quinta-feira, 14 de novembro de 2013

APARÊNCIAS DE UM REI

Como pasmaram muitos à vista dele (pois o seu aspecto estava mui desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua aparência, mais do que a dos outros filhos dos homens), assim causará admiração às nações, e os reis fecharão a sua boca por causa dele; porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que não ouviram entenderão. Is 52:14,15

Int. A aparência é a forma exterior como uma coisa ou pessoa se apresenta. Ela pode ser bem diferente daquilo que representa, podendo portanto ser considerada como uma ilusão ou um disfarce.  Por se tratar do aspecto exterior, a aparência é como um retrato que pode revelar os bons ou os maus momento que uma pessoa esteja vivendo. O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos. Pv 17:22

Se temos saúde, e estamos felizes, nossa aparência demostrará isto facilmente, e provavelmente, em algum momento ouviremos declarações tipo: "Nossa, você está muito bem hoje!". O coração alegre aformoseia o rosto...

Porém se nossa saúde encontra-se debilitada, ou por alguma razão estamos tristes, logo invariavelmente, as pessoas perceberão ...com a tristeza do coração o espírito se abate. Pv 15:13

Nossa aparência quase sempre revelará nosso estado, Sinto-me encurvado e sobremodo abatido, ando de luto o dia todo. Sl 38.6. Uma pessoa, que esteja vivendo da maneira que descreve o salmista, ouvirá expressões do tipo: "você está péssimo hoje!" Estou aflito e mui quebrantado; dou gemidos por efeito do desassossego do meu coração. Sl 38:8

A Bíblia nos apresenta dois momentos bem distintos da pessoa do nosso Salvador.  Em um momento, Isaias vê o Senhor Jesus simplesmente como um homem. Um homem com todas as suas aparências e características humanas. Paulo nos dá detalhes deste momento descrito por Isaias em Fp 2.6,7 pois Ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana,

Veja as expressões de Paulo:
* Se esvaziou...
* Assumiu a "forma" de servo...
* Tornou-se em semelhança de homens...
* Reconhecido em figura humana

É exatamente assim que Isaias vê o Senhor Jesus, um homem em direção ao Calvário, um homem completamente desfigurado em vista do sofrimento a Ele imposto no episódio da crucificação. ...o seu aspecto estava mui desfigurado, mais do que o de outro qualquer, e a sua aparência, mais do que a dos outros filhos dos homens...

Passado o episódio da cruz, Jesus se apresenta novamente, desta vez a João, o evangelista, porém não mais na figura de um homem de dores, desta vez o Senhor Jesus assume a aparência de Deus. Deus vencedor, e digno de toda honra e adoração. Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo joelho, nos céus, na terra e debaixo da terra, e toda língua confesse que Jesus Cristo é Senhor, para glória de Deus Pai. Fp 2:9-11

Se podemos fazer uma comparação entre as duas apresentações da aparência do Senhor Jesus, então temos a visão de Isaias e a visão de João Evangelista. Cada um na sua descrição apontará para dois momentos distintos, mais ao mesmo tempo que se complementam no cumprimento do plano estabelecido por Deus para salvação do homem.

...não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse. Is 53:2

A descrição do profeta Isaias é a mais perfeita descrição dos momentos de angustias e de sofrimentos pelos quais passaram o nosso Salvador.

Isaias em nenhum momento, em seu texto, faz alguma tentativa de dar uma descrição da aparência física do homem Jesus. O que Isaias descreve, é exatamente aquilo que ele vê. Certamente, ele tomou sobre si as nossas enfermidades e as nossas dores levou sobre si...Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades... Is 53:4,5

O que Isaias vê é um homem sendo esmagado pela maldade humana. Um homem sofrendo todo tipo de escárnios e maldades que a carne humana poderia suportar. Ele foi oprimido e humilhado, mas não abriu a boca; como cordeiro foi levado ao matadouro; e, como ovelha muda perante os seus tosquiadores, ele não abriu a boca. Is 53:7

I. O TRAJETO DE SOFRIMENTO.

Na sua descrição, o profeta Isaias, fala de um homem com um longo e pesado tronco de madeira sobre os seus ombros se arrastando por uma apertada rua dividida em duas partes dentro da velha cidade de Jerusalém. Via Dolorosa, do latim, "O Caminho da dor" ou simplesmente "Caminho Doloroso" assim ficou conhecido este caminho, um percurso sinuoso que percorria uma distância, para ser bem exato, 595 metros. Mc 15:20 Depois de terem caçoado dele, tiraram a capa vermelha e o vestiram com as suas próprias roupas. Em seguida o levaram para fora a fim de o crucificarem.

Antes de fazer este caminho, Ele havia sido forçado a andar 4Km, isto depois de uma noite inteira sem dormir, durante a qual Ele sofreu a angústia de pelo menos seis julgamentos. Ele foi oprimido e humilhado,

Pela manhã, ai invés de torradas ou biscoitos, Ele tem de enfrentar um violento espancamento físico. Jo 19.1 Aí Pilatos mandou chicotear Jesus.  

Amarrado a um poste, rasgaram parte de suas vestes deixando suas costas inteiramente exposta. Nestes casos, os romanos usavam uma espécie de chicote que chamavam "flagelum" que consistia em pequenas partes de osso e metal unidos a vários cordões de couro.  

O número de açoites não é registrado, por nenhum dos evangelistas porém o costume era de que fosse 40, reduzido para 39, para prevenir golpes excessivos por um erro de contagem. Dt 25.3 Quarenta açoites lhe fará dar, não mais; para que, porventura, se lhe fizer dar mais do que estes, teu irmão não fique aviltado aos teus olhos.

Durante as chicotadas, Isaias podia ver a pele do Senhor Jesus sendo arrancada de suas costas, e ficando em seu lugar exposta, uma massa ensanguentada de músculo e osso. Sl 22:16-18 Um bando de marginais está me cercando; eles avançam contra mim como cachorros e rasgam as minhas mãos e os meus pés.  Todos os meus ossos podem ser contados. Os meus inimigos me olham e gostam do que veem.  Eles repartem entre si as minhas roupas e fazem sorteio da minha túnica.  

Isaias vê Jesus sofrer uma extrema perda de sangue, ficando enfraquecido ao ponto de quase lhe causar inconsciência.  A cada golpe Ele reage em um sobressalto de dor ficando clara a afirmação do profeta que disse:  Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades...

Um suor frio desce por sobre a sua a fronte, a cabeça gira em vertigens e náuseas. As forças se esvaem. Calafrios lhe correm ao longo das costas. Jesus é escarnecido. Mt 27:28-30 Tiraram a roupa de Jesus e o vestiram com uma capa vermelha. Fizeram uma coroa de ramos cheios de espinhos, e a puseram na sua cabeça, e colocaram um bastão na sua mão direita.

Soldados Romanos em estado de zombaria se ajoelham um após outro diante do Mestre e caçoam, dizendo: Viva o Rei dos Judeus!  Eles cospem nele... Com um bastão e batiam na sua cabeça...

O salmista descreve a severidade do espancamento: Is 50.6. Ofereci as minhas costas aos que me batiam e o rosto aos que arrancavam a minha barba. Não tentei me esconder quando me xingavam e cuspiam no meu rosto.  

Com longos espinhos mais duros do que acácia, os soldados entrelaçam uma espécie de capacete, ao que chamaram de coroa, e o aplicam sobre a cabeça do Mestre. Os espinhos penetram no couro cabeludo, fazendo-o sangrar. Nesta hora, o profeta parece não conseguir mais segurar toda sua indignação e declara: Is 52.14. Muitos ficaram horrorizados quando o viram, pois ele estava tão desfigurado, que nem parecia um ser humano.  

Is 53. "Ele foi oprimido e afligido"

No Calvário os carrascos despojam nosso Mestre mais sua túnica está colada nas chagas cada fio do tecido está aderido à carne viva pelo sangue coagulado. Os carrascos dão um puxão violento, e o sangue começa a escorrer. A dor é intensa

Jesus é deitado de costas, suas chagas, agora a exposto, se incrustam misturando-se no pó e nas pedras.  

Deitado sobre o braço horizontal da cruz, os algozes tomam a medida e com longos pregos pontudos e quadrado aproximadamente 18 cm de comprimento por 1 cm de diâmetro.

Apoiam-no sobre o pulso de Jesus, e com um martelo, o plantam e rebatem sobre a madeira.   Jesus contrai o rosto assustadoramente.

O nervo mediano foi lesado, uma dor agudíssima que se fundiu pelos dedos e espalhou por todo o ombro, atingindo o cérebro.  

O nervo é destruído em parte. A lesão do tronco nervoso permanece em contato com o prego, quando o corpo é suspenso pela cruz, o nervo se estica fortemente.

A cada solavanco, a cada movimento, dores dilacerantes causa um suplício que dura horas.   O carrasco e seu ajudante empunham a extremidade da trava, elevam a Jesus, colocando-o primeiro sentado, depois em pé, consequentemente fazendo-o tombar para trás encostam na estaca vertical.

Foi uma cena assim que foi visto pelo profeta Isaias...

Isaias viu o Senhor Jesus e o descreveu como alguém que” Era desprezado e o mais rejeitado entre os homens; homem de dores e que sabe o que é padecer; e, como um de quem os homens escondem o rosto, era desprezado, e dele não fizemos caso". Is 53:3

Não era um Jesus vencido, era um Jesus que...

"...derramou a sua alma na morte..."

"...foi contado com os transgressores..."

Mais que acima de tudo isto, Isaias via um Jesus que "...levou sobre si o pecado de muitos e pelos transgressores intercedeu. Is 53:12

Ap 1:7 Olhem! Ele vem com as nuvens! Todos o verão, até mesmo os que o atravessaram com a lança. Todos os povos do mundo chorarão por causa dele. Certamente será assim.

Agora, a cena muda, João, o Evangelista que estava exilado em Pátmos por causa do Evangelho do Senhor Jesus, descreve sua visão. Ap 1:10 No dia do Senhor fui dominado pelo Espírito de Deus e ouvi atrás de mim uma voz forte como o som de uma trombeta,

A visão não mais de um simples homem. Na visão de João, Jesus é visto em toda plenitude de sua divindade, diferença perceptível logo no início da descrição. ...e ouvi atrás de mim uma voz forte como o som de uma trombeta...

João diz que Jesus tinha alguma semelhança com um homem... Ap 1:12-16 Eu virei para ver quem falava comigo e vi sete candelabros de ouro. No meio deles estava um ser parecido com um homem...

Mais o que João vai descrever a partir daí, vai nos aproximar, em cada detalhe, não mais de um Jesus homem, mais um Jesus Deus em toda plenitude da sua divindade.

...vestindo uma roupa que chegava até os pés e com uma faixa de ouro em volta do peito. Suas vestimentas já não apontam mais para um homem comum. Ele não usa mais aquela roupa que lhe tiraram na hora da crucificação. Tiraram a roupa de Jesus e o vestiram com uma capa vermelha. Ele agora se veste em toda a dignidade de um Rei.

...Os seus cabelos eram brancos como a lã ou como a neve...  A brancura de seus cabelos contrapõe todo aquele estado de sofrimento pelo qual passara o nosso Mestre. Nele já não se via sangue, nem suor, nem resquício algum que lembrasse a rigidez daquela horrenda coroa de espinhos "Fizeram uma coroa de ramos cheios de espinhos, e a puseram na sua cabeça..."

...e os seus olhos eram brilhantes como o fogo. Nada, absolutamente nada está agora oculto aos olhos do Mestre. Com os olhos que brilham como labaredas de fogo Ele a tudo pode ver. A luz do sol já não lhe causa nenhum incômodo, pois Ele, até do sol é Senhor. Mas para vós outros que temeis o meu nome nascerá o sol da justiça, trazendo salvação nas suas asas; saireis e saltareis como bezerros soltos da estrebaria. Ml 4:2

...Os seus pés brilhavam como o bronze refinado na fornalha e depois polido, Jesus na visão de João, em nenhum momento lembra aquele Jesus que se arrastava pelas ruas conhecida como Via Dolorosa. Os seus pés já não estão encrustado de sangue misturado com poeira. Não, até os pés de Jesus agora conseguem refletir sua divindade como bronze refinado na fornalha e depois polido.

...E a sua voz parecia o barulho de uma grande cachoeira. Sua voz já não era aquela voz de alguém que havia experimentado todo tipo de sofrimentos. Na cruz, Jesus apenas pode sussurrar algumas poucas palavras, pois lhe faltava força e respiração adequada. Agora, sua voz, diz João, parecia o barulho de uma grande cachoeira

...Na mão direita ele segurava sete estrelas, Nas suas mãos já não haviam cravos ou pregos pontiagudos. Ele agora não estava mais seguro ou suspenso aquele rude madeiro. João o vê agora na maior demonstração de todo o seu poder e todo o domínio.  Ele mantêm sobre Sua mão direita, sete estrelas.

...E da sua boca saía uma espada afiada dos dois lados. Na cruz, tentaram lhe enfiar vinagre pela sua boca ferida e ressecada pela sede. Agora da Sua boca, diz João, saía uma espada afiada dos dois lados. Talvez fazendo menção a extrema autoridade que Ele agora mantêm sobre todos os moradores da terra.

...O seu rosto brilhava como o sol do meio-dia. Nada, absolutamente nada na visão de João há que possa nos fazer lembrar daquele Jesus descrito por Isaias. ...ele estava tão desfigurado, que nem parecia um ser humano.

Na visão de João, Jesus se apresenta na maior expressão da sua divindade: O seu rosto brilhava como o sol do meio-dia.

Na visão de Isaias, Jesus é visto na menor expressão da sua humanidade: ...não tinha aparência nem formosura; olhamo-lo, mas nenhuma beleza havia que nos agradasse

A cruz não conseguiu apagar a aparência divina do Senhor Jesus. O máximo que ela fez foi criar uma ilusão momentânea de um Cristo aparentemente vencido pela dor e pela morte. Sendo este (Jesus) entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos ao qual, porém, Deus ressuscitou, rompendo os grilhões da morte; porquanto não era possível fosse ele retido por ela. Atos 2:23,24

Pura ilusão, pois Ele mesmo testifica de si dizendo: Eu sou aquele que vive. Estive morto, mas agora estou vivo para todo o sempre. Tenho autoridade sobre a morte e sobre o mundo dos mortos. Ap 1.18

Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos, sabedores de que, havendo Cristo ressuscitado dentre os mortos, já não morre; a morte já não tem domínio sobre ele. Rm 6:8,9

Já morremos com Cristo...

A morte, por mais assustadora que ela seja, foi vencida na cruz. Nossa morte agora consiste unicamente em vivermos a vida do Senhor Jesus. Assim, como disse o Apostolo Paulo aos Romanos, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos.

Jesus, foi o Rei que foi visto por muitos, porém talvez não entendido pela maioria daqueles que o viram. Porque aquilo que não lhes foi anunciado verão, e aquilo que não ouviram entenderão.

Sua aparência na cruz, podia até ser bastante diferente de sua aparência vista depois por João no Apocalipse. Mais a cruz demostrou para nós, mesmo que de forma bem cruel, que na Pessoa do Senhor Jesus, sempre teremos a certeza da nossa vitória. Agora, pois, já nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. Rm 8:1

 

SALA DE ESTUDOS - HERMENÊUTICA

Sala de Estudos Introdução:  Hoje é nosso primeiro dia Sala de Estudo. Iniciamos agora uma nova reunião onde teremos o privilégio de ...