domingo, 14 de agosto de 2016

SUJEITANDO-NOS UNS AOS OUTROS

ESCOLA BÍBLICA IGREJA BATISTA NACIONAL VALE DAS BENÇÃOS
EM BACAXÁ/ SAQUAREMA -  CARTA AOS EFÉSIOS
SUJEITANDO-NOS UNS AOS OUTROS.

Texto Básico: Efésios 5.22-27
Esposa, obedeça ao seu marido, como você obedece ao Senhor. Pois o marido tem autoridade sobre a esposa, assim como Cristo tem autoridade sobre a Igreja. E o próprio Cristo é o  Salvador da Igreja, que é o seu corpo. Portanto, assim como a Igreja é obediente a Cristo, assim também a esposa deve obedecer em tudo ao  seu marido. Marido, ame a sua esposa, assim como Cristo amou a Igreja e deu a sua vida por ela. Ele fez isso para dedicar a Igreja a Deus,  lavando-a com água e purificando-a com a sua palavra. E fez isso para também poder trazer para perto de si a Igreja em toda a sua beleza, pura e perfeita, sem manchas, ou rugas, ou qualquer outro defeito. 

Efésios 6.1-9
Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo. Como dizem as Escrituras : “Respeite o seu pai e a sua mãe.” E esse é o primeiro mandamento que tem uma promessa, a qual é: “Faça isso a fim de que tudo corra bem para você, e você viva muito tempo na terra.”  Pais, não tratem os seus filhos de um jeito que faça com que eles fiquem irritados. Pelo contrário, vocês devem criá-los com a disciplina e os ensinamentos cristãos.  Escravos, obedeçam com medo e respeito àqueles que são seus donos aqui na terra. E façam isso com sinceridade, como se estivessem servindo a Cristo. Não obedeçam aos seus donos só quando eles estiverem vendo vocês, somente para conseguir a aprovação deles. Mas, como escravos de Cristo, façam de todo o coração o que Deus quer. Trabalhem com prazer, como se vocês estivessem trabalhando para o Senhor e não para pessoas. Lembrem que cada pessoa, seja escrava ou livre, será recompensada pelo Senhor de acordo com o que fizer.  Donos de escravos, tratem os seus escravos também com respeito e parem de ameaçá-los com castigos. Lembrem que vocês e os seus escravos pertencem ao mesmo Senhor, que está no céu, o qual trata a todos igualmente.

Introdução: A impressão que temos a partir do verso 22 é  que Paulo parece mudar o foco de sua epístola no momento em que entra em nossa casa e começa a falar de nossa intimidade. O interessante é que ele não abandona o teor doutrinário em que iniciou a epístola. Pelo contrário, Paulo consegue fazer uma bela comparação entre o amor conjugal e o amor de Cristo para com a Igreja. Ele consegue ver nesta comparação uma oportunidade para exorta o homem à amar a sua esposa, ao mesmo tempo em que enfatiza alguns aspectos que diferenciam o amor conjugal em detrimento a outros tipos de amor.

➡ O amor conjugal tem uma medida: O próprio corpo.… como ama o seu próprio corpo.
➡ O amor conjugal tem intensidade: Como a si mesmo. O homem que ama a sua esposa ama a si mesmo.
➡ O amor conjugal exprime cuidado: Como Cristo faz com a Igreja. Porque ninguém odeia o seu próprio corpo. Pelo contrário, cada um alimenta e cuida do seu corpo, como Cristo faz com a Igreja, pois nós somos membros do corpo de Cristo.
➡ O amor conjugal tem um parâmetro: As Escrituras. Como dizem as Escrituras Sagradas: É por isso que o homem deixa o seu pai e a sua mãe para se unir com a sua esposa, e os dois se tornam uma só pessoa.

Quanta verdade revelada nesta epístola. Paulo conhecia os crentes de Éfeso, sabia das suas limitações e conhecia também as muitas ofertas de infidelidade oferecida pelos encantos da cidade. Em razão disto Paulo conclui seu pensamento falando exatamente o que pensa do assunto: eu entendo que ela está falando a respeito de Cristo e da Igreja. Mas também está falando a respeito de vocês: cada marido deve amar a sua esposa como ama a si mesmo, e cada esposa deve respeitar o seu marido.

O ensino principal desta Epístola é que a vida do cristão deve ser uma vida de serviço a Deus e aos outros. Sejam obedientes uns aos outros, pelo respeito que têm por Cristo.(5:21).

A partir do verso 22 Paulo começa a falar do nosso relacionamento com Deus.  Ele traz ao nosso entendimento um conceito de submissão onde ela pode ser vista com um estado onde nos colocamos na dependência de Deus e nos submetemos a Sua suprema autoridade divina. Quanto aos nossos semelhantes, Paulo indica a submissão como uma atitude onde agimos com respeito e a consideração. Isto tem a ver com a nossa capacidade de conviver e nos comunicarmos com nossos eles.

Quando falamos relacionamentos, devemos saber que existem vários tipos, mas todos eles seguem em uma única direção. É a que costumamos chamar de ligação ou elo de amizade.  Podemos classificar estes elos em uma ordem bem simples como a que se segue.

Afetiva,
➡ Profissional,
➡  Eclesiástica,
➡ Catedrática,
➡ Outros.

O termo sujeitar tem pelo menos quatro significados:
➡ Dominar (Gn 1.28; 1Co 15.27-28).
➡ Dar o poder de dominar (Hb 2.5,8).
➡ Conformar-se (Gn 49.15, RA).
➡ Obedecer (2Sm 22.45; Ef 5.21-24).
Neste caso, Paulo está falando em obediência

I. MARIDO E MULHER (5:22-33).
Esposa, obedeça ao seu marido, como você obedece ao Senhor. A instrução para as Mulheres é de submissão aos seus maridos como ao Senhor (5:22-24).

Neste caso o sentido é de que, segundo os escritos Paulinos, as mulheres devem dar ao marido o poder de domínio sobre elas. É o entendimento de que Deus tem dado ao homem o papel de "cabeça"da mulher, da mesma maneira que deu a Cristo o papel de "cabeça"da igreja (5:23). Da mesma forma que a igreja se submete à autoridade de Jesus em todas as coisas, a mulher deve procurar se sujeitar à autoridade do marido.

Isto contudo não quer dizer que o homem, por ter domínio, pode usar sua autoridade segundo bem lhe convier. Ao homem cabe o dever de submição à esposa, no sentido de a conduzir com o mesmo amor que Cristo demonstra pela a igreja. Note que Paulo enfatiza o fato de Cristo deu a Sua própria vida por ela. Marido, ame a sua esposa, assim como Cristo amou a Igreja e deu a sua vida por ela. 5:25.
Neste sentido é bom observar a maneira com o apóstolo descreve o amor entre Cristo e a Igreja ao mesmo tempo em que o descreve entre marido e mulher. Cristo, o qual está acima de todos os homens, se submeteu "em amor"até ao ponto de morrer, para santificar e purificar a igreja para Deus 5:25-27; Fp 2:5-1.

Não pensemos que pelo fato de estarem as mulheres sob submissão, Os homens estão em vantagem sobre elas. Não é bem assim, na verdade os homens são admoestados a amar suas esposas como seus próprios corpos.  5:28-30 Ninguém maltrata ou abusa seu próprio corpo de propósito, mas antes protege e cuida dele como Cristo faz para com a Igreja. v. 29

O apóstolo ainda caminha um pouco mais longe ao afirmar que o marido que não ama e cuida da sua esposa, fornecendo a suas necessidades, está pecando contra ela e contra Deus! O casamento, é mais que um simples contrato, é uma aliança onde homem e mulher se tornam uma só carne, como a igreja é o corpo de Cristo (5:31-32; 1:22-23). Por esse motivo, homens e mulheres devem se submeter uns aos outros e cuidar uns dos outros como Cristo faz com o seu corpo.
Em uma aliança ambos os envolvidos devem cumprir a parte que lhe cabe. O não cumprimento, seja de que lado for, pode significar a quebra da mesma. Assim não pensemos que Autoridade do marido dá a ele poder supremo sobre a esposa. Paulo em poucas linhas descreve para nosso entendimento uma visão clara de autoridade e submissão a luz das Escrituras.

II. PAIS E FILHOS (6:1-4).
Filhos, o dever cristão de vocês é obedecer ao seu pai e à sua mãe, pois isso é certo.( 6:1)
Não temos como Imaginar a ausência dos filhos no casamento.  Por mais trabalho que dê criar um filho, dificilmente encontramos casais que, a não ser por uma questão de tempo ou por alguma razão adversa, não faça ou tenha feito um planejamento deles logo no início do casamento. Um um filho ou filha é presente de Deus para alegrar a casa. 

Também não negamos o aumento assustador no mundo do que chamamos de "filhos rebeldes". Não temos como prever isto, mas, segundo Paulo podemos evitar que a rebeldia aconteça em razão de um mal relacionamento dentro de casa. Eduque a criança no caminho em que deve andar, e até o fim da vida não se desviará dele. Pv 22:6.  A rebeldia não deve nunca ser vista como um mal que protocole aos pais um princípio de licença de espancamento de seus filhos.  Corrija os seus filhos enquanto eles têm idade para aprender; mas não os mate de pancadas. Pv 19:18. Os pais devem praticar uma autoridade responsável. Os ensinos de Paulo para este tema é  de que os Pais devem submeter seus filhos, disciplinando-os no Senhor.  Em nenhum momento  o apóstolo autoriza aos pais o uso do domínio no sentido de provocar neles a irá. E vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na disciplina e admoestação do Senhor. 6.4.

Percebam que por outro lado, o apóstolo chama a atenção dos Pais que não disciplinam seus filhos. Segundo o entendimento de Paulo se os  pais agem assim estão pecando contra eles e contra Deus, pois é a disciplina que molda o carácter dos filhos e os ajudam a se comportarem corretamente. não deixem de ensiná-las aos seus filhos. Repitam essas leis em casa e fora de casa, quando se deitarem e quando se levantarem. Dt 6:7. Cabe a família, e neste caso diretamente aos pais o dever e a responsabilidade de guiar e dirigir seus filhos. Devem ensinar seus filhos através da instrução e disciplina, podendo incluir em algumas ocasiões o castigo. Pode ser que um homem tenha um filho teimoso e rebelde, que não obedece aos pais, nem mesmo depois de ser castigado. Dt 21.18.

A palavra disciplina vem do latim e significa "instrução"ou "treinamento". Disciplinar significa ajudar outros a viverem de maneira que possam fazer o que deveriam. A disciplina, embora atemorize algumas pessoas, não precisa ser severa ou dura, porém também não pode ser desprezadas. Quem não castiga o filho não o ama. Quem ama o filho castiga-o enquanto é tempo. Pv 13:24.

III. SERVOS E SENHORES (6:5-9).
Escravos, obedeçam com medo e respeito àqueles que são seus donos aqui na terra. E façam isso com sinceridade, como se estivessem servindo a Cristo.
Os servos cristãos, apartir do verso seis passam a ser o foco de Paulo e são admoestados a submissão aos seus senhores com corações sinceros. Cuide bem da sua figueira e você terá figos para comer; trate bem o seu patrão e você será recompensado. Pv 27:18. Notemos que o caminho é o mesmo. A submissão deve ser da mesma maneira em que se submetem a Cristo (6:5). Somos levados ao entendimento de que na condição de cristãos, nossas atitudes no trabalho devem ser responsável.  Se fazemos somente o mínimo para satisfazer nosso patrão, nada mais do que o nosso dever estamos cumprindo. O patrão que contrata qualquer tolo que lhe pede emprego acaba prejudicando todos. Pv 26:10. No mundo competitivo em que vivemos precisamos nos destacar naquilo que fazemos, procurando fazer o melhor que pudermos. Por certo agindo assim, servindo com diligência agradamos ao Senhor (6:8). Os reis recompensam os servidores competentes, mas castigam os que não agem bem.
(Pv 14:35)

Os patrões por sua vez são exportados no que se refere ao tipo de tratamento a ser dispensado a seus empregados. O apóstolo enfatiza que é dever dos patrões tratar seus empregados de forma digna.
Donos de escravos, tratem os seus escravos também com respeito e parem de ameaçá-los com castigos. Lembrem que vocês e os seus escravos pertencem ao mesmo Senhor, que está no céu, o qual trata a todos igualmente. 6:9. Os direitos dos empregados devem ser respeitados, principalmente se falamos de patrões crentes. Aqui temos uma via de mão dupla. Os empregados respeitam seus patrões cumprindo todas as suas obrigações e deveres. Os patrões cumprem todas as suas obrigações pagando o salário de seus empregados em dia. Não amarre a boca do boi quando ele estiver pisando o trigo.E dizem ainda: O trabalhador merece o seu salário. 1Tm 5:18.

Infelizmente em nossos dias não são poucas as empresas que descumprem suas obrigações para com seus "colaboradores" (É assim que são chamados os funcionários). O mínimo que se espera após um mês de trabalho é que o salário seja depositado em dia. Pague o salário dele no mesmo dia, antes do pôr-do-sol, pois ele é pobre e espera ansioso pelo dinheiro. Se você não pagar, ele gritará a Deus, o SENHOR, contra você, e você será culpado de pecado. Dt 24:15. Diante da situação financeira negativa e por culpa dos maus políticos que tem administrado mal nosso país, estado e cidades (nada escapou) ficamos a mercê de situações no mínimo indignas, trabalhando e não recebendo direitos as vezes assegurados por leis trabalhistas. Em detrimento a tudo isso, seguem-se os ensinos das Sagradas Escrituras que não devem ser esquecidos nem abandonados. O servo cristão, deve ser alguém que se distingue pela sua honestidade. Aquilo que se consegue com desonestidade não serve de nada, mas a honestidade livra da morte. Pv 10:2. Imaginem a vergonha para a igreja ter seu nome dizimado em caso de um empregado cristão ser descoberto metido em coisas escusas. A honestidade livra o homem correto, mas o desonesto é apanhado na armadilha da sua própria ganância.(Pv 11:6)

SALA DE ESTUDOS - HERMENÊUTICA

Sala de Estudos Introdução:  Hoje é nosso primeiro dia Sala de Estudo. Iniciamos agora uma nova reunião onde teremos o privilégio de ...