alma, o coração fica meio que dividido entre as dúvidas e as incertezas (Não são a mesma coisa?), sei lá. A verdade é que precisamos do perdão divino. O jejum entra neste caso como uma ponte ou como um espaço ideal para criarmos um ambiente de reflexão e leitura das Escrituras. Feito isto é verdadeira a afirmação de que sentiremos arder em nosso coração um alívio promovendo um bem estar espiritual. ISm 7.6 E congregaram-se em Mizpá, e tiraram água, e a derramaram perante o SENHOR, e jejuaram aquele dia, e disseram ali: Pecamos contra o SENHOR...

3. PARA CRENTE QUE NECESSITAM DE UMA RESPOSTA DE DEUS. Entendemos que em alguns momentos Deus fala e nós não entendemos direito o que Ele falou. Não nos importamos muito com isso, pois afinal de contas não tínhamos nenhum interesse especial de ouvir alguma orientação divina. Mas existem dias em que estamos precisando ouvir a voz de Deus, e o pior, já tentamos de tudo. Ouvimos rádios evangélicas, DVDs de mensagens, fomos na casa de algum irmão, e nada! Podemos ser ajudados se conseguirmos um ambiente que nos coloque em condições de entrega a Deus. Este ambiente nos faz mais sensíveis e nos capacita a discernir a voz de Deus, ao mesmo tempo em que ouvimos Suas respostas. ISm 3:10 Então veio o SENHOR, e pôs-se ali, e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel. E disse Samuel: Fala, porque o teu servo ouve.

4. PARA O CRENTE QUE DESEJA SE HUMILHAR PERANTE DEUS. Tem horas que parece que precisamos de um empurrãozinho na nossa vida cristã. Em vez de melhorarmos com o tempo, permitimos que alguns sentimentos atrapalhem a nossa comunhão com Deus e com os irmãos. Conhecem um sentimentozinho chamado "orgulho"? É ele que às vezes vai invadindo nossa comunhão e vai impedindo nosso crescimento. O pior é que ele teima em se instalar bem no íntimo do nosso coração. Quando percebemos isto e não encontramos forças para desinstalar o dito cujo, devemos correr para Deus e neste caso, o jejum pode ser uma grande ajuda. O jejum vai os fazer compreender a nossa total dependência de Deus e assim vamos depositar nele todas os nossos sentimentos, incluindo aquele "bendito" orgulho. Ed 8:21 Então apregoei ali um jejum junto ao rio Aava, para nos humilharmos diante da face de nosso Deus, para lhe pedirmos caminho seguro para nós, para nossos filhos e para todos os nossos bens.

6. PARA CRENTE ENFRENTANDO PROVAÇÕES. O Senhor Jesus sempre se mostrou fortalecido nas práticas do jejum e da oração. (Logo Ele que eu acho que nem precisava disso). Na narração de Mateus, Jesus jejuou não menos que quarenta dias e noites (Não aguento um dia). O chifrudo pensou que Ele estava fraquinho porque não comeu e quis se aproveitar do momento para tentá-lo. Deu-se mal, Jesus estava mais forte que nunca e satanás ficou de cara no chão. Satanás da maneira que tentou Jesus também não desiste de investir contra os filhos de Deus, por isso devemos estar sempre prontos para enfrentarmos suas investidas. Conhecimento Bíblico é fundamental, lembram? "Está Escrito...". O jejum nos deixa mais atentos e mais seguros, não que por causa dele vamos receber alguma "unção" especial para vencer o maligno, mas se juntarmos ao jejum a oração e mais o conhecimento bíblico não terá demônio que não atenderá nossa ordem "Em Nome do Senhor Jesus".
Tem um hino na Harpa Cristã, o 75 que diz: "Tentado não ceda, ceder é pecar, melhor e mais nobre, será triunfar...".

Continua...





A TRADIÇÃO QUE RECEBEMOS.

Mandamo s -vos, porém, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que vos aparteis de todo o irmão que anda desordenadamente, e não segu...